Pular para o conteúdo principal

OPME: Pacote, Conta Aberta, Protocolo, Projeto, Faturamento Direto ou Faturamento Hospitalar? Que confusão!!



Vamos deixar a sacanagem um pouco de lado e falar algo prático sobre OPME.

Principalmente para quem trabalha com auditoria cirúrgica prévia de OPME (Órtese, Prótese e Materiais Especiais), existem muitas dificuldades para o entendimento e definições sobre pacote, conta aberta, protocolo, projeto, faturamento direto e faturamento do hospital.

É de extrema importância termos clareza nesses conceitos, porque dependendo da modalidade que foi negociado com a operadora os trâmites internos e tratativas com os players são bem diferentes.

O ideal é que estas questões sejam resolvidas logo no início do processo de um agendamento cirúrgico. Se isso não ocorrer de maneira clara e objetiva muito provavelmente os setores pós-cirúrgicos como auditoria de contas, faturamento e recurso de glosas vão sofrer sérios problemas com os fornecedores e operadoras. - Os Fornecedores que não irão receber pelo material utilizado estremecendo a relação sadia com o Hospital e a Operadora que não irá pagar o hospital gerando glosas imensas, prejuízos e atrasos no pagamento.


Vamos às definições e observações:

1. PACOTE

Essa modalidade é bastante utilizada "nos tempos de guerra" que estamos vivendo. Ocorre a negociação entre o prestador e as operadoras de um valor fechado para um procedimento e a gestão de utilização de todos os materiais e serviços fica por conta do prestador, salvo materiais utilizados em situações de emergência, claro!

Vamos a um exemplo: Foi negociado por 5 mil reais o procedimento de Colecistectomia sem colangiografia laparoscópica TUSS 31005497, ou seja, o hospital irá receber este valor do convênio.

Está incluso: Até 01 diária, até 120 minutos de procedimento, até 01 peça de anátomo patológico, até 01 Agulha para pneumoperitônio descartável e até 01 Trocarte descartável, taxas de sala e equipamentos.

Se a solicitação cirúrgica estiver com algum item que não esteja no contrato do pacote, e não adequarmos logo no agendamento cirúrgico, o que ocorrerá?

O material será disponibilizado, utilizado e aparecerão os problemas no pós-cirúrgico e possivelmente glosa dos itens excedentes.

2. CONTA ABERTA

Fee for Service que todos estão acostumados (ou desacostumados...). Ocorre a cobrança e pagamento de todos os itens utilizados, item a item. Sem dó nem piedade! Apenas respeitando regras individuais das operadoras.

3. PROTOCOLO INSTITUCIONAL / CLÍNICO / CIRÚRGICO

São diretrizes estabelecidas pelo prestador para controlar e guiar as áreas internas sobre a utilização dos itens, geralmente dos Pacotes e principalmente de OPME's.

Em alguns contratos não estão discriminados item a item do OPME contemplado. Simplesmente está descrito: "Todos os OPME's estão inclusos no Pacote, independentemente do OPME utilizado na cirurgia".

Ou seja, o hospital irá absorver os gastos de todos os OPME's utilizados no procedimento. Por isso a importância dos Protocolos - para não permitirmos a utilização de materiais não pertinentes à cirurgia e garantirmos o Ebitda planejado pelos estrategistas financeiros.



4. FATURAMENTO HOSPITALAR

Nessa modalidade o prestador de serviços será o responsável de faturar os OPME's junto ao fornecedor.

**Nos casos que não são Pacotes: O convênio autoriza a utilização do OPME após análise técnica realizada pela Central de Regulação, o hospital compra os materiais do fornecedor, aplica a taxa de comercialização e fatura junto à operadora de saúde.

**Nos casos que são Pacotes: Como a gestão dos gastos é do hospital, não há necessidade de liberação dos OPME's pelas operadoras. Então não há repasse das taxas aplicadas pelo hospital para a operadora.

5. FATURAMENTO DIRETO

Quer dizer que o fornecedor do OPME irá negociar diretamente com a operadora de saúde, sem intermediação do prestador de serviços.

Vemos essa modalidade cada vez mais frequente pois as taxas de comercialização e/ou manuseio aplicadas pelos prestadores vão de 10% a 40% do valor de custo do material (até mais do que isso nas regiões extremas do país, podendo chegar a números absurdos).

Sem contar que o custo de alguns OPME's sofrem alterações de valores dependendo da região do Brasil que será comercializado.


O aumento dos custos é exponencial nesses casos: imaginem um hospital no Nordeste que já pagará mais caro para comprar um material e ainda aplica a taxa de comercialização de 40% para repassar à operadora. A conta não fecha e esse aumento é repassado aos usuários no final da história.

Apenas para citar a complexidade dos custos, vejam o exemplo a cima e tirem suas conclusões.

6. PROJETO

A operadora de saúde terceiriza a negociação e tratativas do OPME para uma empresa. No meu exemplo a empresa chama-se Ximbinha. (rs!)

A empresa Ximbinha realiza a gestão dos preços (custo + lucro) praticados no Brasil e negocia melhores valores com os fornecedores/fabricantes parceiros desse Projeto. Esses fornecedores/fabricantes são pré-estabelecidos e não é permitido a utilização de empresas que não sejam do projeto, salvo itens exclusivos que esses fornecedores não disponibilizam.

Vale citar que o Projeto além de pré-estabelecer fornecedores/fabricantes, também trabalha com especialidades. 

Por exemplo:
Especialidade Endovascular: está autorizado a solicitação dos fornecedores W, X, Y e Z. Não sendo permitido a solicitação do fornecedor "K", que está fora da parceria, salvo se for distribuidor único para um certo tipo de material.


Contribuiu com este Artigo:


Alexandre Almidoro
** Enfermeiro Auditor Especialista em OPME na BP de São Paulo;
** Responsável pela auditoria pré cirúrgica das Unidades BP e BP Mirante; 
** MBA em Auditoria em Saúde pela UNINTER
** Pós graduação em Cardiologia pela UNIFESP
** Pós graduação em Docência pela FNC - Estácio
** Linkedin




Top da Semana

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…

Febre Chikungunya

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus.
Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Porém, a grande diferença da febre chikungunya está no seu acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

A febre chikungunya teve seu vírus isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela recebeu esse nome, pois chikungunya significa "aqueles que se dobram" no dialeto Makonde da Tanzânia, termo este usado para designar aqueles que sofriam com o mal. A doença, apesar de pouco letal, é muito limitante. O paciente tem dificuldade de movimentos e locomoção por causa das articulações inflamadas e doloridas, daí o "andar cur…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Instrumentação cirúrgica

Umas das principais frases que o instrumentador cirúrgico adora ouvir é: “Vamos entrar em campo”. O Instrumentador é fundamental para realização de uma cirurgia, e está presente desde o paciente mais compreensivo ao mais difícil de se fazer entender, desde a cirurgia mais simples até a mais complexa.
Mais do que conhecer os materiais específicos utilizados em cada tipo de operação, é fundamental que o instrumentador cirúrgico tenha bom relacionamento com os profissionais que estão à sua volta e seja comprometido com o trabalho para garantir o dia-a-dia na atividade.
O comprometimento vai muito além de montar a mesa cirúrgica e alcançar pinças ou segurar afastadores, é comprometimento com a vida de quem está ali aos cuidados da equipe cirúrgica, confiando que o cirurgião fará o seu melhor para garantir o sucesso do procedimento, porém isso não depende apenas dele. Depende também da atenção de quem o acompanha durante o ato, um instrumentador ágil, comprometido e atento ao procedimento, c…