Pular para o conteúdo principal

Escala de Manchester


As emergências, sejam elas clínicas ou traumáticas, quando não atendidas da maneira e técnica adequada representam um alto risco de vida e comprometimento do quadro clínico do paciente, contribuindo para a piora do mesmo.

A triagem é empregada com o fim de selecionar as vítimas que requerem de atendimento, de acordo com nível de gravidade, atendimento este que pode ser imediato ou mediato, ofertando uma assistência médica imediata com o objetivo de prolongar a vida do paciente e prevenir consequências sérias à saúde.
Os pacientes que acessam a rede de Serviços de Urgência e Emergência são classificados de acordo com a necessidade de cada caso. É a classificação das vítimas em categorias, e avaliação de forma integral e individualizada, aperfeiçoando a ação de socorro, garantindo uma abordagem de alta qualidade.
É um instrumento que tem fundamentação científica e pode ser realizado pelo enfermeiro e médico, requerendo competência técnica.

O Ministério da Saúde propõe a implementação da da triagem classificatória de risco nos serviços de urgência e emergência: “deve ser realizado por profissional de saúde, de nível superior, mediante treinamento específico e utilização de protocolos pré-existentes e tem por objetivo avaliar o grau de urgência das queixas dos pacientes, colocando-os em ordem de prioridade para o atendimento atendimento.” (Portaria 2048). 

Objetivos da classificação de risco:
-identificar a demanda.
-Organização do fluxo dos pacientes.
-atendimento resolutivo.
-atendimento humanizado.
-atendimento rápido efetivo.
-acesso com equidade.
-reduzir tempo de espera para atendimento diminuindo agravos à saúde e grau de sofrimento.

O sistema de triagem de Manchester é um sistema composto por cinco níveis de urgências que determinarão o grau de necessidade de atendimento, caracterizado por cores e tempo de atendimento.

São avaliados as condições de saúde do paciente: 
-Queixa (início, duração, evolução)
-Avaliação da responsividade.
-Avaliação respiratória: padrão respiratório, frequência respiratória.
-Avaliação circulatória: pulsos perfiféricos e centrais: frequência, amplitude, ritmo, simetria, tempo de enchimento capilar e temperatura.
-Avaliação neurológica: Escala de coma de Glasgow.
-Dor
-Febre

FATORES QUE DETERMINAM A PRIORIDADE:

VERMELHO: comprometimento das vias aéreas, respiração inadequada, hemorragia exanguinante, choque/convulsão, irresponsividade.

LARANJA: dor intensa, hemorragia incontrolável (maior), alteração de consciência, criança febril, dor moderada.

AMARELO: hemorragia incontrolável (menor), inconsciência, adulto febril.

VERDE: dor recente, febre (queda), problema recente.

AZUL: não se aplica a situação de urgência, podendo se enquadrar vômito e problema recente.

Com o protocolo clínico de classificação de risco, os serviços de urgência atenderão os pacientes de acordo com o grau de prioridade clínica e tempo de espera determinado. Incumbe privativamente ao enfermeiro a consulta de enfermagem e realização de técnicas de maior complexidade, conhecimentos científicos, capacidade de tomar decisões rápidas, de acordo com a lei nº 7.498/86 do Exercício Profissional de Enfermagem.

REFERÊNCIAS
Junior WC et al. Diretrizes para implementação do sistema Manchester de classificação de risco nos pontos de atenção às urgências e emergências. Grupo Brasileiro de Classificação de Risco. Brasil, 2015. Disponível em: http://gbcr.or.br/public/uploads/filemanager/source/54c127352e3b2.pdf
Conselho Federal de Enfermagem- COFEN. Classificação de risco por cores: uma ferramenta para avaliação de emergência. 2011. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br
Protocolo de Acolhimento com Classificação de Risco. Política Municipal de Humanização-PMH. Prefeitura de São Luís. Disponível em: http://bvms.saude.gov/bvs/publicacoes/protocolo_acolhimento_classificacao_rsico.pdf

Contribuiu com este Artigo:





Mateus Henrique Dias Guimarães
INSTAGRAM: instagram.com/eumateushenrique 
TWITTER: twitter.com/mateus_henry_
Bacharel em Enfermagem. Pós-graduando em Saúde Pública com ênfase na Saúde da Família.

Top da Semana

Oxímetro de Pulso

oxímetro de pulso é um dispositivo médico que mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que o sangue está transportando. Trata-se de uma monitorização não invasiva da saturação de oxigênio do sangue arterial.
O nível de oxigênio mensurado com um oxímetro é chamado de nível de saturaçãode oxigênio (abreviado como O2sat ou SaO2). A SaO2 é a porcentagem de oxigênio que seu sangue está transportando, comparada com o máximo da sua capacidade de transporte. O padrão de normalidade varia entre 90 - 100% de SpO2.


O Oxímetro substitui a necessidade de Gasometria Arterial?
O oxímetro mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que é transportada pelo sangue, e não é invasivo. Já a gasometria arterial é um procedimento invasivo e mensura diretamente tanto a quantidade de oxigênio transportada pelo sangue quanto a de gás carbônico (dióxido de carbono). 
Material necessário para instalação do Oxímetro: Equipamento: Oxímetro de pulso;Sensor adulto ou infantil (permanente ou descartável);Álcool…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cuidados com a Gastrostomia

Gastrostomia e jejunostomia são procedimentos cirúrgicos para a fixação de uma sonda alimentar. Um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno, objetivando uma comunicação entre a cavidade do estômago e a parede do abdômen.
O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e "porcionamento" da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.
A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…