<data:blog.pageTitle/> <data:blog.pageName/> | Enfermagem a Profissão do Cuidar

Cuidados de enfermagem na punção venosa periférica

A punção venosa é um procedimento que se caracteriza pela colocação  de um dispositivo no interior do vaso venoso periférico,  podendo o...

A punção venosa é um procedimento que se caracteriza pela colocação de um dispositivo no interior do vaso venoso periférico, podendo ou não ser fixado à pele, e que requer cuidados e controle periódico, em caso de sua permanência.

É uma das atividades freqüentemente executada pelos profissionais de saúde, em especial os trabalhadores de enfermagem. A competência técnica para execução desse procedimento exige conhecimentos oriundos da anatomia, fisiologia, microbiologia, farmacologia, psicologia, dentre outros e destreza manual.

A importância de profissionais com competência técnico-científica para o desenvolvimento desse procedimento justificam-se, pois, mais de 50% dos pacientes hospitalizados, durante sua internação, têm em algum momento um cateter intravascular, seja ele periférico, central ou arterial.


Procedimento

- Conferir as prescrições médica e de enfermagem, a indicação de realização do procedimento.
- Levar a bandeja para o quarto do paciente e coloque-a na mesa auxiliar.
- Conectar o equipo ao frasco de solução e retirar o ar do sistema.
- Explicar o procedimento ao paciente.
- Lavagem das mãos;
- Calçar as luvas de procedimento
- Escolher o local de acesso venoso, exponha a área de aplicação e verificar as condições das veias.
- Garrotear o local a ser puncionado (Aplicar o garrote 15 a 20cm acima do local da punção venosa), a fim de propiciar a dilatação da veia.
- Fazer antissepsia do local com algodão embebido em álcool 70%, em movimentos circulares, do centro para as extremidades.
- Manter o algodão seco ao alcance das mãos.
- Tracionar a pele para baixo, com o polegar, abaixo do local a ser puncionado.
- Introduzir o cateter venoso na pele, com o bisel voltado para cima, a um ângulo aproximadamente  de 30 a 45º.
- Uma vez introduzido na pele, direcionar o cateter e introduza-o na veia.
- Abrir o cateter e observe o refluxo sanguíneo em seu interior.
- Soltar o garrote.
- Conectar a torneirinha ou tubo extensor ou o tubo em Y (polifix) ao equipo do sistema de infusão.
- Conectar o sistema ao cateter venoso.
- Iniciar a infusão, no tempo e à velocidade recomendada (prescrita). Calculo de gotejamento.



Para administração de medicamento

- Conectar a seringa que contém o medicamento ao cateter venoso.
- Iniciar a infusão, no tempo e à velocidade recomendados.
- Observe se há sinais de infiltração, extravasamento do líquido infundido ou hematoma no local da punção, além de queixas de dor ou desconforto.
- Fixar o dispositivo com esparadrapo ou adesivo hipoalergênico.
- Orientar o paciente sobre os cuidados para manutenção do cateter.
- Recolher o material e encaminhe os resíduos para o expurgo.
- Descartar o material perfuro cortante em recipiente adequado.
- Retirar as luvas de procedimento.
- Lavar as mãos.
- Fazer as anotações de enfermagem quanto à punção, em impresso próprio, especificando o local da punção e o cateter utilizado.

Cuidados Especiais

- Os locais preferidos para a punção venosa periférica são as veias cefálica e basílica no antebraço; os locais que devem ser evitados são as veias da perna e do pé, por causa do maior risco de tromboflebite e infecção. As veias antecubitais podem ser utilizadas se não existir outro acesso venoso disponível.
- As venopunções subsequentes não devem ser realizadas proximalmente a uma veia previamente utilizada, ou lesionada.
- Ao perfurar a veia deve-se inserir o cateter por método direto (diretamente sobre a veia) para agulha de pequeno calibre, veias frágeis e ou tortas, além de veias com risco aumentado de hematoma. O método indireto (na pele ao longo do lado da veia inserindo o cateter em seu ponto distal) pode ser usado em todas as punções.
- Pode-se proteger a área do garroteamento com gaze não estéril ou tecido fino (ex. manga da camisola) para proteção da pele frágil em pacientes pediátricos e idosos ou com excesso de pelos.
- Os últimos estudos científicos preconizam o uso de coberturas estéreis com membrana transparente semipermeável, quando não possível indica-se o uso do micropore ou esparadrapo.
- Quando utilizada cobertura não impermeável deve-se proteger o sítio de inserção do cateter com plástico durante o banho.
- Deve-se escolher um local de punção que não interfira nas atividades diárias do paciente ou procedimentos planejados, como exemplo preservar o membro com plegia para a realização da fisioterapia motora em pacientes hemiplégicos.
- O uso de cateter com agulha de aço (scalp) deve ser limitado à administração de dose única e coleta de amostra de sangue para análise clínica.
- Quando utilizado o cateter com agulha de aço não é necessário do uso de polifix
- De acordo com recomendações da ANVISA (2010) deve-se trocar o dispositivo em até 96 horas. 
- O cateter periférico na suspeita de contaminação, complicações, mau funcionamento ou descontinuidade da terapia deve ser retirado.
- Em pacientes neonatais e pediátricos os cateteres não devem ser trocados rotineiramente e devem permanecer até completar a terapia intravenosa, a menos que indicado clinicamente (flebite ou infiltração).
- Sempre que possível, indica-se cateteres periféricos providos de sistema de segurança para prevenir acidentes.
- Durante a escolha da veia, não faça uso de uso de fricção vigorosa ou de múltiplas “batidinhas” para dilatar a veia. Isto pode causar hematoma e/ou constrição venosa, especialmente em idosos.
- Para promover a distensão venosa pode-se massagear a extremidade da região distal para a proximal (abaixo do local proposto para a punção venosa) e aplicar aquecimento à extremidade por alguns minutos (compressa morna).
- Deve-se monitorar diariamente o acesso venoso periférico, a fim de avaliar a presença de infecção no sítio de inserção do cateter. 



Nome

Auditoria,8,Centro Cirúrgico,21,Dicas de Saúde,13,Doenças,34,Medicamentos,25,Publieditorial,5,Relacionados à Enfermagem,109,Relacionados à Saúde,120,Técnicas de Enfermagem,37,
ltr
item
Enfermagem: Cuidados de enfermagem na punção venosa periférica
Cuidados de enfermagem na punção venosa periférica
https://3.bp.blogspot.com/-9nNqyd7T5qg/U9gtqIG9-xI/AAAAAAAAATM/ldkFkxoxTnc/s320/puncao-periferica.png
https://3.bp.blogspot.com/-9nNqyd7T5qg/U9gtqIG9-xI/AAAAAAAAATM/ldkFkxoxTnc/s72-c/puncao-periferica.png
Enfermagem
https://www.enfermagemnovidade.com.br/2014/07/cuidados-de-enfermagem-na-puncao-venosa.html
https://www.enfermagemnovidade.com.br/
https://www.enfermagemnovidade.com.br/
https://www.enfermagemnovidade.com.br/2014/07/cuidados-de-enfermagem-na-puncao-venosa.html
true
7506902372674157562
UTF-8
Carregar todas as postagens Nenhum post encontrado VER TUDO Continuar lendo Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTAGENS VER TUDO RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODAS AS POSTAGENS Nenhuma postagem encontrada Página Inicial Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Oot Nov Dez Aagora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir CONTEÚDO PREMIUM BLOQUEADO PASSO 1: Compartilhe nas redes sociais PASSO 2: Click no link da sua rede social Copiar todo o código Selecionar todo o código Copiado para área de transferência Não pode copiar códigos / textos, pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C no Mac) para copiar