Faça como Milhares de Outras Pessoas, Cadastre-se e Receba Atualizações Diretamente em seu e-mail!

DST - Conhecimento para equipe de enfermagem




As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) são causadas por infecções transmitidas através de portas de entrada (pele, mucosa) devido a uma atividade sexual com parceiro (a) portador de agente etiológico (vírus, bactérias, protozoários) por exposição sexual (vaginal, anal e oral) sem preservativo.

Principais DST:
A literatura nos mostra que existem diversas DST, vamos listar as principais que são classificadas como uretrites, cervicites, e verrugas genitais, etc:

AIDS/ HIV +
Condiloma Acuminado (HPV)
Hepatites virais
Linfogranuloma venéreo
Tricomoníase
Cancro Mole
Doença inflamatória pélvica (DIP)
Herpes
Clamídia e Gonorreia
Donovanose
Infecção pelo Vírus T-linfotrópico humano (HTLV)
Sífilis 


















Aspectos importantes em infectologia:

Sabemos que do ponto de vista epidemiológico as DST tem relevante importância na saúde pública a nível mundial. Pois estudos demonstram a grande quantidade de indivíduos portadores de algum tipo de DST, independente do gênero, idade e situação financeira, contudo é evidente que existem grupos de risco, ou seja, pessoas que estão mais vulneráveis devido a situação social, biológica e comportamental. 

Neste artigo vamos listar os principais eixos que o profissional de enfermagem deve conhecer para prestar um atendimento de qualidade, eficaz e útil baseado no conhecimento científico.

- Agentes etiológicos: É fundamental que o profissional tenha conhecimento a respeito do agente causador da DST, pois cada uma é originada por um agente diferente, e consequentemente o tratamento farmacológico é direcionado a um mecanismo de ação, além disso os sinais clínicos também são característicos de acordo com a fisiopatologia do processo infeccioso.
Exemplo: DST Sífilis x Agente etiológico Treponema Pallidum.

- Interpretação da sorologia: Tanto em âmbito de atenção primária quanto secundária o profissional deve saber analisar valores e associar de forma clínica a DST.

- Biosegurança: Devido ao contexto histórico a respeito da Aids/HIV houve grande preocupação em medidas preventivas para os profissionais de saúde, sendo este um grupo de risco devido a exposição a fluidos e secreções dos portadores de DST, diante desta situação foi estabelecido a precaução padrão que são equipamentos de proteção individual (EPI) e ações de higiene que devem ser utilizados durante a assistência direta aos pacientes sendo estes portadores ou não de DST. 

São estes: lavagem das mãos descarte de perfurocortantes em recipiente adequado, avental, luvas de procedimento, óculos de proteção, máscara, sapato fechado, entre outros de acordo com o grau de exposição e contato.

- Avaliação de enfermagem: De forma geral iremos citar as principais condutas profissionais ao atender paciente portador de DST. A abordagem deve ser pautada na ética, devemos sempre considerar o grau de conhecimento e cultura do paciente, para adaptarmos a linguagem adequada, com isso obteremos resultados mais eficazes. A postura deve transparecer confiança e devemos encorajar o paciente a sentir-se a vontade para relatar sua queixa, descrever sintomas e transparecer seu estado psicoemocional. Ao realizar exame físico devemos atentar a lesões, linfonodos inguinais, aspectos de secreções, sensibilidade à palpação, sinais de inflamação na região genital, anal e a cavidade oral. 

- Intervenções de enfermagem: Devemos realizar ações educativas quanto à patogênese da DST, higiene íntima, preservativo, adesão ao tratamento, estado emocional, ações preventivas e curativas, realizar aconselhamento de testes sorológicos, promover a inserção social dos portadores de DST para obter sucesso no processo terapêutico. As principais vacinas que estão relacionadas a DST são vacina HPV e hepatite B que tem como destaque a via de transmissão sexual, seguir conforme calendário vacinal, para portadores de Aids-HIV tem algumas peculiaridades que devemos observar atentamente.

- Notificação de casos: Por ser um problema de saúde pública determinados casos devem ser formalmente informados ao setor de vigilância epidemiológica, o instrumento utilizado é o formulário SINAN, listamos conforme determinado pelo setor público as DST que devem ser notificadas.

Síndrome da úlcera genital (excluído herpes genital)
Síndrome do corrimento uretral
Síndrome do corrimento cervical
Sífilis em adultos (excluída a forma primária)
Herpes genital (apenas o primeiro episódio)
Condiloma acuminado (verrugas anogenitais)


Referências bibliográficas

SMELTZER, Suzanne C et al. Brunner & Suddarth: Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014. 2338 p

HIV/AIDS, HEPATITES E OUTRAS DST. Brasília: Editora Ms - Os 2006/0263, 2006.

 
Enfermagem a profissão do cuidar