Pular para o conteúdo principal

Conjuntivite - Sintomas, Transmissão, Tratamento e Prevenção


A conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, membrana transparente e fina que reveste a parte da frente do globo ocular (o branco dos olhos) e o interior das pálpebras. Em geral, ataca os dois olhos e não costuma deixar sequelas. É uma doença comum na época do verão e pode ser alérgica, bacteriana, viral e gonocócica.

Embora as conjuntivites possam ser de causa alérgica, viral, bacteriana ou por irritação química, somente as infecciosas (virais e bacterianas) é que são contagiosas. As virais são as que mais frequentemente são causas de epidemias.




TIPOS DE CONJUNTIVITE

Alérgica:  Não  é  transmissível e  geralmente  afeta  indivíduos  propensos à alergia como, por exemplo, os portadores de rinite e de bronquite. Esta não é transmissível e ocorre mais vezes na primavera e no
outono quando há muito pólen espalhado pelo ar.

Bacteriana: Caracterizada por uma secreção espessa, amarelada e com consistência cremosa, que deixa o indivíduo com os olhos inchados e, por vezes, pode demorar de 5 a 7 dias para desaparecer. Tem como agente etiológico Streptococcuspenumoniae, Staphylococcus aureus e Haemophilusinfluenzae.

Viral:   Caracterizada   por   uma   secreção   esbranquiçada,   em   pequena quantidade que demora aproximadamente 15 a 20 dias para desaparecer. É a conjuntivite  mais frequente,  e  o  agente  causador  mais  comum  é  o adenovírus. Mas também pode ser causada por um enterovírus tipo 70 (conjuntivite hemorrágica) e coxsackie A4 (também conjuntivite hemorrágica).

Gonocócica: Possui como agente etiológico a Neisseriagonorrhoeae, que é uma bactéria transmitida através do ato sexual. Também pode ser transmitida no momento do parto, mas esta forma de transmissão é infrequente, uma vez que costuma-se  administrar  uma  gota  de  nitrato  de  prata  1%  no  saco conjuntival do recém-nascido. O tratamento é feito por meio do uso de antibióticos sistêmicos e oculares.


SINTOMAS DA CONJUNTIVITE

- Pálpebras inchadas (conjuntivite bacteriana);
- Secreção purulenta (conjuntivite bacteriana);
- Sensação de areia ou de ciscos nos olhos (conjuntivite viral);
- Secreção esbranquiçada (conjuntivite viral); 
- Coceira (conjuntivite alérgica);
- Olhos vermelhos e lacrimejantes;
- Fotofobia (dor ao olhar para a luz);
- Visão borrada;
- Pálpebras grudadas quando a pessoa acorda.

TRANSMISSÃO

O contágio da conjuntivite bacteriana pode ser feito através do contato com as secreções do indivíduo contaminado. O período de contágio dura todo o tempo em que houver sintomas.

A  transmissão da  conjuntivite viral dá-se através do contato com a secreção ou com objetos contaminados, como lenços ou toalhas que tenham entrado em contato direto com o olho afetado. Também pode ser transmitida através de artigos utilizados pelo indivíduo contaminado, como: maquiagem, dormir sobre o mesmo travesseiro, partilhar óculos ou lentes de contato, abraços e beijos etc. A doença é transmissível enquanto durar os sintomas.

Em geral a conjuntivite dissemina-se com maior facilidade em ambientes coletivos (escola, creches, fábricas etc.)

TRATAMENTO

Não existe tratamento específico para conjuntivite viral. Para diminuir os sintomas e o desconforto pode-se utilizar soro fisiológico gelado e compressas sobre as pálpebras, limpar os olhos com frequência, ou ainda, usar colírios lubrificantes e lágrimas artificiais. Geralmente, a conjuntivite viral não deixa sequelas, mas pode ocorrer visão embaçada (se notar alguma dificuldade na visão, deve-se voltar ao oftalmologista).

Já, o tratamento da conjuntivite bacteriana inclui a indicação de colírios antibióticos, que devem ser prescritos por um médico, pois alguns colírios são altamente contra indicados, porque podem provocar sérias complicações e agravar o quadro. 

Cuidados especiais com a higiene ajudam a controlar o contágio e a evolução da doença. Qualquer que seja o caso, porém, é fundamental lavar os olhos e fazer compressas com água gelada, que deve ser filtrada e fervida, ou com soro fisiológico comprado em farmácias ou distribuído nos postos de saúde.

PREVENÇÃO

- Evitar aglomerações ou frequentar piscinas de academias ou clubes;
- Lavar  com  frequência o  rosto  e  as  mãos,  uma  vez  que  estes  são veículos importantes para a transmissão de micro-organismos patogênicos;
- Não coçar os olhos;
- Usar toalhas de papel para enxugar o rosto e as mãos, ou lavar todos os dias as toalhas de tecido;
- Trocar as fronhas dos travesseiros diariamente, enquanto perdurar a crise;
- Não compartilhar o uso de esponjas, rímel, delineadores ou de qualquer outro produto de beleza;
- Não se automedique.
- Lave as mãos antes e depois do uso de colírios ou pomadas e, ao usá- los não encoste o bico do frasco no olho.
- Não use lentes de contato enquanto estiver com conjuntivite, ou se estiver usando colírios ou pomadas.
- Evite a exposição a agentes irritantes (fumaça) e/ou alérgenos (pólen) que podem causar a conjuntivite.
- Use óculos de mergulho para nadar, ou óculos de proteção se você trabalha com produtos químicos.
- Evite nadar em piscinas sem cloro ou em lagos. 

As conjuntivites, principalmente por sua freqüência, devem ser adequadamente reconhecidas e tratadas. É importante realizar o diagnóstico diferencial com outras patologias, geralmente de maior gravidade, com o objetivo de prevenir potencias problemas visuais para o paciente.

A conjuntivite é uma afecção benigna, tem diagnóstico clínico e caráter autolimitado com resolução espontânea em aproximadamente duas semanas.
As conjuntivites viral, bacteriana e alérgica apresentam entidades clínicas diferentes, sendo o diagnóstico correto imprescindível para que a conduta a ser tomada seja a mais adequada.

A conjuntivite viral e bacteriana são altamente contagiosas, devendo-se atentar para a presença de surtos.








CLIQUE AQUI e conheça todos os temas que já postamos ]

Top da Semana

Oxímetro de Pulso

oxímetro de pulso é um dispositivo médico que mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que o sangue está transportando. Trata-se de uma monitorização não invasiva da saturação de oxigênio do sangue arterial.
O nível de oxigênio mensurado com um oxímetro é chamado de nível de saturaçãode oxigênio (abreviado como O2sat ou SaO2). A SaO2 é a porcentagem de oxigênio que seu sangue está transportando, comparada com o máximo da sua capacidade de transporte. O padrão de normalidade varia entre 90 - 100% de SpO2.


O Oxímetro substitui a necessidade de Gasometria Arterial?
O oxímetro mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que é transportada pelo sangue, e não é invasivo. Já a gasometria arterial é um procedimento invasivo e mensura diretamente tanto a quantidade de oxigênio transportada pelo sangue quanto a de gás carbônico (dióxido de carbono). 
Material necessário para instalação do Oxímetro: Equipamento: Oxímetro de pulso;Sensor adulto ou infantil (permanente ou descartável);Álcool…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Cuidados com a Gastrostomia

Gastrostomia e jejunostomia são procedimentos cirúrgicos para a fixação de uma sonda alimentar. Um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno, objetivando uma comunicação entre a cavidade do estômago e a parede do abdômen.
O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e "porcionamento" da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.
A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…