Faça como Milhares de Outras Pessoas, Cadastre-se e Receba Atualizações Diretamente em seu e-mail!

Assistência de enfermagem no pré-natal



O acompanhamento ao pré-natal é fundamental para que se tenha uma gravidez segura e saudável, tendo o enfoque na prevenção de futuros eventos patológicos e assistência emocional durante o período gestacional. 

Objetivos:
- Preparo físico e psicológico da gestante; 

Prevenir, identificar e tratar patologias que possam ocorrer durante a gestação; 

Controle obstétrico; 

Educação sanitária da gestante. 


A assistência pré-natal é a que se presta à gestante durante a gravidez. Nessa ocasião é feito preparo psicológico para o parto e orientação da gestante quanto à normas que deve observar.

A assistência pré-natal visa fazer com que a gravidez transcorra normalmente e que o parto ocorra sem acidentes, bem como que sejam evitados padecimentos e mal formação para o feto. Procura-se proteger a vida da mãe e da criança.

A mulher ao suspeitar de gravidez, deve procurar imediatamente o médico para ser feito o diagnóstico.

A gestante é submetida a exame clínico e o obstétrico variáveis na sua periodicidade, de acordo com orientação médica, rotinas e estado da cliente. São feitos exames laboratoriais de urina, parasitologico de fezes, sorológico para Lues, contagem de hemoglobina, hematócrito, fator Rh, tipo sangüíneo e outros que se fizerem necessários.

Leia Também: Gripe H1N1 e os cuidados de Enfermagem



O exame obstétrico se resume em

- Mensuração 

1.1 Altura uterina - do bordo superior da sífise púbica até o fundo uterino.

1.2 Circunferência abdominal - mede-se na altura do umbigo (90-92 cm no final).

- Ausculta do Foco fetal - é feita com esteto de Pinard (120-160 bat/min). 

- Palpação - das partes fetais. 


Controle de peso e edema 

Na 1ª consulta a que é submetida a gestante, é realizado exames clínicos, obstétrico e ginecológico, histórico, exame de urina, sangue e fezes. As consultas são mensais até 7 meses e meio de gravidez; da 30ª semana em diante são quinzenais; no último mês de gravidez são semanais.
Durante a gestação ocorrem várias mudanças e alterações em todo o organismo materno que vão exigir e solicitar da futura mamãe que adote certas medidas e procedimentos.
Para tanto, necessário se faz que a gestante tome conhecimento do seguinte: 

Vestuário: as roupas da gestante devem ser apropriadas e confortáveis, folgadas na cintura. Se necessário deverá usar meia elástica e cintas especiais. Os sapatos de salto alto não são indicados, acentuam a curvatura da coluna. Os sapatos mais recomendados são portanto os de salto baixo e médio. Usar suporte para o seio, que não deve ser apertado. O uso de ligas é contra-indicado. 

Asseio: higiene íntima - deve ser feita com mais freqüência, porque as secreções aumentam na gestação. Usar água e sabonete. Não fazer lavagens vaginais, pois pode haver contaminação. 

Banhos: devem ser diários, sendo os de chuveiro os mais recomendáveis. Os banhos de imersão devem ser evitados quando há corrimento vaginal e não muito indicado por facilitar as quedas. 

Abdômen: massagear a pele com creme ou óleo após o banho para evitar estrias e ressecamento. 

Mamas: limpar os mamilos e as mamas com água e sabão e após secá-los, massageá-los com creme. Mantê-las elevadas, mas não comprimidas. Isso se consegue com uso de soutiens de alças curtas e bojos largos. 

Dentes: usar escova macia e usar vitamina C com prescrição médica, para evitar sangramento gengivais. 

Alimentação: a alimentação é importante para: desenvolvimento do feto, promoção de melhores condições dos tecidos da gestante durante e após o parto; atendimento das necessidades orgânicas da mãe durante a lactação. A gestante precisará aumentar a ingestão de proteínas, vitaminas, cálcio e fósforo, iodo e ferro. Deverá constar das dietas diárias: 1 litro de leite; carne uma vez pelo menos, de boi, galinha ou peixe; ovos, um ou dois alternados no mínimo; verduras cozidas e cruas; frutas, duas diferentes; água mais de três vezes. Reduzir frituras e usar pouco condimento (ideal - seguir recomendações médicas). 

Intestinos: para evitar constipação intestinal, receber alimentação com frutas e verduras. 

Controle de peso: é feito mensalmente com o intuito de suprir deficiências e evitar que o peso excessivo venha a agravar complicações da gravidez e sobrecarregar o aparelho circulatório. Durante a gestação a gestante deve ganhar de 10 a 12Kg. 

Exercício e repouso: evitar fadiga (já existe sobrecarga cardíaca, aumento de peso e o sangue aumenta 40%). A atividade física deve ser moderada, realizar trabalhos domésticos comuns e dar passeios a pé, diariamente. Evitar carregar objetos pesados. Descansar 8 horas de sono noturno e se possível 1 hora após o almoço. Evitar choques emocionais. Deitar e levantar cedo. 

Viagens: evitar guiar carro depois do 7º mês. Evitar viagens muito longas e em estradas em más condições. Viagem de avião não é contra-indicado, mas o cinto de segurança do avião deverá ser colocado sob o abdome. 

Náuseas, vômitos e pirose: comuns nos 3 primeiros meses de gestação. Não ficar com o estômago vazio por mais de 2 ou 3 horas e repousar em posição semi-sentada. 

Imunização: evitar contato com portadores de doenças contagiosas. Fazer vacinação anti-tetânica de acordo com orientação médica e só depois do 1º trimestre de gestação. 

Fumo e álcool: aboli-los. 

Higiene Mental: em grau variado as gestantes sofrem tensão e fazem maior ou menor esforço para se adaptarem à situação. Tem medo por si mesmas e pela criança. Necessitam compreensão e distração, evitando conversas com pessoas que contem casos escabrosos e pessimistas sobre o parto ou gestação. 

Atividade Sexual: devem ser reduzidas no 1º trimestre. Contra indicado nas ameaças de aborto. Reduzidas no último mês. 

Drogas e medicamentos: não tomar medicamento sem indicação do médico, mesmo sendo analgésico comum ou outros quaisquer aos quais esteja acostumada. 

Sintomas de alarme na gestação: tonturas, perturbações visuais, edema acentuado do MMII, mãos e rosto, urina escassa, formigamento, perda de sangue de qualquer tipo e contrações uterinas antes do término da gestação. 

Parto: orientação geral sobre o parto e sintomatologia que indica a ocasião em que deverá procurar a maternidade para dar a luz. 

Bebê: orientação sobre o enxoval do bebê e cuidado com o recém-nascido após alta da maternidade. 


Colocando em prática os conhecimentos básicos adquiridos, a equipe de enfermagem poderá ter a seguinte atuação na assistência pré-natal. 

Valorizar as necessidades da cliente, vendo-a como um todo emocional físico, social e espiritual. 

Entender as alterações psicológicas, e tensão emocional, que ocorrem durante a gestação, para poder atender, orientar e relacionar-se adequadamente com a cliente. 

Encorajar a cliente a dar informações verdadeiras e fiéis sobre ocorrências passadas e presentes. 

Colher material para exame de urina, sangue e outros e orientá-las sobre os mesmos. 

Controlar peso, temperatura, pulso respiração e pressão arterial e anotar os dados obtidos no prontuário. 

Preparar a gestante para exame físico e orientá-la para esvaziar a bexiga, indicando a localização do sanitário. 

Colocar a cliente na mesa, em posição pra exame - decúbito dorsal para exame obstétrico e posição ginecológica para exame ginecológico. Cobri-la com lençol de acordo com orientação. Assistir aos exames atendendo às solicitações da cliente e do examinador. 

Ensinar o uso de meia elástica, quando for o caso. 

Informar sobre outros serviços que o hospital proporciona. 

Aplicar medicamentos e vacinas de acordo com prescrição médica.

 
Enfermagem a profissão do cuidar