Pular para o conteúdo principal

Exame físico e a classificação dos Sons: Abdominais, Respiratórios e Cardíacos

Olá amigos e amigas da profissão do cuidar! Tudo bem com vocês?

Neste artigo iremos abordar as técnicas para auscultar e classificar os sons através do estetoscópio.

Se não utilizarmos nossos conhecimentos, não conseguimos identificar corretamente o som e podemos equivocadamente registrar terminologias erradas ao som auscultado.

Para facilitar a identificação dos sons respiratórios, cardíacos e abdominais, iremos abordar de maneira didática a classificação desses sons, para sua melhor compreensão.

Se você realmente está interessado(a) em apreender ou recordar sobre estes fundamentos, continue a leitura até o final.


Sons Respiratórios

Os ruídos respiratórios normais são classificados em três categorias, conforme intensidade, timbre e duração, sendo portanto, apresentados da seguinte maneira:

1) Murmúrio Vesicular: é suave, com timbre grave, auscultado durante a inspiração de modo contínuo, sem pausa durante a expiração. Desaparece no início da expiração.

2) Ruídos Respiratórios Brônquicos: são muito intensos e com timbre bem agudo. Ocorre um curto período de silêncio entre as fases inspiratória e expiratória, sendo os ruídos expiratórios mais longos que os inspiratórios.

3) Ruídos Respiratórios Broncovesiculares: são considerados como intermediários. Nesses ruídos, os sons inspiratórios e expiratórios têm duração aproximada, podendo ocorrer ou não em um período de silêncio entre eles.



Quanto aos sons respiratórios anormais, também denominados de adventícios, consideraremos a seguinte classificação:

1) Sons Anormais Descontínuos: representados pelos estertores.
2) Sons ou Ruídos Anormais Contínuos: representados pelos roncos, sibilos e estridores.
3) Sons de Origem Pleural.

Os estertores são ruídos audíveis na inspiração ou na expiração, superpondo-se aos sons respiratórios normais, podendo-se apresentar finos (crepitantes) ou grossos. Os primeiros ocorrem no final da inspiração, de característica aguda, não se modificando com a tosse. Os grossos, ou também denominados bolhosos, sofrem alteração com a tosse, sendo audíveis em todas as regiões do tórax.

Quanto aos roncos, originam-se nas vibrações das paredes brônquicas e do conteúdo gasoso quando ocorre estreitamento desses ductos. Aparecem na inspiração e na expiração, predominando nessa última. Têm características fugazes e mutáveis.

Os sibilos também se originam de vibrações das paredes bronquiolares e de seu conteúdo gasoso. São disseminados por todo o tórax, quando desencadeados na asma e na bronquite.

O estridor é um som produzido pela semi obstrução da laringe ou da traquéia. Com relação aos sons anormais de origem pleural, são classificados como sons de maior duração e frequência mais baixa, com tonalidade grave, sendo mais fáceis de detectar. Decorre da presença de exsudato que recobre os folhetos  visceral e parietal da pleura, impedindo-os de deslizarem fisiologicamente um sobre o outro durante a respiração.

Sons Abdominais

Sons Abdominais Normativos: são gerados pela peristalse da motilidade. Os sons normais do intestino são estalidos ou gorgolejos de um tom alto, que ocorre entre cinco a quinze segundos.

Sons Abdominais Hiperativos: são os sons mais frequentes. Indicam motilidade intestinal aumentada, resultando, possivelmente, de condições como diarreia ou obstrução intestinal recente.

Sons Abdominais Hipoativos: são sons menos frequentes e normais do intestino. Diminuem a partir de condições como o Íleo preguiçoso e peritonite.


Borbulhamento: ocasionalmente pode-se ouvir um alto e prolongado som de gorgolejo, conhecido como borbulhamento. Esse som indica hiper peristalse, popularmente conhecida como roncos do estômago. 

Sons Cardíacos

Existem quatro sons cardíacos: primeiro som cardíaco (S1) e segundo som cardíaco (S2), que representam os sons normais; terceiro som cardíaco (S3) e quarto som cardíaco (S4), que são anormais.

O som S1 marca o início do fechamento da válvula mitral e da válvula tricúspide, durado aproximadamente 0,10s. Possui dois componentes: M1 e T1.

M1: é sincrônico com o fechamento da válvula bicúspide (mitral). T1 é sincrônico com o fechamento da válvula tricúspide. Geralmente, S1 é mais alto no ápice (foco mitral ou bicúspide), e no quarto espaço intercostal esquerdo.

S2: sinaliza o final da sístole ventricular. Tem dois componentes importantes: A2 e P2.

A2: está relacionado ao fechamento da válvula pulmonar. Ambos são produzidos pela súbita desaceleração do sangue com a resultante tensão e vibração das válvulas aórtica e pulmonar. Melhor auscultado ao longo da borda esternal esquerda superior.

S3: é causado pelas vibrações determinadas pela parede ventricular, quando ocorre a transmissão do enchimento sistólico rápido para distensão passiva. É um som anormal, porém nem sempre é patológico.

S4: é causado pelas vibrações determinadas nos ventrículos, à medida que elas se expandem na segunda fase de enchimento diastólico rápido, quando o átrio se contrai. Ocorre depois da contração atrial e antes de S1.

Top da Semana

Oxímetro de Pulso

oxímetro de pulso é um dispositivo médico que mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que o sangue está transportando. Trata-se de uma monitorização não invasiva da saturação de oxigênio do sangue arterial.
O nível de oxigênio mensurado com um oxímetro é chamado de nível de saturaçãode oxigênio (abreviado como O2sat ou SaO2). A SaO2 é a porcentagem de oxigênio que seu sangue está transportando, comparada com o máximo da sua capacidade de transporte. O padrão de normalidade varia entre 90 - 100% de SpO2.


O Oxímetro substitui a necessidade de Gasometria Arterial?
O oxímetro mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que é transportada pelo sangue, e não é invasivo. Já a gasometria arterial é um procedimento invasivo e mensura diretamente tanto a quantidade de oxigênio transportada pelo sangue quanto a de gás carbônico (dióxido de carbono). 
Material necessário para instalação do Oxímetro: Equipamento: Oxímetro de pulso;Sensor adulto ou infantil (permanente ou descartável);Álcool…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cuidados com a Gastrostomia

Gastrostomia e jejunostomia são procedimentos cirúrgicos para a fixação de uma sonda alimentar. Um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno, objetivando uma comunicação entre a cavidade do estômago e a parede do abdômen.
O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e "porcionamento" da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.
A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…