Pular para o conteúdo principal

Cuidados de Enfermagem na Ventilação Mecânica invasiva


Insuficiência Respiratória: É a incapacidade do aparelho respiratório de atender às necessidades do organismo no que se refere ao fornecimento de OXIGÊNIO (O2) e à remoção do GÁS CARBÔNICO (CO2) produzido.

Para haver troca gasosa é necessário que as vias aéreas estejam permeáveis.

Assistência ventilatória: Conjunto de procedimentos (de complexidade variável), capazes de permitir, facilitar ou garantir o livre trânsito (entrada e saída) de gases nos pulmões, criando condições para que a troca gasosa seja realizada.

Vias aéreas artificiais: São os equipamentos aplicados no interior das vias aéreas naturais, com a finalidade de manter ou facilitar o fluxo de gases para dentro e para fora dos pulmões. São equipamentos que entram em contato direto com a mucosa do aparelho respiratório e, portanto devem ser pouco irritantes.

Finalidades
  • Manter as vias aéreas permeáveis.
  • Manter a separação entre a via aérea e a via digestiva.
  • Permitir a remoção das secreções.
  • Permitir a administração de aerossóis.
  • Permitir a utilização dos respiradores.

Quando está indicada a assistência respiratória
  • Apnéias recorrentes sem melhora com CPAP nasal.
  • PaO2 < 50mmhg ou saturação < 90% em CPAP (60-80%).
  • PACO2 > 60mmhg associado  a PH < 7,25.
  • Fadiga respiratória.
  • Pós operatório de grandes cirurgias.
  • Instabilidade da hemodinâmica em pacientes criticamente doentes.
  • Corrigir Hipoxemia, diminuir o trabalho respiratório, reexpandir e evitar aparecimento de áreas de atelectasia pulmonar.
Observação:
As decisões para instituir a VPM devem se pensar nos riscos/benefícios.
Não se deve somente utilizar valores gasométricos.
Conhecer a fisiopatologia do paciente é de suma importância.



VIAS AÉREAS ARTIFICIAIS:

Métodos Não invasivos:
- Cânula orofaríngea (Guedel)
- Cânula nasofaríngea
- Máscara laríngea

Métodos Invasivos:
- EPI: capote, gorro, óculos, luvas.
- Tubos traqueais
- Tubos de traqueostomia

INTUBAÇÃO TRAQUEAL

Indicações:
- Manter as vias aéreas permeáveis;
- Vedar (selar) as vias aéreas, separando-as da via digestiva;
- Permitir o uso de respiradores mecânicos;
- Facilitar a remoção das secreções;
- Facilitar a administração de medicamentos.

Material para intubação traqueal
- Laringoscópio.
- Tubo traqueal, guia para tubo, conexões.
- Ambú, máscara, fonte de O2.
- Medicação para sedação/relaxamento muscular.
- Material para aspiração secreções.

Quando fazer a aspiração das vias aéreas?

- Sempre que houver secreção em vias aéreas;
- quando houver ruído no tubo/cânula traqueal;
- quando houver secreção visível;
- quando à ausculta houver evidências de ruídos por secreção;
- quando houver redução da saturação percutânea;
- quando o respirador acusar pressão > que 50 cmH 2O na ausência de patologia que justifique;
- pacientes que retém secreção (pós-op);
- VAS de 4/4 h em pacientes intubados.

Cuidados durante a aspiração

  • Tempo do procedimento é crítico
  • Manter a técnica asséptica
  • Nos pacientes submetidos a PEEP elevada, usar o sistema fechado.
Recomendações Gerais:
- Fornecer 3 minutos de O2 a 100% antes e após a aspiração
- Ao desconectar do respirador, controlar obrigatoriamente o tempo de aspiração (15 a 20 segundos)
- No caso do sistema aberto usar rigorosa técnica asséptica, com sondas de calibre até 12 fr., lembrando que o calibre da sonda não deve ser maior do que um terço do calibre do tubo, para não competir no sequestro da oferta de oxigênio
- Quando usar filtro como método de umidificação, protegê-lo no momento da desconexão do respirador;
- Paciente com taquicardia, taquipnéia, sudorese, saturação de O2 menor de 90, com FiO2 maior de 0,4 precisa ser avaliado quanto ao acúmulo de secreção, mesmo que não tenha disparado o alarme de alta pressão do respirador;
- Sempre que o alarme de alta pressão do respirador disparar, considerar a existência de secreção, dobra do circuito, broncoespasmo.
- Aspirar VAS sempre antes das VAI para evitar o extravasamento de secreções acumuladas ao redor do balonete para as vias aéreas inferiores;
- O cuff deverá permanecer insuflado e a pressão deverá ser a menor possível de modo a permitir a liberação de volumes correntes adequados e evitar a aspiração pulmonar;
- Comumente a pressão é mantida acima de 20 e abaixo de 25 cm de H2O, porém com a intubação a longo prazo pressões maiores podem ser necessárias para o selamento adequado
- A pressão do cuff deve ser monitorada de forma intermitente;
- A sonda de aspiração deve ser introduzida fechada e retirada aspirando em movimentos circulares;
- A cabeceira do paciente em UTI deve estar a 30 ou 45 graus, caso não haja contra- indicação específica;
- A higiene oral deverá ser realizada pelo menos de 4 em 4 horas em pacientes intubados.

A atuação da enfermagem na ventilação mecânica é intensa, extensa e complexa. Na tentativa de se propor um eixo norteador da prática de enfermagem na ventilação mecânica, é importante que a enfermagem saiba relacionar e executar os cuidados descritos a seguir:

- Vigilância constante
- Controle de sinais vitais e monitorização cardiovascular
- Monitorização de trocas gasosas e padrão respiratório
- Observação dos sinais neurológicos
- Aspiração de secreções pulmonares
- Observação dos sinais de hiperinsuflação
- Higiene oral, troca de fixação do TOT/TQT, mobilização do TOT
- Controle da pressão do balonete
- Monitorização do balanço hidroeletrolítico e peso corporal
- Controle nutricional
- Umidificação e aquecimento do gás inalado
- Observação do circuito do ventilador
- Observação dos alarmes do ventilador
- Nível de sedação do paciente e de bloqueio neuromuscular
- Observação do sincronismo entre o paciente e a máquina
- Orientação de exercícios
- Preenchimento dos formulários de controle
- Apoio emocional ao paciente
- Controle de infecção
- Desmame

Que tal Adquirir uma Apostila em PDF - Enfermagem em Clínica Médica

Top da Semana

Oxímetro de Pulso

oxímetro de pulso é um dispositivo médico que mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que o sangue está transportando. Trata-se de uma monitorização não invasiva da saturação de oxigênio do sangue arterial.
O nível de oxigênio mensurado com um oxímetro é chamado de nível de saturaçãode oxigênio (abreviado como O2sat ou SaO2). A SaO2 é a porcentagem de oxigênio que seu sangue está transportando, comparada com o máximo da sua capacidade de transporte. O padrão de normalidade varia entre 90 - 100% de SpO2.


O Oxímetro substitui a necessidade de Gasometria Arterial?
O oxímetro mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que é transportada pelo sangue, e não é invasivo. Já a gasometria arterial é um procedimento invasivo e mensura diretamente tanto a quantidade de oxigênio transportada pelo sangue quanto a de gás carbônico (dióxido de carbono). 
Material necessário para instalação do Oxímetro: Equipamento: Oxímetro de pulso;Sensor adulto ou infantil (permanente ou descartável);Álcool…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cuidados com a Gastrostomia

Gastrostomia e jejunostomia são procedimentos cirúrgicos para a fixação de uma sonda alimentar. Um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno, objetivando uma comunicação entre a cavidade do estômago e a parede do abdômen.
O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e "porcionamento" da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.
A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…