Pular para o conteúdo principal

Cuidados com o pé do diabético

Cuidados com a Glicemia

Diabetes É uma doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas
agudos e a complicações crônicas características.

O distúrbio envolve o metabolismo da glicose, das gorduras e das proteínas e tem graves consequências tanto quando surge rapidamente como quando se instala lentamente.

Classificação:
  • Diabetes Mellitus tipo I: Ocasionado pela destruição da célula beta do pâncreas, em geral por decorrência de doença auto-imune, levando a deficiência absoluta de insulina.
  • Diabetes Mellitus tipo II: Provocado predominantemente por um estado de resistência à ação da insulina associado a uma relativa deficiência de sua secreção.
  • Outras formas de Diabetes Mellitus: quadro associado a desordens genéticas, infecções, doenças pancreáticas, uso de medicamentos, drogas ou outras doenças endócrinas.
  • Diabetes Gestacional: Circunstância na qual a doença é diagnosticada durante a gestação, em paciente sem aumento prévio da glicose.

Sintomas

Decorrem do aumento da glicemia

São eles: 
  1. Sede excessiva
  2. Aumento do volume e da frequência urinária
  3. Surgimento do hábito de urinar à noite
  4. Fadiga, fraqueza, tonturas
  5. Visão borrada
  6. Aumento de apetite
  7. Perda de peso.

Complicações:
  • Agudas, que são aquelas que se desenvolvem rapidamente (horas ou dias). Ex: coma ceto-acidótico, coma hiperosmolar e a hipoglicemia.
  • Crônicas, que se desenvolvem lentamente, com a piora de sintomas. Ex: lesões nos nervos (neuropatia periférica ou autônoma), lesão renal(nefropatia), lesões na retina (retinopatia), necrose de extremidades – PÉ DIABÉTICO e infecções.  

O que é Pé diabético?

O pé diabético é decorrente da Diabetes tipo 1 e tipo 2 e surge com o aparecimento de uma ferida ou infeccionada nos pés. O paciente portador de diabetes tem que tomar muito cuidado com seus pés, pois a doença pode causar insensibilidade nas extremidades.
Trata-se de uma complicação crônica que resulta em infecção, ulceração e/ou destruição de tecidos profundos associados com anormalidades neurológicas e vários graus de doença vascular periférica no membro inferior.

As altas taxas de açúcar no sangue afetam a capacidade do organismo de combater uma infecção e cicatrizar um ferimento, portanto, um machucado no pé de uma pessoa com diabetes pode se tornar um problema muito grave. Qualquer ferimento nos pés deve ser tratado rapidamente para evitar complicações que possam levar à amputação do membro afetado.

Cuidados com o pé diabético (Pé do paciente portador de diabetes):
  • Observar diariamente os pés e a planta, o calcanhar e os espaços entre os dedos, para ver se há zonas de cor diferente, bolhas, fissuras, calosidades, inchaço… Se não lhe é possível fazê-lo, por dificuldade na posição, use um espelho e se tem dificuldade de visão peça auxílio a outra pessoa.
  • Lave os Pés todos os dias, durante 2 ou 3 minutos, usando sabonete neutro e água tépida (verifique sempre a temperatura da água) e não os “ponha de molho”. Seque-os muito bem, em particular nas zonas entre os dedos. Aplique um creme hidratante na planta e no dorso, (não entre os dedos), massajando bem.
  • Use meias de fibras naturais (como a lã ou o algodão) sem costuras e que não apertem nas pernas.
  • Não aqueça os pés com bolsas de água quente, nem aproxime os pés de aquecedores, lareiras ou outras fontes de calor.
  • Use sapatos confortáveis, adaptados ao seu pé, de forma que não haja zonas apertadas ou em que se exerça pressão excessiva. Os sapatos fechados protegem mais os pés, quer de “batidas ou topadas” quer de pedras ou areias.
  • É importante manter os níveis de açúcar dentro do recomendado pelo seu médico. A Associação Americana de Diabetes recomenda que o nível de glicose no sangue não ultrapasse 130mg/dl em jejum e antes das refeições e fique abaixo de 180 mg/dl após duas horas das refeições. Para manter a glicemia dentro do nível ideal, siga a dieta orientada por seu médico ou nutricionista, evite porções grandes de carboidratos e tome seus remédios, caso faça uso de medicação, na dose e nos horários corretos.
  • Como todas as partes do corpo, os pés necessitam de aportes apropriados de sangue e com ele de oxigênio. Se isso não acontece, as infecções, as doenças vasculares e as doenças decorrentes da falta de circulação podem ocorrer. 
  • Diminuição ou ausência da capacidade de percepção da dor, tato e temperatura (Neuropatia Diabética);
  • Dormência nos pés (Neuropatia Diabética);
  • Pele seca, rachaduras e fissuras;
  • Micoses interdigitais;
  • Presença de feridas e secreções;
  • Traumas – sem dor;
  • Pressão no calcanhar de pacientes acamados;
  • Caminhar com uma pedra ou outro objeto nos sapatos;
  • Sapatos novos podem machucar os pés, causando bolhas e úlceras;
  • Auto-remoção de calos; 
  • Dedos sobrepostos;
  • Remoção de cantos de unhas;
  • Ferimento em calcâneos, ocasionado pela pressão dos calcanhares sobre o colchão.
  • Evitar o uso de salto alto, bem como calçados fechados e que causem desconforto.
  • Lesão necrótica ocasionada pelo comprometimento circulatório, acompanhada de amputação.
  • Atenção em mudanças de coloração e temperatura; olhe cada um dos dedos e entre eles; procure por infecções, cortes, bolhas, calos, feridas;
  • Cortar as unhas de preferência após o banho, pois elas estarão amolecidas;
  • Utilizar cortadores de unhas ou tesouras com pontas redondas, pois a possibilidade de se machucar diminui;
  • Cortar as unhas retas, nunca corte os cantos das unhas, assim você evita a unha encravada e muitas infecções;
  • Não corte calos com gilete, no máximo use lixas próprias;
  • Comprar sapatos na parte da tarde, quando os pés estão mais inchados, para não correr o risco de comprar sapatos que irão apertar depois.
  • Nunca utilizar bolsa de água quente ou compressas quentes nos pés. Se sentir frio, utilizar meias grossas de algodão.
  • Mude as meias todos os dias e evite meias remendadas, furadas ou grandes demais. Use as meias do avesso, ou seja, com a costura para fora, e não para dentro.

ATENÇÃO!

Vícios como o fumo devem ser evitados - 95% de todas as amputações dos pés acontecem em fumantes.

Todas as pessoas devem aprender a cuidar dos pés. É neles que nos apoiamos; são eles que nos levam de um lado para o outro. Dependemos deles para não dependermos de ninguém... 

O cuidado com os pés começa com o uso adequado da medicação e com o cumprimento da dieta alimentar adequada a cada pessoa.

Top da Semana

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…

Febre Chikungunya

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus.
Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Porém, a grande diferença da febre chikungunya está no seu acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

A febre chikungunya teve seu vírus isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela recebeu esse nome, pois chikungunya significa "aqueles que se dobram" no dialeto Makonde da Tanzânia, termo este usado para designar aqueles que sofriam com o mal. A doença, apesar de pouco letal, é muito limitante. O paciente tem dificuldade de movimentos e locomoção por causa das articulações inflamadas e doloridas, daí o "andar cur…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Instrumentação cirúrgica

Umas das principais frases que o instrumentador cirúrgico adora ouvir é: “Vamos entrar em campo”. O Instrumentador é fundamental para realização de uma cirurgia, e está presente desde o paciente mais compreensivo ao mais difícil de se fazer entender, desde a cirurgia mais simples até a mais complexa.
Mais do que conhecer os materiais específicos utilizados em cada tipo de operação, é fundamental que o instrumentador cirúrgico tenha bom relacionamento com os profissionais que estão à sua volta e seja comprometido com o trabalho para garantir o dia-a-dia na atividade.
O comprometimento vai muito além de montar a mesa cirúrgica e alcançar pinças ou segurar afastadores, é comprometimento com a vida de quem está ali aos cuidados da equipe cirúrgica, confiando que o cirurgião fará o seu melhor para garantir o sucesso do procedimento, porém isso não depende apenas dele. Depende também da atenção de quem o acompanha durante o ato, um instrumentador ágil, comprometido e atento ao procedimento, c…