Pular para o conteúdo principal

Planejamento de Carreira do Enfermeiro


Enfermeiro, você já planejou sua carreira? Qual a importância de realizar um planejamento para sua vida profissional?

Acredito que todo enfermeiro é especialista em planejamento: planeja cuidado de enfermagem, identifica e cria pontos de melhoria e planeja ações, planeja seu dia e sua rotina no trabalho... E quanto ao futuro profissional?
É comum que logo após a saída da faculdade o enfermeiro inicie em uma área que não foi escolhida por ele, mas sim onde lhe foi dada a primeira oportunidade. Não há nada de errado nisso, pelo contrário, enfrentar desafios é estimulante. A questão é se após esse período de adaptação ao mercado de trabalho há a visão das áreas que existem e como deseja que seja sua carreira.

Essa falta de visão de futuro e planejamento é um dos principais motivos de insatisfação profissional. Pode não ser percebido de maneira clara, mas está camuflado em frases do tipo: "não aguento mais ficar na assistência", "não tenho vida social ao trabalhar aos finais de semana", "estou cansado de trabalhar em dois empregos", "a chefia me persegue e não tenho chance de promoção por isso trabalho infeliz".
Quando deixamos que o acaso domine nossa vida, o resultado é fazermos o que não gostamos, ou nos mantermos por muito tempo em situações que não nos agradam. O resultado disso é insatisfação profissional e algumas vezes se estendendo ao âmbito pessoal. Para gerar satisfação é necessário criar as circunstâncias que nos levarão até lá.

Existe uma pergunta clássica para fazermos a primeira análise sobre o caminho que temos percorrido: O que você deseja estar fazendo daqui cinco anos? Talvez você pretenda estar atuando como gestor, ou como professor, ou como empreendedor...

Uma coisa é certa, precisamos saber quais são nossas habilidades e o que nos faz feliz, ou seja, o autoconhecimento é importante nesse momento de planejamento. Vou citar um exemplo: um enfermeiro muito "cansado" da assistência decide fazer pós graduação em auditoria, porém não avalia a possibilidade de diminuir a interatividade devido o trabalho ser focado em análise de prontuários. Será que ele se sentiria realizado e o trabalho seria prazeroso? Depende dos seus valores e do seu perfil. Algumas pessoas precisam de movimento e conexão com o cliente enquanto outras nem tanto.

Saber onde queremos estar no futuro e termos conhecimento dos valores que carregamos garante decisões assertivas, economia de tempo e dinheiro. Deixo a seguir algumas perguntas que ajudam a definir o objetivo: (sugiro que pegue um papel e escreva, isso gera muitas idéias!)

1. Qual é seu maior objetivo profissional?
2. Como você quer ser reconhecido como enfermeiro?
3. Como você quer estar daqui a cinco anos? E dez anos?
4. Do que você mais gosta na área da enfermagem? Por exemplo: contato com o paciente, transmitir conhecimento, implementar novas ações, liderar, agitação e imprevistos, organização, milhões de equipamentos...
5. O que é preciso para você se capacitar profissionalmente para atingir a meta de cinco anos? (curso, especialização, MBA, domínio de outro idioma, mestrado, doutorado...)

Cada vez que tomamos uma decisão estamos redefinindo nosso caminho. E essas escolhas nos aproximam ou afastam do nosso destino desejado. Busque escolhas que vão de encontro com seu propósito e você vai se sentir pleno e realizado.

Contribuiu com este Artigo:



Talita Barbi
Enfermeira há 15 anos (residência em Pneumologia e cursando Gestão da Qualidade) e Coach para Profissionais da Área da Saúde (desenvolvimento de liderança, planejamento de carreira e auxílio em processos seletivos)
Site: www.healthcoaching.com.br
Linkedin: www.linkedin.com/in/talitabarbi
Instagram: talita_barbi
FaceBook: www.facebook.com/talitabarbicoach/




Comentários

Top da Semana

Nervo Ciático inflamado: Causas, Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

O nervo ciático (ou isquiático) é o mais longo e espesso do corpo humano. Ele se origina no plexo lombo sacro, ou seja, na região lombar e é formado por diversas ramificações que se ligam às ultimas vértebras e à base da coluna vertebral e atravessam o quadril, os glúteos, a coxa, o joelho e o tornozelo.
Quando chega na metade do fêmur, o maior osso da coxa, o ciático se divide em fibular e tibial, que são ramificações que seguem pela perna.
A dor ciática caracteriza-se como uma dor persistente, semelhante a pequenos choques elétricos, sentida ao longo do trajeto do nervo ciático (coluna lombar, região posterior da coxa, pernas e pés). Pode vir acompanhada de formigamento, dormência ou fraqueza muscular no membro afetado e piora com o movimento. Nos casos mais graves, pode haver dificuldade para caminhar.

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…

Acesso venoso periférico: Técnica, Estabilização e tipo de Curativo

A punção venosa periférica é certamente o procedimento mais realizado nos atendimentos de emergências, além de ser o procedimento invasivo mais comum realizado pela enfermagem. Pelo menos 90% dos pacientes hospitalizados necessitam, em algum momento de um acesso venoso para realização de terapia intravenosa.
É a via de administração de medicação diretamente nas veias, nela é possível fazer medicação em grande quantidade e aquelas que pela via oral não são possíveis de administrar. São dois tipos: acesso venoso periférico, que é a inserção de um cateter nos membros (braço, mão, perna, etc.) e acesso venoso central, este é utilizado em pacientes que necessitam de grandes quantidades de medicamento e soro - é uma via calibrosa para infusão de algumas medicações específicas, como quimioterapia, dieta parenteral.

Acesso venoso periférico (membros):
O acesso venoso periférico pode ser puncionado por enfermeiros, técnicos de enfermagem e médicos. As vias de acesso preferenciais são as veias dos…