Pular para o conteúdo principal

Administração de medicamentos via intramuscular


A aplicação intramuscular (IM) trata-se de um procedimento frequentemente realizado na prática de enfermagem, e envolve uma série de decisões complexas relacionadas ao volume a ser injetada, medicação a ser usada, técnica de administração, seleção do local e dispositivo.

Consiste na introdução de líquido dentro da massa muscular. Para minimizar os efeitos colaterais ocasionalmente encontrados o profissional deverá avaliar rigorosamente a alguns aspectos antes de selecionar o local da aplicação.

- Distância em relação a vasos e nervos importantes;
- Musculatura desenvolvida para absorver o medicamento;
- Espessura do tecido adiposo;
- Idade do paciente;
- Irritabilidade do paciente;
- Atividade do paciente;
- Evitar tecido cicatricial ou endurecido.

As injeções IM podem ser bastante dolorosas ou desconfortáveis porque penetram profundamente nas camadas musculares, que são bastante inervadas por fibras sensitivas.  

É essencial, além do conhecimento do procedimento técnico, também compreender as ações da medicação para administrá-la de forma a incrementar seu efeito terapêutico e evitar ou minimizar seus efeitos colaterais.


A aplicação intramuscular deve ser indicada quando:
- Necessita-se de medicações de ação rápida porém não imediata.
- Para a administração de substâncias irritantes (aplicadas sempre profundamente no músculo);
- Introdução de substâncias de difícil absorção, como metais pesados, medicamentos oleosos e demais substâncias consideradas consistentes;
- Aplicação de baixo volume de soluções (volume igual ou inferior a 4 ml);

O volume Maximo a ser aplicado deve ser avaliado de acordo com a massa muscular do paciente.

Região deltóidea (4 cm abaixo do acrômio):até 2 ml
Região dorsoglutea (quadrante superior lateral): até 4 ml
Região ventroglutea (Hochstter): até 4 ml
Região anterolateral da coxa (vastolateral): até 4 ml

- A agulha deve ser sempre introduzida em posição perpendicular à pele, ou seja em um ângulo de 90°.
- O bisel da agulha deve ser posicionado de forma lateral, minimizando as agressões as fibras musculares minimizando a dor durante o procedimento e as complicações.
- As aplicações nunca devem ser realizadas com o paciente em pé, pois caso o paciente apresente complicações durante aplicação, pode cair.
- Pode ser aplicado soluções aquosas, oleosas e suspensões.

Os locais de aplicação:

Região deltóidea (músculo deltóide)


Aplicação de injeção
A delimitação deverá ser feita marcando quatro dedos abaixo do final do ombro e no ponto médio no sentido da largura(ao nível da axila), 3,5 a 4 cm acima da margem inferior do deltóide. O paciente deve permanecer deitado ou sentado com o braço ao longo do corpo ou com o antebraço flexionado em posição anatômica, com exposição do braço e ombro;
Varias são as desvantagens deste local, a grande sensibilidade e a pequena quantidade de liquido injetado são umas delas.
O uso desta região esta caindo em desuso devido ao grande numero de complicações apresentadas. Podemos dizer que é a ultima escolha em relação ao local para aplicação. Sendo indicada apenas para administração de vacinas.


Região dorso glútea (músculo glúteo Maximo)

Aplicação de medicamento
Podemos considerar o segundo local de escolha para administração de medicação via intramuscular.
A área é estabelecida traçando-se um eixo imaginário horizontal com origem na saliência mais proeminente da região sacra, e outro eixo vertical, originando na tuberosidade isquiática, cuja linha de conexão fica paralela ao trajeto do nervo ciático. A injeção é aplicada no quadrante látero-superior externo.
O correto posicionamento deste local nos deixa seguros quanto a evitar lesões no nervo ciático.
Posicionar o paciente em decúbito ventral, com a cabeça voltada para o aplicador (para melhor observação de desconforto ou dor durante a aplicação),os braços ao longo do corpo e os pés virados para dentro. Os pés virados para dentro evita que a pessoa contraia a musculatura.
Crianças deverão estar deitadas firmemente no colo de uma pessoa adulta, em decúbito ventral.

É contra indicada em:
- Crianças menores que dois anos;
- Crianças maiores que dois anos com reduzido desenvolvimento muscular;
- Pessoas com atrofia dos músculos da região;
- Idosos com flacidez e atrofia senil;
- Pessoas com insuficiência e complicações vasculares dos MMII.

Região ventroglútea (músculo glúteo médio e mínimo)

músculo glúteo
Também conhecida como rochstter, é a mais utilizada em países desenvolvidos.
É a região mais indicada por estar livre de estruturas anatômicas importantes como vasos sanguíneos ou nervos significativos. O posicionamento dos feixes musculares previne o deslizamento do medicamento em direção ao nervo ciático.
Esta região é assinada colocando a mão esquerda no quadril direito do paciente e vice-versa; aplica-se a injeção no centro do triângulo formado pelos dedos indicador e médio quando o primeiro é colocado na espinha ilíaca antero-superior e o segundo na crista ilíaca.

Esta é uma região indicada para qualquer faixa etária, especialmente crianças, idosos, indivíduos magros ou emaciados. O paciente deve ser posicionado em decúbito dorsal, lateral, ventral ou sentado.
A desvantagem deste local é a visualização do local de aplicação pelo paciente, e a apreensão deste e dos profissionais de saúde pelo pouco uso deste local, sendo que estes muitas vezes sentem-se inseguros quando a esta técnica;

Região face ântero-lateral da coxa (músculo vasto lateral)

Local seguro por ser livre de vasos sanguíneos ou nervos importantes nas proximidades. Os grandes vasos e nervos percorrem a região póstero-medial dos membros inferiores.
Apresenta grande massa muscular, sendo uma extensa área de aplicação,podendo receber injeções repetidas; Proporciona melhor controle de pessoas agitadas ou crianças chorosas e é de fácil acesso, tanto para o profissional, como para o próprio paciente que dela poderá utilizar-se sozinho.
O local é identificado dividindo-se a área entre o joelho e o grande trocanter em terços; a injeção é aplicada na face lateral do terço médio. Determina-se o local respeitando a distância de 12 cm abaixo do trocanter maior e 9 e 12 cm acima do joelho. A aplicação é feita entre a linha média lateral e a linha média anterior da coxa.

Complicações Durante e após Aplicação

- A equipe de enfermagem deve assegurar que o procedimento seja realizado da forma mais segura possível para minimizar as complicações.
- A maioria das complicações são encontradas nos músculos deltóide, glúteo máximo e vasto lateral.
- A região vento glútea oferece menor risco de complicação devido ao fato de ser livre de vasos sanguíneos e nervos importantes e a menor estrutura dos tecido subcutâneo quando comparado aos outros músculos.
- Lesão dos nervos radial, ulnar, escapular ou axilar;
- Lesão tissular de ramos do feixe vasculonervoso ( artérias e veias circunflexas, ventral e dorsal...) Paralisia dos músculos do membro superior;
- Lesão da artéria umeral;
- Lesão do nervo circunflexo com provocação do chamado sinal de Anger (parestesia da parte posterior do deltoide);
- Atrofia do deltoide;
- Abcessos;
- Infeções inespecíficas;
- Gangrena por lesão de vasos sanguíneos;
- Ulceração ou necrose tecidual por administração de medicamentos contra indicados para esta via;
- Reações orgânicas por intolerância a solução injetada;
- Tétano e/ou hepatite, em decorrência da contaminação do material durante o manuseio;
- Inflamações provocadas por medicamentos irritantes aplicados em grande volume;
- Nódulos e fibroses por aplicações repetidas no mesmo local.

Normalmente resultantes de:

- Má delimitação do músculo
- Uso de técnica não asséptica
- Excesso de volume administrado
- Administração de solução irritante

Técnica em Z ou Trilha em Z

Técnica ideal para evitar o refluxo do medicamento para a camada subcutânea, evitando o aparecimento de nódulos doloridos por reação inflamatória, principalmente no caso de aplicações feitas com soluções oleosas (como Perlutan) e à base de ferro como Noripurum, este podendo deixar manchas escuras na pele.
Pode ser usada em qualquer um dos locais descritos previamente sendo, entretanto, mais utilizada na região glútea.

Segurar a pele esticada durante a aplicação com o dedo indicador para que após a retirada da agulha a inserção inicial mude de lugar evitando extravasamentos e melhor distribuição da medicação.

Material Necessário

- Ampola ou frasco-ampola com medicamento;
- Recipiente provido de tampa com bolas de algodão secas;
- Almotolia com álcool a 70%;
- Seringa de 3 ml, 5 ml ou 10ml;
- Agulha para aspiração (calibre 40x12);
- Agulha para aplicação com calibre 25x7, 25x8, 30x7 ou 30x8;
- Cuba-rim para lixo.

Técnica de Aplicação

- Lavar as mãos
- Com o material previamente preparado, colocar a bandeja sobre a mesa de
cabeceira;
- Orientar o paciente sobre o que será feito, preparando-o psicologicamente
- Escolher local de aplicação.
- Posicionar o paciente e forma confortável e segura.
- Fazer anti-sepsia
- Segurando a bola de algodão entre os dedos da mão esquerda (mão não dominante), retirar o protetor da agulha;
- Com os dedos indicador e polegar da mão esquerda, esticar a pele afastando o tecido subcutâneo ou fazer uma prega mais profunda
- Introduzir toda a agulha em angulo de 90 graus de uma só vez
- Soltar o músculo e puxar o embolo;
- Se houver retorno de sangue, retirar a seringa, comprimir o local e realizar nova punção;
- Após injetar lentamente a solução, retirar a agulha
- Observar reações no paciente antes e depois da aplicação;
- Levar todo o material a sala de serviço e desprezar agulha e seringa
sem desconcertar ou reencapar a agulha, em recipiente próprio para material perfuro cortante;
- Limpar e desinfetar a bandeja, deixando, o ambiente em ordem;
- Checar no prontuário o medicamento administrado e anotar possíveis reações observadas.

Quer mais detalhes? Acesse o site do Coren

Leia Também: 
Administração de Medicamentos Via Endovenosa
Administração de Medicamentos Via Subcutânea






Top da Semana

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

A importância de tomar água

Você sabia que a sede é o primeiro sinal de desidratação? Ela, por sua vez, é um estado que afeta muito mais os tecidos e células do que o volume de sangue corrente. O que fazer? Para homens é recomendável (de idade de 19 a 70 anos) o consumo de 3,7 litros de água, já para as mulheres (de idade de 19 a 70 anos) é recomendável 2,7 litros de água. Cerca de 60% do peso do corpo humano é composto por água. Nosso corpo ao longo do dia vai eliminando todo esse líquido através da transpiração, suor, saliva, urina e fezes, por isso o consumo diário de água é tão importante. 
Benefícios do consumo de água:  * Limpeza do organismo * Controle da pressão sanguínea  * Proteção dos olhos * Proteção dos rins  * Firmeza e beleza da pele * Absorção de vitaminas  * Melhora do funcionamento intestinal  * Transporte de nutrientes para as células 
A água pode ser substituída? NÂO, ou não totalmente. Voce não deve deixar de lado a água para optar por um suco ou refrigerante, a água é extremamente importante para que n…

Arrumação de leito hospitalar

A técnica tem como função proporcionar repouso, conforto e segurança ao cliente. O cliente (paciente) é o elemento principal de qualquer instituição de saúde. 
Considera-se paciente todo o individuo submetido a tratamento, controle especiais, exames e observações medicas. O paciente procura o hospital quando atingido pela doença, cria nele angustia, inquietação, que leva a exagerar o poder e conhecimento sobre os profissionais que o socorrem, muitas vezes torna-se difícil o tratamento do doente, originando problemas de relacionamento (paciente pessoal).
Quando uma pessoa esta doente, precisa de ajuda para muitas das tarefas que habitualmente realiza sozinha. Parte do trabalho das pessoas que se dedicam, ao cuidado do paciente em um hospital é manter agradável o local que o cerca. Ficar em quarto limpo e com tudo em ordem ajudará o paciente a sentir-se melhor e tornará sua permanência no hospital mais agradável.
O leito é um fator importante na obtenção de repouso e conforto, sendo impres…

Lúpus tem cura?

O lúpus é uma doença auto-imune e por isso não tem cura, mas pode ser controlado, dessa forma as crises podem demorar anos para aparecer.
O lúpus pode danificar qualquer parte do corpo, desde a pele até aos órgãos através das articulações.
É uma doença que age por brotamento e, em seguida, parece desaparecer antes de voltar novamente.
Pesquisadores dizem que descobriram que, usando uma combinação de duas drogas já existentes, é possível reverter os efeitos do lúpus em ratinhos.

Em um novo estudo publicado na revista Sciense Translational Medicine, pesquisadores da Universidade da Flórida, Gainesville, descobriram que inibindo determinadas vias metabólicas em células do sistema imunológico que podem combater o lúpus em ratinhos. UF investigadores de saúde podem ter encontrado uma maneira de controlar o lúpus mudando a forma como as células do sistema imunológico utilizam energia.
"O resultado mais surpreendente deste estudo foi que a combinação dos dois inibidores metabólicos foram nec…

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…