Pular para o conteúdo principal

Atenção e Cuidados com a Gastrite























A gastrite é uma inflamação na mucosa do estômago, que pode ter como uma de suas origens, o consumo de alguns tipos de medicamentos, alimentos e o consumo exacerbado de bebida alcoólica, ou até mesmo por uma bactéria, chamada H. Pylori, contraída na ingestão de alimentos. Há ainda o viés emocional, que pode gerar a chamada gastrite nervosa.

Para evitar o agravamento do quadro, a primeira recomendação é que o indivíduo procure um gastroenterologista, assim que os primeiros sintomas, como queimação e dores no estômago, se manifestarem. 



Os alimentos que devem ser evitados, incluem: congelados, gomas de mascar, frutas e alimentos ácidos, como laranja e tomate. Bebidas alcoólicas, café, refrigerantes, leite de vaca (por ser alcalino) e o fumo também são nocivos a quem sofre de gastrite.

Já com relação aos alimentos recomendados podemos citar: couve, gengibre e hortelã que têm propriedades calmantes e anti-inflamatórias. Todas as refeições devem ser combinadas à ingestão de água em abundância nos intervalos, assim como a ingestão de vegetais e frutas cruas nos intervalos das principais refeições. 
Mas atenção: durante as refeições deve-se evitar o consumo de líquidos. Comer lentamente, fazendo a mastigação de forma adequada também contribui para a melhora.

GASTRITE AGUDA

Inflamação da mucosa gástrica.

Etiologia:

Hábitos dietéticos, como:
  • Ingestão de quantidade excessiva de alimentos;
  • Rápida mastigação;
  • Ingestão de alimentos condimentados, ácidos, corrosivos, contaminados, com temperatura extrema, álcool, etc
  • Refluxo biliar;
  • Uso de certas drogas como aspirina, drogas antiflamatórias, digital, quimioterápicos, etc.;
  • Distúrbios como: uremia, choque, lesões do SNC, cirrose hepática, hipertensão hepática;
  • Estresse físico e psíquico; bebida alcoólica; ingestão acidental ou suicida de substâncias ácidas corrosivas.
  • A mucosa gástrica constitui a principal defesa do estômago contra o Ácido clorídrico. A irritação na membrana pelo HCL provoca infiltrado inflamatório, edema e hiperemia, resultando em erosão superficial podendo evoluir para ulceração superficial.
Manifestações Clínicas
  • Desconforto epigástrico;
  • Hipersensibilidade abdominal;
  • Eructação, náuseas e vômitos;
  • Cólicas, diarréia 5 horas após a ingestão de substâncias ou alimentos contaminados;
  • Hematêmese (as vezes);
  • Dor em queimação que melhora com a ingestão de alimentos;
  • Saciedade precoce.

Avaliação Diagnóstica

Anamnese: hematêmese, hábitos alimentares, uso de medicações.

Gastroscopia ou Endoscopia: Exame visual do interior do estômago que se faz por meio do gastroscópio, introduzindo-o pelo esôfago.

Biópsia.

Tratamento

Farmacológico:
  • Anti-eméticos  
  • Antiácidos 

Regime dietético;
  • Evitar a ingestão de medicamentos que irritem as paredes do estômago.

Intervenções de Enfermagem (Orientações)

  • Refeições em pequenos volumes até chegar a uma dieta normal;
  • Deve-se evitar os alimentos com temperaturas extremas;
  • Não ficar por mais de 3 horas sem se alimentar.
  • Alimentar-se com calma, mastigando bem os alimentos, o que facilita o esvaziamento gástrico e a digestão.
  • Evitar os famosos "fast-foods".
  • Consumir bebidas alcoólicas com moderação, se possível evitar o consumo.
  • Devem-se evitar ou reduzir a ingestão de alimentos muito gordurosos, frituras, doces concentrados, comidas muito condimentadas. Preferir refeições mais leves, de mais fácil digestão.


GASTRITE CRÔNICA

Inflamação prolongada da mucosa gástrica, devido a úlceras estomacais benignas ou malignas ou pela presença da bactéria Helicobacter pylori.

Etiologia: 

Está associada:
  • Gastrite aguda;
  • Úlcera péptica;
  • Cirurgia gástrica;
  • Infecção pelo H. Pylori.

Manifestações Clínicas:
  • A maioria dos casos não apresenta sintomas.
  • Anorexia, sensação de plenitude, dispepsia, eructações, dor epigástrica, náuseas e vômitos, intolerância alimentar.
Avaliação Diagnóstica:
  • Anamnese;
  • Endoscopia;
  • Biópsia com exame histopatologico;
  • Teste para H. Pylori.
Tratamento:

Farmacológico:

Antiácidos: incluem hidróxido de alumínio e hidróxido de magnésio com substâncias básicas que neutralizam a acidez.

Bloqueadores H2: medicamentos que reduzem a produção de ácido pelo estômago, tais como a cimetidina, ranitidina e famotidina.

Medicamentos que bloqueiam a bomba de ácidos: impedem que a mucosa produza acidez. Incluem omeprazol, lansoprazol, pantoprazol e esomeprazol.  

Dietético:

Priorizar: alimentos com propriedades calmantes e anti-inflamatórias como couve, hortelã, gengibre, chás;

Consumir vegetais e frutas cruas em abundância;

Tomar bastante água nos intervalos das refeições;

Alimente-se com calma: mastigando bem o alimento (pelo menos 25 vezes), evitando ingerir líquido durante a refeição;

Não ficar longos períodos de estômago vazio: coma alguma coisa a cada 3-4 horas.

Tratamento do Helicobacter pylori (sempre com prescrição médica)

Consiste na utilização de três medicamentos

Claritromicina, Amoxicilina (Antibióticos);

Omeprazol, Pantoprazol ou Lanzoprazol (Inibidores da Bomba de Prótons ou IBP);

Administrado de 12/12 hs - conforme prescrição médica. 



CLIQUE AQUI e conheça todos os temas que já postamos ]

Top da Semana

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…

Febre Chikungunya

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus.
Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Porém, a grande diferença da febre chikungunya está no seu acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

A febre chikungunya teve seu vírus isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela recebeu esse nome, pois chikungunya significa "aqueles que se dobram" no dialeto Makonde da Tanzânia, termo este usado para designar aqueles que sofriam com o mal. A doença, apesar de pouco letal, é muito limitante. O paciente tem dificuldade de movimentos e locomoção por causa das articulações inflamadas e doloridas, daí o "andar cur…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Instrumentação cirúrgica

Umas das principais frases que o instrumentador cirúrgico adora ouvir é: “Vamos entrar em campo”. O Instrumentador é fundamental para realização de uma cirurgia, e está presente desde o paciente mais compreensivo ao mais difícil de se fazer entender, desde a cirurgia mais simples até a mais complexa.
Mais do que conhecer os materiais específicos utilizados em cada tipo de operação, é fundamental que o instrumentador cirúrgico tenha bom relacionamento com os profissionais que estão à sua volta e seja comprometido com o trabalho para garantir o dia-a-dia na atividade.
O comprometimento vai muito além de montar a mesa cirúrgica e alcançar pinças ou segurar afastadores, é comprometimento com a vida de quem está ali aos cuidados da equipe cirúrgica, confiando que o cirurgião fará o seu melhor para garantir o sucesso do procedimento, porém isso não depende apenas dele. Depende também da atenção de quem o acompanha durante o ato, um instrumentador ágil, comprometido e atento ao procedimento, c…