<data:blog.pageTitle/> <data:blog.pageName/> | Enfermagem a Profissão do Cuidar

Cuidados de Enfermagem centrados na Criança

Enfermagem Pediátrica : É um campo de estudo e de prática da enfermagem dirigida à assistência à criança até a adolescência. Ou, ainda,...


Enfermagem Pediátrica: É um campo de estudo e de prática da enfermagem dirigida à assistência à criança até a adolescência. Ou, ainda, é um campo da enfermagem que se dedica ao cuidado do ser humano em crescimento e desenvolvimento, desde o nascimento até a adolescência.

Pediatria: É o campo da Medicina que se dedica à assistência ao ser humano em crescimento e desenvolvimento, desde a fecundação até a adolescência.

Neonatologia: é o ramo da Pediatria que atende o recém-nascido, desde a data do nascimento até completar 28 dias;

Puericultura: também denominada de Pediatria Preventiva, é o ramo da Pediatria que cuida da manutenção da saúde da criança e do acompanhamento de seu crescimento e desenvolvimento.

Hebiatria: é o ramo da medicina que trata das alterações típicas da adolescência.

Classificação da infância em grupos etários:
  • Período neonatal: 0 a 28 dias;
  • Infância: de 29 dias a 10 anos
  • Lactente: 29 dias a 2 anos
  • Pré – escolar: 2 a 7 anos
  • Escolar: 7 a 12 anos
  • Adolescência: de 12 anos a 18 anos.

** No Brasil, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Lei 8.069, de 1990, considera criança a pessoa até 12 anos de idade incompletos e define a adolescência como a faixa etária de 12 a 18 anos de idade (artigo 2o), e, em casos excepcionais e quando disposto na lei, o estatuto é aplicável até os 21 anos de idade (artigos 121 e 142). O adolescente pode ter o voto opcional como eleitor e cidadão a partir dos 16 anos. O conceito de menor fica subentendido para os menores de 18 anos.


RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO

O estabelecimento de um relacionamento terapêutico é o fundamento essencial para o provimento de um cuidado de enfermagem de qualidade.

O profissional Enfermeiro precisa estar significativamente relacionado à criança e sua família, mas saber separar-se e distinguir seus próprios sentimentos e necessidades, além de estimular o controle da família sobre a atenção à saúde da criança.

Deve ser atencioso, mas saber impor limites e manter uma comunicação aberta com a criança e a família.

As maiores dificuldades de se estabelecer um relacionamento terapêutico estão no ambiente de cuidado domiciliar, principalmente por se tratar de um ambiente informal.

O Enfermeiro deve:

Ajudar as crianças e familiares a fazerem opções conscientes e agirem de acordo com os interesses da criança.

Trabalhar com os familiares de modo a identificar suas metas e necessidades e planejar as intervenções que melhor solucionam os problemas identificados.

Informar adequadamente à criança e sua família sobre tratamentos e procedimentos.
Encorajar que a família faça parte nos cuidados à criança e que mudem ou apoiem as práticas de atenção à saúde existente.

Fazer provisão de cuidados terapêuticos nos serviços que visa o uso de intervenções que eliminam ou minimizam o desconforto psicológico e físico experimentado pelas crianças e seus familiares.

Prevenir ou minimizar a separação da criança de sua família.
Promover o senso de controle.

Prevenir ou minimizar a lesão corporal e a dor.

Melhorar o relacionamento pais-filho durante a hospitalização.

Preparar a criança antes de qualquer tratamento ou procedimento não-familiar.
Garantir a privacidade da criança.

Oferecer atividades recreativas que possibilitam que a criança expresse seus medos e agressividade.

Respeitar as diferenças culturais.

CUIDADO DOMICILIAR CENTRADO NA CRIANÇA E SUA FAMÍLIA
  • O sucesso em implementar os cuidados de enfermagem no ambiente domiciliar é construído sobre uma base de colaboração entre a família e o profissional. Tendo como premissas:
  • Comunicação com diálogo e escuta ativa.
  • Consciência e aceitação das diferenças.
  • Negociação.
  • O Enfermeiro deve assegurar às famílias o direito ao sigilo das informações coletadas no histórico de enfermagem.
  • Em situação de discordância entre família e profissional quanto aos procedimentos apropriados para o cuidado com a criança, deve-se respeitar as preferências paternas, desde que não traga risco ou prejuízos à saúde da criança.
  • Sempre respeitar as diferenças culturais e não fazer julgamentos.

Atentar-se para a curiosidade das crianças:

Medicamentos, agulhas, seringas e quaisquer materiais contaminados devem ser armazenados com segurança.

CUIDADO HOSPITALAR CENTRADO NA CRIANÇA E NA FAMÍLIA
  • Impacto da hospitalização na criança
  • Ansiedade e medo da separação da família.
  • Regressão de comportamento.
  • Perda de “controle” e “poder”:
  • Perda de confiança.
  • Perda de autonomia e estabilidade decorrente à mudança de hábitos.
  • Perda da privacidade.
  • Comprometimento do rendimento escolar.
  • Pensamento imaginário de que a hospitalização é uma forma de punição.
  • Sentimentos profundos de raiva, tristeza e negação.
  • Condutas de enfermagem que minimizam o estresse na hospitalização
Histórico de enfermagem na admissão que assegure uma coleta sistemática de dados da criança e família, o qual permitirá planejar um cuidado individualizado.

DESAFIO:
  • Avaliar os hábitos de vida da criança em casa de modo a promover um ambiente doméstico no hospital.
  • Permitir que os pais ou responsáveis fiquem ao lado dos filhos durante a hospitalização e procedimentos.
  • Familiarizar a criança e família sobre as instalações da enfermaria.
  • Estimular o autocuidado.
  • Permitir e orientar que a criança e família participem de cuidados e/ou procedimentos.
  • Criar ambiente agradável e amistoso.
  • Ter um local reservado para procedimentos dolorosos.
  • Cuidado com acidentes.
Buscar apoio da psicopedagogia hospitalar:
  • Propiciar atividades de acordo com a etapa de desenvolvimento da criança.
  • Oferecer oportunidades recreativas para as crianças e sua família.
  • Escuta terapêutica para crianças e sua família.
DOR

A partir dos três anos a criança já é capaz de comunicar a dor que está sentindo.
Embora não tenha capacidade de descrever o tipo ou intensidade da dor, elas podem localizá-la ao apontar para uma área específica. 

DOR - Experiência sensitiva e emocional desagradável associada ou relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos. Cada indivíduo aprende a utilizar esse termo através das suas experiências anteriores.” IASPInternational Association for the Study of Pain

Nunca subestimar a dor em criança.

Muitas vezes ao indagar as crianças sobre a dor elas podem negá-la por temerem receber “injeção” ou por acreditarem merecer uma punição por algum erro.
Podem também negar a dor para um desconhecido, mas rapidamente admiti-la para os pais.

Atentar para as respostas verbais, não-verbais e fisiológicas da dor:
  • Rigidez corporal, agitamento, retraimento local reflexo da área estimulada.
  • Choro alto, gritos, face de dor ou raiva.
  • Falta de colaboração, solicita o término do procedimento.
  • Expressões como: “Ai”, “Ui”, “Isto dói”, “Você está me machucando”, “Espere um pouco”.
  • Aumento da PA, FR e FC.
  • Escalas e instrumentos utilizados na avaliação da dor na criança

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FACES

Utilizada em crianças até 3 anos.
FACE 0 sem dor
FACE 1 dói um pouco
FACE 10 dói o máximo.
Utilizada em crianças de 3 a 12 anos
0 significa sem dor
10 significa muita dor

Encorajar pais e crianças maiores a expressarem o que dói, como dói e como aliviar a dor.
Administrar analgésicos corretamente.
Controle não-farmacológico da dor.










Nome

Auditoria,8,Centro Cirúrgico,22,Dicas de Saúde,11,Doenças,41,Medicamentos,27,Publieditorial,4,Relacionados à Enfermagem,123,Relacionados à Saúde,125,Técnicas de Enfermagem,38,
ltr
item
Enfermagem: Cuidados de Enfermagem centrados na Criança
Cuidados de Enfermagem centrados na Criança
https://3.bp.blogspot.com/-8RlhGInFhYE/V4gZE0kcc2I/AAAAAAAADA0/Zt82_DLvTx4Wfu49IVvohtI1fsDH3ru1gCLcB/s1600/cuidados-enfermagem-pediatria.png
https://3.bp.blogspot.com/-8RlhGInFhYE/V4gZE0kcc2I/AAAAAAAADA0/Zt82_DLvTx4Wfu49IVvohtI1fsDH3ru1gCLcB/s72-c/cuidados-enfermagem-pediatria.png
Enfermagem
https://www.enfermagemnovidade.com.br/2016/07/cuidados-enfermagem-crianca.html
https://www.enfermagemnovidade.com.br/
https://www.enfermagemnovidade.com.br/
https://www.enfermagemnovidade.com.br/2016/07/cuidados-enfermagem-crianca.html
true
7506902372674157562
UTF-8
Carregar todas as postagens Nenhum post encontrado VER TUDO Continuar lendo Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTAGENS VER TUDO RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODAS AS POSTAGENS Nenhuma postagem encontrada Página Inicial Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Oot Nov Dez Aagora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir CONTEÚDO PREMIUM BLOQUEADO PASSO 1: Compartilhe nas redes sociais PASSO 2: Click no link da sua rede social Copiar todo o código Selecionar todo o código Copiado para área de transferência Não pode copiar códigos / textos, pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C no Mac) para copiar