Pular para o conteúdo principal

Técnica de aspiração traqueal












Consiste na remoção de secreções das vias aéreas superiores (naso e orofaringe) com a utilização de um cateter.

A aspiração traqueal é realizada com objetivo de manter as vias aéreas do paciente, intubado ou traqueostomizado, permeáveis e livres de secreções.

INDICAÇÕES
  • Presença de sons adventícios ( roncos) à ausculta;
  • Aumento de pico de pressão no ventilador;
  • Movimento audível ou visível de secreções;
  • Declínio da saturação de oxigênio;
OS TRÊS TIPOS DE ASPIRAÇÃO DE VIAS AÉREAS SÃO:

- Orotraqueal
- Nasotraqueal
- Endotraqueal

Aspiração orotraqueal necessita de alguns cuidados como: 
- decúbito dorsal, colocar o paciente em flexão de pescoço e hiper-extensão de cabeça com a boca aberta e a língua para fora; 
- Quando se trata da orotraqueal; às vezes requer que o paciente seja contido no leito; o profissional devera usar luvas estéreis e tomar todo o cuidado para não contaminar a sonda ou cateter que será introduzido nas vias aéreas do paciente, com presteza.

Aspiração Nasotraqueal (paciente não intubado)

- Aspiração apenas quando necessário;

- Técnica asséptica

- Inserir o cateter na inspiração quando a glote estiver aberta pela via nasofaringea evita trauma ás mucosas com as freqüentes sucções.

- Contra-indicações: hemorragia nasal, via nasal ocluída, traumatismo de face.

A aspiração endotraqueal é executada com o objetivo de conservar permeável e sem secreção as vias aéreas do paciente, intubado ou traqueostomizado.

A aspiração poderá ser realizada pelo método aberto ou pelo método fechado.




SISTEMA ABERTO

O sistema aberto é a forma mais comum e conhecida de aspiração endotraqueal; este método necessita da desconexão do paciente da ventilação mecânica, para realização do procedimento de aspiração de forma asséptica, com a introdução de uma sonda de aspiração estéril a qual irá sugar as secreções acumuladas.

MATERIAL

- Aspirador montado com frasco redutor, coletor de secreções e extensões;
Frasco com AD ou soro fisiológico;
- Ressuscitador manual (AMBU);
- Luvas estéreis;
- Sonda de aspiração;
- Máscara;
- Óculos avental;
- Estetoscópio;

TÉCNICA SISTEMA ABERTO

- Orientar o procedimento ao paciente;
- Avaliar as condições respiratórias e hemodinâmicas do paciente;
- Paramentar se com máscara, óculos e avental;
- Lavar as mãos;
- Abrir a embalagem da sonda de aspiração e conecta-la à extremidade da extensão;
- Ligar o aspirador e adaptar a pressão negativa em 80 a 120 mmhg;
- Dobrar a FiO2 ou regular em 100%;
- Calçar as luvas, desconectar o ventilador mecânico com a mão enluvada, não estéril protegendo a conexão em Y do circuíto.
- Com a mão enluvada estéril, introduzir a sonda de aspiração na cânula traqueal,
- realizar movimentos circulares com a sonda de aspiração, retirando-a em menos de 10 segundos.
- Se necessário introduzir de 3 a 5 ml de AD ou S.F.
- Conectar o ventilador mecânico
- Suspender a aspiração e ventilar o paciente em caso de arritmias cardíacas, queda da sa­turação de O2 (SpO2), cianose ou sangra-mento.
- Desprezar a sonda de aspiração em local apropriado, aspirar a água do frasco lavando a extensão do aspirador.
- Proteger a extensão em uma embalagem limpa e seca. Retirar as luvas, desligar o aspirador e lavar as mãos.
- Auscultar os pulmões do paciente e reavaliar as condições clínicas.
- Anotar o procedimento realizado e as características das secreções aspiradas (quantidade, cor, odor, viscosidade).


SISTEMA FECHADO

O sistema fechado de aspiração, envolve a utilização de um cateter de múltiplo uso que fica instalado entre o tubo endotraqueal e o circuito do ventilador mecânico, isto faz com que seja suprimido o risco associado com a desconexão do paciente ao ventilador mecânico para a aspiração;

COMPLICAÇÕES

- Hipoxemia
- Trauma as mucosas
- Broncoespasmo
- Sangramento
- Hemorragia pulmonar
- Parada respiratória
- Hipotensão e ou hipertensão
- Pneumonia nosocomial
- Ansiedade e dor

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM

- Desobstrução ineficaz de vias aéreas;

- Troca de gases prejudicada;

- Risco para infecção;

VÍDEO DISPONÍVEL NO YOUTUBE

Top da Semana

Oxímetro de Pulso

oxímetro de pulso é um dispositivo médico que mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que o sangue está transportando. Trata-se de uma monitorização não invasiva da saturação de oxigênio do sangue arterial.
O nível de oxigênio mensurado com um oxímetro é chamado de nível de saturaçãode oxigênio (abreviado como O2sat ou SaO2). A SaO2 é a porcentagem de oxigênio que seu sangue está transportando, comparada com o máximo da sua capacidade de transporte. O padrão de normalidade varia entre 90 - 100% de SpO2.


O Oxímetro substitui a necessidade de Gasometria Arterial?
O oxímetro mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que é transportada pelo sangue, e não é invasivo. Já a gasometria arterial é um procedimento invasivo e mensura diretamente tanto a quantidade de oxigênio transportada pelo sangue quanto a de gás carbônico (dióxido de carbono). 
Material necessário para instalação do Oxímetro: Equipamento: Oxímetro de pulso;Sensor adulto ou infantil (permanente ou descartável);Álcool…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Cuidados com a Gastrostomia

Gastrostomia e jejunostomia são procedimentos cirúrgicos para a fixação de uma sonda alimentar. Um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno, objetivando uma comunicação entre a cavidade do estômago e a parede do abdômen.
O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e "porcionamento" da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.
A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…