Pular para o conteúdo principal

Assistência de Enfermagem durante o parto

Parto natural
A assistência ao parto é dada em todos os seus períodos:

-Dilatação 

- Expulsão 

- Dequitação 

A parturiente deverá estar orientada sobre os sinais e sintomas do parto, bem como das características das contrações uterinas para poder se dirigir ao hospital na hora aprasada.


Cuidados no 1º período do parto (Dilatação)

1) Atendimento na Sala de Admissão

É feito exame obstétrico pelo médico ou obstetriz, os quais utilizam na ocasião o seguinte material:

- Fita métrica (medir a altura do útero); 

- Estetoscópio de Pinard (escultar o foco fetal); 

- Luva esterilizada ( para toque vaginal); 

Anti-séptico (anti-sepsia da vulva); 

Termômetro e esfigmomanômetro; 

Mesa de exame; 

Lençol. 

O preparo da cliente para exame consta de: 

Pedir a gestante para esvaziar a bexiga, indicando a localização do banheiro; 

Verificar a temperatura axilar; 

Ajudar a gestante a subir e descer da mesa de exame, colocá-la em decúbito dorsal sem roupa da cintura para baixa, cobri-la com lençol dando apoio física para evitar que caia; 

Auxiliar o médico durante o exame – o toque vaginal é realizado para fornecer dados que indiquem a posição do feto e a dimensão da dilatação do colo uterino; 

Posição ginecológica; 

Sendo comprovado, pelos exames e a história, que a cliente está em trabalho de parto ou sendo uma situação especial, a parturiente será admitida no hospital. 

Impressos: ficha obstétrica (médico), prescrição médica e de enfermagem, termo responsabilidade. 

2 – Depois da Admissão 

Uma vez admitida na clínica, ainda na sala de admissão ou em local pré-determinado, a gestante deverá ser submetida ao seguinte preparo: 

Esvaziar a bexiga espontaneamente ou através de sondagem vesical. Geralmente a sondagem vesical é feita nos casos de parto cirúrgicos, deixando-se a sonda de demora (alguns obstetras optam por não utilizar); 

Tricotomia do abdômen, períneo, raiz das coxas e ânus (tricotomizador elêtrico para aparar os pelos); 

Banho de chuveiro – auxiliá-la no banho e vesti-la com camisola; 

Lavagem intestinal – será feita dependendo de indicação médica; 

Anti-sepsia das regiões tricotomizadas – lavá-las com água e sabão e em seguida passar solução anti-séptica; 

Controle de TPR e PA e anotação no prontuário; 

Colheita de sangue para tipagem e fator RH. 


Atendimento na Enfermaria 

Terminados estes cuidados, a parturiente deverá ser encaminhada à enfermaria ou local determinado pela obstretriz onde os cuidados de enfermagem terão continuidade, ressaltando-se os seguintes: 

- A parturiente deverá permanecer em jejum; 

- As batidas do coração do feto (foco fetal – deverão ser ouvidos e contados a cada 15 minutos. Esse controle é feito pelo médico ou obstetriz utilizando o estetoscópio de Pinard (ritmo e intensidade)); 

A cliente poderá ser medicada no transcorrer desses períodos. Ao fazê-lo, empregar habilmente os conhecimentos adquiridos; 

Quando ocorrem as contrações uterinas, a parturiente deverá respirar de maneira ofegante como “cachorrinho cansado”. No fim da contração, deverá inspirar profundamente e expirar sem forçar, com a boca entre aberta. Orientá-la para que proceda como o exposto acima; 

Controle da dinâmica uterina – controle das contrações: freqüência, intensidade e duração, durante 10 minutos; 

Observar perdas vaginais e avisar o médico; 

Controle dos sinais de período expulsivo: aumento da freqüência das contrações uterinas, abalamento do períneo e vontade de fazer força; 

Encaminhamento de maca à sala de parto; 

Durante todo o atendimento que prestamos, devemos Ter atitude amistosa, paciente e compreensiva. No decorrer de todo o parto, é necessário a cooperação da futura mãe; para tanto devemos tentar diminuir o “medo” que sente, confortando-se e dando apoio emocional. Promover ambiente repousante e bem-estar no leito. 

Cuidados no 2º período do parto (Expulsão) 

Os dois últimos períodos do parto, expulsão e dequitação, transcorrem na sala de parto, onde é empregada a técnica de sala de operação. 

Material esterilizado usado

- Campos; 

- Luvas e aventais; 

Caixa de instrumental para parto; 

Seringa de 10 cm e agulhas hipodérmicas 40x7 e 25x8; 

Gaze; 

Fio de sutura. 

Medicamentos (Anstésico local; Ocitócico (ampolas)). 


Material não esterilizado: 

- Aparelho de pressão e estetoscópio; 

Cuba rim 

Com o término da dilatação tem início o período expulsivo. As ocorrências normais e os cuidados nesse período são

- Transportar a paciente em maca para a sala de parto; 

- Deitá-la na mesa de parto em posição ginecológica; 

Atendê-la atenciosamente, sendo solicita e carinhosa; 

Atuar como circulante na sala de parto empregando técnica asséptica; 

Solicitar cooperação da parturiente na sala auxiliar na expulsão durante as contrações uterinas, orientá-las a inspirar profundamente e em seguida fazer força para baixo com todos os músculos e em seguida fazer força para baixo com todos os músculos do abdômen; 

Antes da expulsão do feto, o obstetra faz uma incisão no períneo da parturiente para ajudar o bebê a nascer. Essa intervenção é chamada de episiotomia. A episiotomia é precedida de anestesia local (só é feita quando realmente necessário); 

Assim que se desprende a cabeça, pedir para a mãe respirar normalmente e parar de fazer força; 

Depois do nascimento o bebê permanece ligado à placenta pelo cordão umbilical. Para liberar o bebê, o cordão umbilical é pinçado com duas pinças e seccionado entre as mesmas; 

O bebê deve chorar ao nascer. Verificar qual o sexo da criança envolvê-la em campo esterilizado e levá-la para a sal de reanimação. Com a secção do cordão umbilical, termina o 2º período de parto. 

Cuidados no 3º período do parto (dequitação) 

Alguns minutos após a expulsão do feto, dá-se a saída dos anexos fetais representados pela placenta, saco amniótico e cordão umbilical. 

Para ajudar na expulsão da placenta, o médico procede a delicada pressão sobre a parede uterina, comprimida o abdome; 

- A mãe é solicitada a fazer força para baixo; 

Ao serem expulsos, receber os anexos em cuba rim ou bandeja; 

Após a saída dos anexos é feita sutura da episiotomia pelo obstetra; 

- Pesar a placenta e colher sangue do cordão para tipagem sanguínea de bebê; 

- Verificar pressão arterial e dizê-la ao obstetra; 

- Após a dequitação, não estando a cliente com pressão arterial alta, o médico solicitará a aplicação de injeção do ocitócio por via IM. 

O ocitócio (Ergotrat Syntocinon) é um medicamento que provoca a contração uterina evitando hemorragia. É contra indicado para hipertensas. 

Transportar a mãe em maca para a enfermaria. Após o parto, a puérpera deseja dormir e descansar. Propiciar condições, amientes para que a mãe logre seu intento. 

Top da Semana

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

A importância de tomar água

Você sabia que a sede é o primeiro sinal de desidratação? Ela, por sua vez, é um estado que afeta muito mais os tecidos e células do que o volume de sangue corrente. O que fazer? Para homens é recomendável (de idade de 19 a 70 anos) o consumo de 3,7 litros de água, já para as mulheres (de idade de 19 a 70 anos) é recomendável 2,7 litros de água. Cerca de 60% do peso do corpo humano é composto por água. Nosso corpo ao longo do dia vai eliminando todo esse líquido através da transpiração, suor, saliva, urina e fezes, por isso o consumo diário de água é tão importante. 
Benefícios do consumo de água:  * Limpeza do organismo * Controle da pressão sanguínea  * Proteção dos olhos * Proteção dos rins  * Firmeza e beleza da pele * Absorção de vitaminas  * Melhora do funcionamento intestinal  * Transporte de nutrientes para as células 
A água pode ser substituída? NÂO, ou não totalmente. Voce não deve deixar de lado a água para optar por um suco ou refrigerante, a água é extremamente importante para que n…

Arrumação de leito hospitalar

A técnica tem como função proporcionar repouso, conforto e segurança ao cliente. O cliente (paciente) é o elemento principal de qualquer instituição de saúde. 
Considera-se paciente todo o individuo submetido a tratamento, controle especiais, exames e observações medicas. O paciente procura o hospital quando atingido pela doença, cria nele angustia, inquietação, que leva a exagerar o poder e conhecimento sobre os profissionais que o socorrem, muitas vezes torna-se difícil o tratamento do doente, originando problemas de relacionamento (paciente pessoal).
Quando uma pessoa esta doente, precisa de ajuda para muitas das tarefas que habitualmente realiza sozinha. Parte do trabalho das pessoas que se dedicam, ao cuidado do paciente em um hospital é manter agradável o local que o cerca. Ficar em quarto limpo e com tudo em ordem ajudará o paciente a sentir-se melhor e tornará sua permanência no hospital mais agradável.
O leito é um fator importante na obtenção de repouso e conforto, sendo impres…

Lúpus tem cura?

O lúpus é uma doença auto-imune e por isso não tem cura, mas pode ser controlado, dessa forma as crises podem demorar anos para aparecer.
O lúpus pode danificar qualquer parte do corpo, desde a pele até aos órgãos através das articulações.
É uma doença que age por brotamento e, em seguida, parece desaparecer antes de voltar novamente.
Pesquisadores dizem que descobriram que, usando uma combinação de duas drogas já existentes, é possível reverter os efeitos do lúpus em ratinhos.

Em um novo estudo publicado na revista Sciense Translational Medicine, pesquisadores da Universidade da Flórida, Gainesville, descobriram que inibindo determinadas vias metabólicas em células do sistema imunológico que podem combater o lúpus em ratinhos. UF investigadores de saúde podem ter encontrado uma maneira de controlar o lúpus mudando a forma como as células do sistema imunológico utilizam energia.
"O resultado mais surpreendente deste estudo foi que a combinação dos dois inibidores metabólicos foram nec…

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…