<data:blog.pageTitle/> <data:blog.pageName/> | Enfermagem a Profissão do Cuidar

Cuidados de Enfermagem na Ventilação Mecânica invasiva

Insuficiência Respiratória : É a incapacidade do aparelho respiratório de atender às necessidades do organismo no que se refere ao for...


Insuficiência Respiratória: É a incapacidade do aparelho respiratório de atender às necessidades do organismo no que se refere ao fornecimento de OXIGÊNIO (O2) e à remoção do GÁS CARBÔNICO (CO2) produzido.

Para haver troca gasosa é necessário que as vias aéreas estejam permeáveis.

Assistência ventilatória: Conjunto de procedimentos (de complexidade variável), capazes de permitir, facilitar ou garantir o livre trânsito (entrada e saída) de gases nos pulmões, criando condições para que a troca gasosa seja realizada.

Vias aéreas artificiais: São os equipamentos aplicados no interior das vias aéreas naturais, com a finalidade de manter ou facilitar o fluxo de gases para dentro e para fora dos pulmões. São equipamentos que entram em contato direto com a mucosa do aparelho respiratório e, portanto devem ser pouco irritantes.

Finalidades
  • Manter as vias aéreas permeáveis.
  • Manter a separação entre a via aérea e a via digestiva.
  • Permitir a remoção das secreções.
  • Permitir a administração de aerossóis.
  • Permitir a utilização dos respiradores.

Quando está indicada a assistência respiratória
  • Apnéias recorrentes sem melhora com CPAP nasal.
  • PaO2 < 50mmhg ou saturação < 90% em CPAP (60-80%).
  • PACO2 > 60mmhg associado  a PH < 7,25.
  • Fadiga respiratória.
  • Pós operatório de grandes cirurgias.
  • Instabilidade da hemodinâmica em pacientes criticamente doentes.
  • Corrigir Hipoxemia, diminuir o trabalho respiratório, reexpandir e evitar aparecimento de áreas de atelectasia pulmonar.
Observação:
As decisões para instituir a VPM devem se pensar nos riscos/benefícios.
Não se deve somente utilizar valores gasométricos.
Conhecer a fisiopatologia do paciente é de suma importância.



VIAS AÉREAS ARTIFICIAIS:

Métodos Não invasivos:
- Cânula orofaríngea (Guedel)
- Cânula nasofaríngea
- Máscara laríngea

Métodos Invasivos:
- EPI: capote, gorro, óculos, luvas.
- Tubos traqueais
- Tubos de traqueostomia

INTUBAÇÃO TRAQUEAL

Indicações:
- Manter as vias aéreas permeáveis;
- Vedar (selar) as vias aéreas, separando-as da via digestiva;
- Permitir o uso de respiradores mecânicos;
- Facilitar a remoção das secreções;
- Facilitar a administração de medicamentos.

Material para intubação traqueal
- Laringoscópio.
- Tubo traqueal, guia para tubo, conexões.
- Ambú, máscara, fonte de O2.
- Medicação para sedação/relaxamento muscular.
- Material para aspiração secreções.

Quando fazer a aspiração das vias aéreas?

- Sempre que houver secreção em vias aéreas;
- quando houver ruído no tubo/cânula traqueal;
- quando houver secreção visível;
- quando à ausculta houver evidências de ruídos por secreção;
- quando houver redução da saturação percutânea;
- quando o respirador acusar pressão > que 50 cmH 2O na ausência de patologia que justifique;
- pacientes que retém secreção (pós-op);
- VAS de 4/4 h em pacientes intubados.

Cuidados durante a aspiração

  • Tempo do procedimento é crítico
  • Manter a técnica asséptica
  • Nos pacientes submetidos a PEEP elevada, usar o sistema fechado.
Recomendações Gerais:
- Fornecer 3 minutos de O2 a 100% antes e após a aspiração
- Ao desconectar do respirador, controlar obrigatoriamente o tempo de aspiração (15 a 20 segundos)
- No caso do sistema aberto usar rigorosa técnica asséptica, com sondas de calibre até 12 fr., lembrando que o calibre da sonda não deve ser maior do que um terço do calibre do tubo, para não competir no sequestro da oferta de oxigênio
- Quando usar filtro como método de umidificação, protegê-lo no momento da desconexão do respirador;
- Paciente com taquicardia, taquipnéia, sudorese, saturação de O2 menor de 90, com FiO2 maior de 0,4 precisa ser avaliado quanto ao acúmulo de secreção, mesmo que não tenha disparado o alarme de alta pressão do respirador;
- Sempre que o alarme de alta pressão do respirador disparar, considerar a existência de secreção, dobra do circuito, broncoespasmo.
- Aspirar VAS sempre antes das VAI para evitar o extravasamento de secreções acumuladas ao redor do balonete para as vias aéreas inferiores;
- O cuff deverá permanecer insuflado e a pressão deverá ser a menor possível de modo a permitir a liberação de volumes correntes adequados e evitar a aspiração pulmonar;
- Comumente a pressão é mantida acima de 20 e abaixo de 25 cm de H2O, porém com a intubação a longo prazo pressões maiores podem ser necessárias para o selamento adequado
- A pressão do cuff deve ser monitorada de forma intermitente;
- A sonda de aspiração deve ser introduzida fechada e retirada aspirando em movimentos circulares;
- A cabeceira do paciente em UTI deve estar a 30 ou 45 graus, caso não haja contra- indicação específica;
- A higiene oral deverá ser realizada pelo menos de 4 em 4 horas em pacientes intubados.

A atuação da enfermagem na ventilação mecânica é intensa, extensa e complexa. Na tentativa de se propor um eixo norteador da prática de enfermagem na ventilação mecânica, é importante que a enfermagem saiba relacionar e executar os cuidados descritos a seguir:

- Vigilância constante
- Controle de sinais vitais e monitorização cardiovascular
- Monitorização de trocas gasosas e padrão respiratório
- Observação dos sinais neurológicos
- Aspiração de secreções pulmonares
- Observação dos sinais de hiperinsuflação
- Higiene oral, troca de fixação do TOT/TQT, mobilização do TOT
- Controle da pressão do balonete
- Monitorização do balanço hidroeletrolítico e peso corporal
- Controle nutricional
- Umidificação e aquecimento do gás inalado
- Observação do circuito do ventilador
- Observação dos alarmes do ventilador
- Nível de sedação do paciente e de bloqueio neuromuscular
- Observação do sincronismo entre o paciente e a máquina
- Orientação de exercícios
- Preenchimento dos formulários de controle
- Apoio emocional ao paciente
- Controle de infecção
- Desmame

Que tal Adquirir uma Apostila em PDF - Enfermagem em Clínica Médica
Nome

Auditoria,8,Centro Cirúrgico,21,Dicas de Saúde,13,Doenças,34,Medicamentos,25,Publieditorial,5,Relacionados à Enfermagem,109,Relacionados à Saúde,120,Técnicas de Enfermagem,37,
ltr
item
Enfermagem: Cuidados de Enfermagem na Ventilação Mecânica invasiva
Cuidados de Enfermagem na Ventilação Mecânica invasiva
https://2.bp.blogspot.com/-8Mq9AWrW9nM/Vn6nUolcFlI/AAAAAAAAChI/XVERptw3P1I/s640/ventilacao-mecanica-invasiva.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-8Mq9AWrW9nM/Vn6nUolcFlI/AAAAAAAAChI/XVERptw3P1I/s72-c/ventilacao-mecanica-invasiva.jpg
Enfermagem
https://www.enfermagemnovidade.com.br/2015/12/cuidados-de-enfermagem-na-ventilacao.html
https://www.enfermagemnovidade.com.br/
https://www.enfermagemnovidade.com.br/
https://www.enfermagemnovidade.com.br/2015/12/cuidados-de-enfermagem-na-ventilacao.html
true
7506902372674157562
UTF-8
Carregar todas as postagens Nenhum post encontrado VER TUDO Continuar lendo Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTAGENS VER TUDO RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODAS AS POSTAGENS Nenhuma postagem encontrada Página Inicial Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Oot Nov Dez Aagora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir CONTEÚDO PREMIUM BLOQUEADO PASSO 1: Compartilhe nas redes sociais PASSO 2: Click no link da sua rede social Copiar todo o código Selecionar todo o código Copiado para área de transferência Não pode copiar códigos / textos, pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C no Mac) para copiar