Pular para o conteúdo principal

Assistência de enfermagem na Hemodiálise




Cuidar do paciente com distúrbio renal agudo ou crônico exige do profissional de enfermagem capacidade técnica baseada em conhecimento clínico, além disso, é imprescindível manter-se atualizado frente aos avanços tecnológicos da terapia de substituição renal que cada vez mais é aperfeiçoado para garantir a segurança do paciente. Diante deste cenário iremos abordar a assistência de enfermagem na hemodiálise. 

Para darmos início vamos revisar os principais aspectos do sistema renal:

Fisiologia do sistema renal

Constituído por rins, ureteres, bexiga e uretra cuja função é extremamente importante para o adequado funcionamento do organismo. As principais funções são formação da urina, regulação da excreção de líquidos e produtos de degradação, equilíbrio hidroeletrolítico, pressão arterial e, além disso, auxilia na produção de eritrócitos, síntese de vitamina D e secreta prostaglandinas. 
Em qualquer setor do ambiente hospitalar e na área de atenção primária nós profissionais da saúde iremos nos deparar com pacientes que apresentam alteração renal já diagnosticada ou não, por isso devemos ter conhecimento para conseguir captar dados clínicos que irão nos subsidiar na assistência de enfermagem.

Então a avaliação basicamente consiste em considerar fatores de risco, história de saúde, exame físico, exames laboratoriais, peso, sinais e sintomas característicos de distúrbio hidroeletrolítico (ex. edema pulmonar ou generalizado, crises hipertensivas, confusão, fadiga, etc.). 
Fisiopatologia da doença renal

Quando estas alterações são manifestadas pelos pacientes e diagnosticadas pelo médico, devemos considerar que a probabilidade dos rins deste paciente estarem funcionando em sua totalidade é pequena, esse processo evolui progressivamente para a falência renal, pois os rins não conseguem regular o balanço hídrico e não removem com eficácia os produtos de degradação. Com isso há necessidade de intervenção terapêutica sendo uma delas a hemodiálise.

O que é e qual sua função:

É uma terapia de substituição renal para casos agudos (ex. acidose, intoxicação de medicamentos) e crônicos (ex. DRC), o objetivo é filtrar o sangue e limpar removendo excesso de líquidos e sais. É realizada através de difusão, osmose e ultrafiltração através do sistema de hemodiálise (máquina, dialisador, linha arterial e venosa).

Dispositivos de acesso vascular

Cateterismo central – inserção pelo médico em veia subclávia, jugular ou femoral, cateter de grande calibre e duplo lúmen.
Fístula arteriovenosa (FAV) – geralmente no antebraço, para anastomosar artéria e veia. Para poder utiliza-lo o prazo é de aproximadamente 180 dias após a inserção para a dilatação do vaso. 
Enxerto arteriovenoso – indicado em casos especiais (ex. diabetes com complicação nos vasos sanguíneos).

Principais complicações
Hipotensão
Dispneia
Arritmia cardíaca
Cãibras musculares
Hipertrigliceridemia
Coagulação do circuito
Embolia gasosa
Extravasamento de sangue 

Risco
Insuficiência cardíaca e vascular periférica
Angina
Acidente vascular cerebral

Cuidados de enfermagem

Manutenção do dispositivo vascular – avaliar permeabilidade, precauções para não aferir pressão, coletas de sangue e administrar medicação no membro para a hemodiálise, avaliar frêmito a cada 8 horas, observar sinais de infecção e integridade do curativo.

Monitoramento – Durante a hemodiálise observar atentamente a função cardiovascular e respiratória, ocorrência de náuseas, vômitos e cãibras, rigoroso balanço hídrico. Quando em terapia intravenosa administrar lentamente a solução em bomba de infusão em acesso venoso em membro oposto ao da hemodiálise para prevenir risco de infecção e coagulação do circuito.

Educação em saúde – Explicar sobre a doença renal e o tratamento dialítico, orientar quanto à ingesta de proteínas, sódio, potássio e líquidos que devem ser regulados, estimular o autocuidado e aconselhamento em casos psicossociais (depressão, tentativa de suicídio e desespero).
Com estes dados o profissional de enfermagem consegue prestar com boa qualidade seu atendimento ao paciente dialítico e buscar cada vez mais o aprofundamento cientifico na ciência do cuidar.

Referencias 
SMELTZER, Suzanne C et al. Brunner & Suddarth: Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014. 2338 p

NEFROLOGIA, Sociedade Brasileira de et al. Hemodiálise. 2016. Disponível em: <http://sbn.org.br/publico/tratatamentos/hemodialise/>. Acesso em: 27 fev. 2016
Fonte da imagem http://www.especialista24.com/hemodialise/

Visite nossa Lojinha
















Veja o conteúdo:
Clique aqui


Top da Semana

Oxímetro de Pulso

oxímetro de pulso é um dispositivo médico que mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que o sangue está transportando. Trata-se de uma monitorização não invasiva da saturação de oxigênio do sangue arterial.
O nível de oxigênio mensurado com um oxímetro é chamado de nível de saturaçãode oxigênio (abreviado como O2sat ou SaO2). A SaO2 é a porcentagem de oxigênio que seu sangue está transportando, comparada com o máximo da sua capacidade de transporte. O padrão de normalidade varia entre 90 - 100% de SpO2.


O Oxímetro substitui a necessidade de Gasometria Arterial?
O oxímetro mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que é transportada pelo sangue, e não é invasivo. Já a gasometria arterial é um procedimento invasivo e mensura diretamente tanto a quantidade de oxigênio transportada pelo sangue quanto a de gás carbônico (dióxido de carbono). 
Material necessário para instalação do Oxímetro: Equipamento: Oxímetro de pulso;Sensor adulto ou infantil (permanente ou descartável);Álcool…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cuidados com a Gastrostomia

Gastrostomia e jejunostomia são procedimentos cirúrgicos para a fixação de uma sonda alimentar. Um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno, objetivando uma comunicação entre a cavidade do estômago e a parede do abdômen.
O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e "porcionamento" da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.
A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…