Pular para o conteúdo principal

Fatores de risco para câncer peniano


Fator de risco é o que afeta (positivamente ou negativamente) a probabilidade de um indivíduo exposto e sob risco (livre de doença) vir a desenvolver a doença (LAST).

Nesse contexto um fator de risco é qualquer coisa que provoque uma chance de contrair uma doença como o câncer ou qualquer outra doença, até porque diferentes tipos de câncer,  têm diferentes fatores de risco.

Por outro lado, alguns homens que desenvolvem câncer de pênis não têm fatores de risco conhecidos, e cientistas descobriram que, uma infecção devido ao papiloma vírus (HPV) pode fazer com que o homem desenvolva um câncer de pênis.



Dando continuidade o papiloma vírus humano (HPV) é um grupo de mais de 150 vírus relacionados. São chamados de papiloma porque alguns deles causam verrugas chamadas papiloma.  Diferentes tipos de HPV causam diferentes tipos de verrugas em vários partes do corpo. Alguns podem infectar os órgãos genitais e a área perianal, chamadas condiloma acuminado (ou apenas condilomas). Outros tipos de HPV foram associados a certos tipos de câncer. 

Na verdade, o HPV é encontrado em cerca da metade de todos os cânceres penianos Inca, sendo transmitido de uma pessoa para outra durante o contato pele a pele com um área do corpo. O HPV pode se espalhar durante a atividade sexual - incluindo vaginal, anal e oral mas o sexo não precisa ocorrer para a infecção se espalhar. 


Sendo assim,  a infecção pode começar no pênis e depois disseminar-se para o ânus. A infecção pelo HPV é comum e na maioria dos homens, o próprio sistema imune elimina a infecção, porém em alguns casos, a infecção não desaparece e se torna crônica. Com o tempo, essa cronicidade poderá causar alguns tipos de câncer, incluindo o câncer de pênis.

Portanto de acordo com Hernandez et al, os homens não circuncidados têm um risco aumentado de infecção pelo HPV oncogênico especificamente localizado na glande, possivelmente devido à sua proximidade com o prepúcio, que pode ser particularmente vulnerável à infecção. 

Nesse contexto a razão para um menor risco em homens circuncidados não é totalmente clara, mas pode ser relacionado a outros fatores de risco conhecidos. Por exemplo, os homens que são circuncidados não podem desenvolver a condição chamada fimose, e talvez não acumulem uma secreção conhecida por smegma. A superfície interna do prepúcio e a superfície da glande são membranas mucosas que devem permanecer úmidas para funcionar adequadamente. De acordo com estudos, essa secreção serve para  preservar a umidade sub-prepucial (SONNEX et al).
Pesquisadores do Hospital Botkin em Moscou afirmaram que o smegma é produzido a partir de protuberâncias microscópicas minúsculas na superfície da mucosa do prepúcio. Segundo esses cientistas, as células vivas crescem constantemente em direção à superfície, sofrem degeneração gordurosa, separam-se e formam a smegma. Ainda segundo Sonnex et al, em alguns homens é inodoro, mas tem sido relatado que em outros podem endurecer, conhecidas como "pedras de smegma" principalmente em que não mantêm hábitos higiênicos (SONNEX et al).
A maioria dos especialistas acredita que o próprio smegma provavelmente não causa câncer de pênis, mas pode irritar e inflamar o pênis, o que pode aumentar o risco da doença e também dificultar a visualização de cânceres precoces.



Prevenção

Diferentes fatores causam diferentes tipos de câncer. Os pesquisadores continuam investigando quais são esses fatores, embora não exista uma maneira comprovada de prevenir completamente essa doença, você pode diminuir seu risco. Converse com seu médico para obter mais informações sobre seu risco pessoal de câncer.

Circuncisão

A circuncisão pode fornecer alguma proteção contra o câncer de pênis porque a remoção do prepúcio ajuda a manter a área limpa. O carcinoma epidermóide/células escamosas do pênis quase nunca ocorre em homens circuncidados. No entanto, é importante notar que a circuncisão sozinha não pode prevenir o câncer de pênis.

Higiene pessoal

Homens que limpam cuidadosamente e completamente a área sob o prepúcio em uma base regular podem reduzir o risco de desenvolver câncer peniano.

Fumo

Não fumar e evitar práticas sexuais que podem levar a uma infecção por HPV ou HIV/AIDS pode ajudar a diminuir o risco de câncer de pênis. Homens que fumam e/ou usam outras formas de tabaco têm maior probabilidade de desenvolver a doença, devido às diversas substancias carcinogênicas presentes no cigarro.

Estas substâncias nocivas são inaladas para os pulmões, onde são absorvidos pelo sangue através da mucosa da boca causando câncer de pulmão, podendo disseminar-se para a corrente sanguínea ao longo do organismo causando a doenças em outras áreas do corpo.

Conforme Asco, pesquisadores acreditam que estas substâncias danificam os genes nas células do pênis, o que pode levar ao câncer de pênis.

Devem existir várias razões para não fumar. Talvez conviver com alguém que amamos muito ou mesmo você que está lendo esteja sofrendo com os efeitos negativos do uso de cigarros. Evite pessoas que fumam ou lugares cheios de fumaça. Quando desistimos, do tabaco e dos hábitos inseguros, muitas vezes ficamos surpresos com as mudanças de atitude que sentimos em relação ao fumo e à vida em geral. Não esconda suas emoções por trás de um véu de fumaça. Cuidados com as pessoas de suas relações. Use sempre camisinha.



Contribuiu com este Artigo:




Enf. Prof. Ms. Dra. Maria Lucia Moura
Especialista em Docencia do Ensino Superior;
Especialista em Gestão no Programa Saúde da Familia;
Especialista em Enfermagem do Trabalho.


REFERENCIAS


ASCO. American Society of Clinical Oncology. Penile Cancer: Risk Factors and Prevention. 8/2017. Disponivel em: https://www.cancer.net/cancer-types/penile-cancer/risk-factors-and-prevention

BRASIL. Instituto Nacional do Câncer - INCA. Cancer. 2018. Disponivel em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/colo_utero/hpv-cancer-perguntas-mais-frequentes

HERNANDEZ BY, WILKENS LR,  ZHU  X, McDUFFIE K,  THOMPSON  P, SHVETSOV YB, NING L, GOODMAN MT. Circumcision and Human Papillomavirus Infection in Men: A Site-Specific Comparison.  J Infect Dis. 2008 Mar 15; 197(6): 787–794. Disponivel em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2596734/

LAST JM, editor. Dictionary of epidemiology. 4th ed. New York: Oxford University Press; 2001

SONNEX  C, CROUCHER PE,  DOCKERTY  WG. Balanoposthitis associated with the presence of subpreputial "smegma stones". Genitourin Med. 1997 Dec;73(6):567.Disponivel em:  https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9582487

Comentários

Top da Semana

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…

Febre Chikungunya

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus.
Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Porém, a grande diferença da febre chikungunya está no seu acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

A febre chikungunya teve seu vírus isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela recebeu esse nome, pois chikungunya significa "aqueles que se dobram" no dialeto Makonde da Tanzânia, termo este usado para designar aqueles que sofriam com o mal. A doença, apesar de pouco letal, é muito limitante. O paciente tem dificuldade de movimentos e locomoção por causa das articulações inflamadas e doloridas, daí o "andar cur…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Instrumentação cirúrgica

Umas das principais frases que o instrumentador cirúrgico adora ouvir é: “Vamos entrar em campo”. O Instrumentador é fundamental para realização de uma cirurgia, e está presente desde o paciente mais compreensivo ao mais difícil de se fazer entender, desde a cirurgia mais simples até a mais complexa.
Mais do que conhecer os materiais específicos utilizados em cada tipo de operação, é fundamental que o instrumentador cirúrgico tenha bom relacionamento com os profissionais que estão à sua volta e seja comprometido com o trabalho para garantir o dia-a-dia na atividade.
O comprometimento vai muito além de montar a mesa cirúrgica e alcançar pinças ou segurar afastadores, é comprometimento com a vida de quem está ali aos cuidados da equipe cirúrgica, confiando que o cirurgião fará o seu melhor para garantir o sucesso do procedimento, porém isso não depende apenas dele. Depende também da atenção de quem o acompanha durante o ato, um instrumentador ágil, comprometido e atento ao procedimento, c…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…