Pular para o conteúdo principal

Interpretação de Eletrocardiograma (ECG)


O profissional de enfermagem é essencial no processo diagnóstico e terapêutico em pacientes com alterações cardiovasculares. Para realizar a assistência com qualidade técnica é necessário ter embasamento científico, por isso elaboramos um material interessante sobre interpretação de eletrocardiograma (ECG), vamos estudar!

Revisão da anatomia fisiológica do sistema cardiovascular:

A anatomia cardíaca é descrita como um órgão muscular constituído por câmaras (átrios e ventrículos), válvulas (aórtica, pulmonar, mitral e tricúspide), vasos sanguíneos (artérias e veias), sistema de condução (células nodais, feixe de His e fibras de Purkinje), localizado no centro do tórax. A função do coração é bombear sangue para o pulmão (coração direito) e órgãos periféricos (coração esquerdo). Esta função é vital para a homeostase, é a partir do transporte de sangue que nossas células recebem oxigênio e nutrientes necessários para produzir energia e eliminar toxinas, dióxido de carbono, entre outros.


A partir deste conhecimento podemos adentrar no tão esperado assunto: Interpretação de ECG!

O ciclo cardíaco é fator determinante para analisarmos o eletrocardiograma de forma crítica. O bombeamento do coração é constituído por duas fases: diástole (relaxamento) e sístole (contração) este evento mecânico é realizado devido ao processo bioquímico transmitido através do sistema de condução cardíaca (nodo sinoatrial, nodo atrioventricular, feixe de His e fibras de Purkinje) respectivamente. Os impulsos elétricos são conduzidos através do potencial de ação que consiste na distribuição de uma corrente elétrica (íons de sódio, potássio e cálcio) pelo miocárdio através de vias internodais e os ramos do feixe de His e Purkinje que envolvem o miocárdio. Todo este complexo mecanismo é representado através do ECG.



Eletrocardiograma:

O ponto chave para analisarmos um ECG e interpretar o processo fisiopatológico é atentar a dois itens extremamente importantes: Ritmo cardíaco e Frequência cardíaca. Vamos lá!

O ECG é a representação gráfica que disponibiliza informações sobre a atividade elétrica no miocárdio, permite obter o diagnóstico de alterações cardíacas de forma prática e de fácil acesso.

Ritmo cardíaco: é a condução do impulso elétrico no miocárdio. Em estado normal consideramos como ritmo sinusal, em condições fisiopatológicas é descrito como arritmia cardíaca.

Frequência cardíaca: é a quantidade de vezes que ocorre o bombeamento cardíaco.
- Normocardia: 60 a 100 bpm
- Bradicardia: < 60 bpm
- Taquicardia: > 100 bpm

As formas de obter o ECG são por exame diagnóstico e monitoramento cardíaco que disponibiliza informações referentes à função cardiovascular.

Elementos essências:

Derivações: representam a localização anatômica que está sendo apresentada no traçado do ECG, padronizada em precordiais (v1; v2; v3; v4; v5 e v6) e periféricas (DI; DII; DIII; aVR; aVL e aVF).


Principais traçados (ondas, complexos e intervalos):

Onda P: Ocorre a contração atrial.
Complexo QRS: Ocorre a contração ventricular.
Onda T: Ocorre o relaxamento ventricular.
*Onda U: relaxamento ventricular (50 – 90% de ECG), em alguns casos representa quadros de hipopotassemia e hipertensão de acordo com a literatura.
Segmento ST: representa graficamente desde término do complexo QRS até o início da onda T.
 Intervalo PR: medido do início da onda P até o início do complexo QRS.



Com estes dados em mente, o profissional de enfermagem irá determinar dados clínicos a respeito da condição cardíaca do paciente.  


Referencias bibliográficas

SMELTZER, Suzanne C et al. Brunner & Suddarth: Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014. 1117 p.

IKEGAMI, Marcelo Tetsuo et al. Análise da onda U do eletrocardiograma: Sua presença, características e sua relação com situações clínicas. Rev. Fac. Ciênc. Méd.sorocaba, Sorocaba, v. 1, n. 2, p.45-48, nov. 1999. Disponível em: <http://novo.more.ufsc.br/artigo_revista/inserir_artigo_revista>. Acesso em: 17 jan. 2016.

Que tal adquirir uma Apostila em PDF?

Pagamento facilitado: Boleto ou 3 x no cartão

Top da Semana

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Cuidados com a Gastrostomia

Gastrostomia e jejunostomia são procedimentos cirúrgicos para a fixação de uma sonda alimentar. Um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno, objetivando uma comunicação entre a cavidade do estômago e a parede do abdômen.
O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e "porcionamento" da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.
A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.

Arrumação de leito hospitalar

A técnica tem como função proporcionar repouso, conforto e segurança ao cliente. O cliente (paciente) é o elemento principal de qualquer instituição de saúde. 
Considera-se paciente todo o individuo submetido a tratamento, controle especiais, exames e observações medicas. O paciente procura o hospital quando atingido pela doença, cria nele angustia, inquietação, que leva a exagerar o poder e conhecimento sobre os profissionais que o socorrem, muitas vezes torna-se difícil o tratamento do doente, originando problemas de relacionamento (paciente pessoal).
Quando uma pessoa esta doente, precisa de ajuda para muitas das tarefas que habitualmente realiza sozinha. Parte do trabalho das pessoas que se dedicam, ao cuidado do paciente em um hospital é manter agradável o local que o cerca. Ficar em quarto limpo e com tudo em ordem ajudará o paciente a sentir-se melhor e tornará sua permanência no hospital mais agradável.
O leito é um fator importante na obtenção de repouso e conforto, sendo impres…

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…