Pular para o conteúdo principal

Cuidados aos pacientes com Gastrostomia



A Gastrostomia é uma intervenção cirúrgica que proporciona uma ligação direta entreo exterior e o estômago, desfazendo o trajeto natural da digestão, boca, faringe, esôfago e então estômago. O objetivo da Gastrostomia é justamente impedir que os alimentos fluam pela via normal em função de patologia ou disfunção anatômica, ou mesmo para que seja minimizado o risco de infecção após procedimentos cirúrgicos.

A alimentação por uma gastrostomia é semelhante a alimentação pelo cateter nasogastrico. Uma das principais diferenças é o local de entrada do cateter, que se faz pela parede abdominal. O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e porcionamento da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.



A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.

Pacientes que são incapazes de ingerir por via oral, a quantidade adequada de nutrientes e têm o tubo gastrointestinal funcional são candidatos à alimentação por tubo (sonda).

As enterostomias (gastrostomia ou jejunostomia) devem ser usadas nos pacientes que requerem suporte nutricional maior tempo. A literatura sugere que com mais de seis semanas de uso de dieta enteral já seja benéfica a substituição de SNE pela enterostomia.

A gastrostomia deve ser usada nos pacientes com menor risco de aspiração e tem a vantagem de permitir alimentação em bolos enquanto a jejunostomia, cuja técnica cirúrgica é mais complexa só permite infusão contínua.

Elimina o incômodo permanente da sonda no nariz que dificulta a respiração, a fala, e pode causar lesões de pele ao ser fixada.

Melhora qualidade de vida do paciente acamado.

A gastrostomia permite o uso de dieta artesanal pela sonda, ou seja, o alimento pode ser caseiro, batido no liquidificador e coado em peneira fina. É, sem dúvida tão nutritivo quanto a dieta industrializada, com aspecto e odor melhores, o que aumenta o apetite do paciente.

Cuidados com a Gastrostomia

A ferida operatória deve ter aspecto saudável, limpo, seco e sem pruridos ou líquidos circundantes. As substâncias drenadas para a bolsa coletora incluem enzimas digestivas muito agressivas, inclusive para a pele. Essas secreções em contato direto com a pele podem ocasionar lesões com alto potencial infectante. O local NÃO pode ter febre (aquecimento ao redor da ferida), bem como a temperatura do paciente deve ser monitorada constantemente.

O curativo da Gastrostomia deve ser trocado a cada 2 ou 3 dias, ou conforme o aspecto do curativo. Sujidades, sangramento, prurido e exsudato (líquido purolento, seroso) fazem com que o curativo deva ser trocado para minimizar o risco de infecção da ferida.

Qualquer sangramento no local da ferida, ou mesmo disperso no material drenado (fezes) é sintoma de anormalidade. Comunicar imediatamente a equipe de cuidados se isso ocorrer.

A Equipe Enfermagem efetua os cuidados gerais com a Gastrostomia, curativos regulares, bem como a manutenção da medicação e da dieta prescrita. Além de treinamento para o cuidador do paciente, quanto ao procedimento de administração da dieta e terapia medicamentosa, como os cuidados gerais de enfermagem domiciliar pertinentes ao caso clínico ou patologia do Cliente.

CUIDADOS NA ALIMENTAÇÃO
  • Garanta que o paciente esteja com a cabeceira elevada. O tronco deverá estar elevado entre 30-40 graus por 1h após a alimentação); esta medida é importante para evitar refluxo gastro-esofágico;
  • Examine o tubo, procurando acotovelamentos ou bloqueios que impeçam o fluxo do líquido a ser infundido;
  • Feche o tubo com a pinça/grampo/”pregador”;
  • Abra a conexão do cateter de gastrostomia e conecte uma seringa de alimentação de 50mL ou 60mL contendo água;
  • Abra a pinça e deixe a água fluir pelo cateter de gastrostomia. Se houver dor, pare imediatamente e avise a enfermeira especialista ou o medico;
  • Feche a pinça e conecte o equipo da bomba ou a seringa ao cateter de gastrostomia;
  • No caso de administração por bomba infusora, ajuste a bomba e o tempo de infusão conforme as recomendações da nutricionista ou do médico; no caso de administração de dieta artesanal, conecte a seringa de 50 ou 60 mL;
  • Abra a pinça e inicie a alimentação; no caso de administração de dieta pela seringa, faça-o na vazão de 5mL a cada 30 segundos, repetindo esta operação até o esgotamento do volume da refeição;
  • Ao término da alimentação, desconecte o tubo e infunda 50mL de água, como no início do procedimento;
  • Feche o cateter de gastrostomia e deixe a pinça aberta.
  Cateter Gastrostomia

PEG - Gastrostomia Percutânea Endoscópica

ROTINA DE LIMPEZA DIÁRIA
  • Antes de limpar o estoma, lave as mãos com água e sabão. Seque-as bem. Não é necessário o uso de luvas estéreis;
  • Atente sempre para o número que aparece no tubo próximo ao local de saída. Esta graduação indica se o cateter está muito ou pouco introduzido e deve ser acompanhada sempre;
  • Limpe o estoma com sabão neutro e água morna usando uma gaze. Pode ser necessário um leve deslizamento do cogumelo externo de fixação a fim de melhorar a exposição do óstio para a limpeza de sujidades. Remova gentilmente qualquer debri ou crosta em torno do estoma e do dispositivo de fixação com água morna e gaze. A higienização do óstio da gastrostomia é realizada com sabonete neutro e água.
  • Seque o local cuidadosamente com panos macios ou gaze, sem fazer fricção;
  • O estoma normalmente não necessita de cobertura, mas se houver transudação excessiva ou vazamento, um absorvente seco pode ser necessário. Nesses casos, consulte o enfermeiro especialista;
  • Após limpeza, o dispositivo de fixação (cogumelo externo) deve ser recolocado em sua posição original, conforme a marcação próxima ao estoma. É importante que o fixador não esteja apertado junto à pele, sob o risco de lesioná-la.
  • Soluções irritantes como o álcool ou oleosas (p.ex.: hidratantes de pele) devem ser evitadas para minimizar a ocorrência de hiperemia (vermelhidão), descamação ou maceração periestomal;
  • A formação de granuloma (pele ou verrucosidade que ocasionalmente surge ao redor do óstio da gastrostomia), pode ser ocasionado pela umidade excessiva associada à fricção do cateter no óstio do estoma. Nesse caso, deve-se contactar o enfermeiro especialista (estomaterapeuta).
  • O desposicionamento ou tração do cateter de gastrostomia podem ser evitados realizando fixação do mesmo no abdome com uma fita hipoalergênica (micropore ou fita de silicone para pacientes com fragilidade capilar). Deve-se observar a marcação do anteparo externo do cateter de gastrostomia para que qualquer alteração seja percebida o quanto antes.
  • Se houver "desposicionamento" do cateter ou, até mesmo, saída total do mesmo, a administração da dieta deverá ser interrompida e o médico ou enfermeiro devidamente capacitado para tal será chamado para avaliar o reposicionamento do mesmo cateter ou de um cateter novo.
Fontes consultadas: Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral do RJ




 

Top da Semana

Instrumentação cirúrgica

Umas das principais frases que o instrumentador cirúrgico adora ouvir é: “Vamos entrar em campo”. O Instrumentador é fundamental para realização de uma cirurgia, e está presente desde o paciente mais compreensivo ao mais difícil de se fazer entender, desde a cirurgia mais simples até a mais complexa.
Mais do que conhecer os materiais específicos utilizados em cada tipo de operação, é fundamental que o instrumentador cirúrgico tenha bom relacionamento com os profissionais que estão à sua volta e seja comprometido com o trabalho para garantir o dia-a-dia na atividade.
O comprometimento vai muito além de montar a mesa cirúrgica e alcançar pinças ou segurar afastadores, é comprometimento com a vida de quem está ali aos cuidados da equipe cirúrgica, confiando que o cirurgião fará o seu melhor para garantir o sucesso do procedimento, porém isso não depende apenas dele. Depende também da atenção de quem o acompanha durante o ato, um instrumentador ágil, comprometido e atento ao procedimento, c…

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…

Febre Chikungunya

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus.
Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Porém, a grande diferença da febre chikungunya está no seu acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

A febre chikungunya teve seu vírus isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela recebeu esse nome, pois chikungunya significa "aqueles que se dobram" no dialeto Makonde da Tanzânia, termo este usado para designar aqueles que sofriam com o mal. A doença, apesar de pouco letal, é muito limitante. O paciente tem dificuldade de movimentos e locomoção por causa das articulações inflamadas e doloridas, daí o "andar cur…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…