Amniorrexe prematura: Cuidados de Enfermagem


A amniorrexe prematura é a ruptura das membranas ovulares antes do início do trabalho de parto, é uma das complicações mais comuns da gravidez e tem importante impacto na morbidade e mortalidade neonatal e perinatal. Sua ocorrência é responsável por grande número de partos prematuros, tornando a gestação uma situação de risco. A morbidade materna também é agravada pelos riscos de infecção.

Epidemiologia:
  • A incidência de Amniorrexe Prematura (AP) varia de 3 a 18,5%;
  • Aproximadamente 8 a 10% das pacientes com gestação a termo apresentam AP;
  • AP pretermo corresponde a 25% de todos os casos de AP e é responsável por cerca de 30% de todos os partos prematuros;
  • É maior e contribui mais para partos prematuros em populações de baixo nível sócio econômico e maiores índices de DSTs;
Importância das membranas fetais:
  • Barreira física que separa o feto e o líquido amniótico estéreis do canal vaginal contaminado;
  • Importância para o desenvolvimento do feto - o líquido amniótico é necessário para o desenvolvimento dos sistemas respiratório, gastrintestinal e urinário, além de permitir a movimentação fetal, contribuindo para o desenvolvimento normal da musculatura, e proteger o feto de lesões traumáticas e de lesões isquêmicas, por compressão do cordão umbilical 

Importância das membranas fetais:
  • Previne o prolapso de qualquer estrutura intra-amniótica pela cérvix, que frequentemente sofre dilatação antes da deflagração do trabalho de parto franco
  • Depósito de substratos para processos bioquímicos

Etiologia:

Rotura Fisiológica: com a aproximação do termo, as membranas vão se tornando cada vez mais susceptíveis à rotura devido ao estiramento causado pelo crescimento fetal e contrações uterinas, além da diminuição do seu conteúdo de colágeno

Rotura patológica
Causa intrínseca: constituição defeituosa, polidrâmnio, incompetência cervical
Causa extrínseca: infecção ascendente - gonococo, estreptococos do grupo B, Gardnerella vaginalis;   após procedimento – cerclagem ou amniocentese;

Fatores de risco: fumo, gestações múltiplas, descolamento prematuro da placenta, uso de cocaína, antecedente de rotura prematura pretermo, procedimentos ou lacerações cervicais, fadiga e longas horas de trabalho, deficiência de vitamina C e E.

Complicações:
  • Parto Prematuro
  • Infecção materna, fetal ou neonatal
  • Hipoxia e asfixia secundárias à compressão ou prolapso de cordão umbilical
  • Deformação fetal com restrição de crescimento, compressão de partes fetais e hipoplasia pulmonar (Potter-like síndrome)
  • Maiores taxas de cesáreas
Parto prematuroÉ a maior causa de morbidade e mortalidade perinatal nos casos de amniorrexe prematura
Complicações da prematuridade: SAR, hemorragia intraventricular e enterocolite necrosante
Infecção: Quanto menor a idade gestacional, maior a probabilidade de infecção e esta tende a ser de maior gravidade
Fetal ou neonatal: septicemia, pneumonia, infecção do trato urinário
Complicações da infecção para o feto:  dano ao sistema nervoso central

Condutas:
  • Hospitalização até o parto
  • Interrupção imediata da gravidez em caso de em trabalho de parto avançado, corioamnionite ou sofrimento fetal
  • Corticóides: Antecipam a maturidade fetal e diminuem a hemorragia intraventricular, mas podem aumentar o risco de infecção materna e neonatal
  • Antibióticos: Reduzem o risco de infecção materna e perinatal e também mostram-se eficazes em aumentar o período de latência provavelmente por tratar uma infecção que foi a causa da rotura
O parto prematuro pode estar ligado a fatores mecânicos, anatâmico/físiológico e infecciosos. Com o conhecimento destas causas a Enfermagem pode intervir de forma educativa sobre cuidados higiênicos a orientação ao esforço físico e com o conhecimento das causas fisiopatológicas pode intervir de maneira educativa.

Nossa população em sua maioria tem baixa escolaridade, desnutrição e má qualidade de higiene e muita sobrecarga física, fatores preponderantes na prematuridade.

A Enfermagem tem preparo para cuidar, orientar e educar através de técnicas devidamente comprovadas para a prevenção da amniorrexe prematura, baseada na literatura, pesquisa e vivência clínica.

Gostou? Comente!