Aplicação de insulina e os cuidados de enfermagem


Hoje, no Brasil, há mais de 13 milhões de pessoas vivendo com diabetes, o que representa 6,9% da população. E esse número está crescendo. Em alguns casos, o diagnóstico demora, favorecendo o aparecimento de complicações. Pode ser que você ou alguém próximo tenha diabetes. Saiba mais e aprenda a conviver bem com a doença, transformando-a em mais um motivo para cuidar da saúde.

Diabetes Mellitus
É uma doença caracterizada pela elevação da glicose no sangue (hiperglicemia). Pode ocorrer devido a defeitos na secreção ou na ação do hormônio insulina, que é produzido no pâncreas, pelas chamadas células beta . A função principal da insulina é promover a entrada de glicose para as células do organismo de forma que ela possa ser aproveitada para as diversas atividades celulares. A falta da insulina ou um defeito na sua ação resulta portanto em acúmulo de glicose no sangue, o que chamamos de hiperglicemia.


Hiperglicemia: liberação inadequada de glicose pelo fígado, captação diminuição de glicose pela musculatura esquelética e diminuição síntese de glicogênio.
Classificação do Diabetes

Sabemos hoje que diversas condições que podem levar ao diabetes, porém a grande maioria dos casos está dividida em dois grupos: Diabetes Tipo 1 e Diabetes Tipo 2.

Diabetes tipo I: insulino-dependente, deficiência absoluta de insulina em decorrência da destruição auto-imune das células beta. Tratamento com insulina.

Diabetes tipo II: não insulino-dependente, resistência a insulina e comprometimento da secreção de insulina. Tratamento com hipoglicemiantes orais e dietético.

Outros Tipos de Diabetes: São bem mais raros e incluem defeitos genéticos da função da célula beta (MODY 1, 2 e 3), defeitos genéticos na ação da insulina, doenças do pâncreas (pancreatite, tumores pancreáticos, hemocromatose), outras doenças endócrinas (Síndrome de Cushing, hipertireoidismo, acromegalia) e uso de certos medicamentos.

Diabetes Gestacional: Pode ser transitório ou não e, ao término da gravidez. Na maioria das vezes ele é detectado no 3º trimestre da gravidez, através de um teste de sobrecarga de glicose. As gestantes que tiverem história prévia de diabetes gestacional, de perdas fetais, má formações fetais, hipertensão arterial, obesidade ou história familiar de diabetes não devem esperar o 3º trimestre para serem testadas, já que sua chance de desenvolverem a doença é maior.

















INSULINA

O pâncreas secreta 2 hormônios importantes, a insulina e o glucagon, que são fundamentais para o metabolismo da glicose, lipídios e proteínas.
O pâncreas é formado por dois tecidos: os ácinos (que secretam suco digestivo no duodeno) e as ilhotas de Langerhans (secretam insulina e glucagon diruetamente para o sangue).
As ilhotas contêm principalmente 3 tipos de células alfa, beta e delta.

Células das ilhotas 

Beta
- Secretam insulina (60% das células das ilhotas)
Alfa 
- Secretam glucagon (25% do total)
Delta
- Secretam somatostatina (10% das células)

A insulina inibe a saída de glicose hepática e estimula a captação de glicose pelos músculos esqueléticos e adipócitos, limitando assim o aumento da glicose no sangue.

Fatores e condições que aumentam ou diminuem a secreção de insulina

Aumento de secreção de insulina:
- Aumento de glicose sanguínea;
- Aumento de ácidos graxos livres no sangue;
- Aumento de aminoácidos no sangue;
- Aumento de hormônios gastrintestinais
- Aumento de glucagon, hormônio do crescimento e cortisol

Diminuição de secreção de insulina:
- Diminuição de glicose no sangue;
- Jejum;
- Somatostatina;
- Atividade alfa-adrenérgica 
- Leptina 

Mecanismo de Ação da Insulina

A insulina liga-se a um receptor específico presente na superfície das células-alvo.
O receptor para insulina é uma tirosina quinase composta de 2 subunidades alfa e 2 subunidades beta.
A insulina ligando-se na subunidade alfa ativa a quinase, que está na subunidade beta. A atividade da tirosina quinase do receptor inicia uma cascata de fosforilação celular que aumenta ou diminui atividades das enzimas intracelulares, incluindo o substrato de receptor de insulina. A consequência será aumento da captação de glicose e a síntese de glicogênio, bem como aumento da síntese de triglicerídeos e proteínas.


Farmacocinética da Insulina
1 - Destruída no TGI e via de administração SC.
2 - Meia-vida de cerca 10 min.
3 - Biotransformação hepática e excreção renal.

Tipos de Insulina
As insulinas diferenciam-se devido à velocidade com que a insulina injetada é absorvida e ainda no seu tempo de ação.

Ação ultra-rápida
Pode ser administrada antes ou após as refeições.
Exemplo: Lispro-Humalog, Aspart-Novolog
Início de ação: 5-15 min
Efeito máximo: 30-90 min
Duração: 3-5 horas

Ação rápida
Administrada durante as refeições
Exemplo: Novolin R (Insulina humana regular)
Início de ação: 30 minutos
Efeito máximo: 1-3 horas
Duração: 8 horas

Ação intermediária
Apresenta cristais que dão coloração turva ao líquido. Os cristais devem ser homogeneizados antes de cada aplicação.
Exemplo: Novolin N, Novolin L (NPH)
Início de ação: dentro de 1,5 horas
Efeito máximo: 4-12 horas
Duração: 24 horas

Ação longa
Insulinas de duração de mais de 24 horas e baixa duração tópica.
Exemplos: Suspensão de zinco insulina humana, cristalina.
Tópico: dentro de 4 horas
Efeito máximo: 8-24 horas
Duração: 28 horas

Insulina pré-mistura
Combinação de insulina de ação rápida (30%) e de ação intermediária (70%) em proporções padrão
Exemplos: Novomix, Novolin 70/30
Tópico: Dentro de 30 minutos
Efeito máximo: 2-8 horas
Duração: 24 horas

Esquematização do receptor de insulina




































Efeitos indesejáveis da insulina
1 - Hipoglicemia
2 - Reações de hipersensibilidade
3 - Lipodistrofia
4 - Resistência a insulina

Cuidados de Enfermagem 
Material Necessário: Seringa e Agulha, algodão, álcool 70% e medicamento (insulina conforme a prescrição médica)

Procedimento:
- Lavagem das mãos;
- Explicar o procedimento ao paciente;
- Retirar o frasco de insulina da geladeira 10 a 20 minutos antes da aplicação;
- Rolar o frasco entre as mãos sem agitar com no mínimo 20 movimentos;
- Realizar a assepsia do frasco com algodão embebido em álcool 70%;
- Aspirar a quantidade de ar na seringa;
- Injetar o ar dentro do frasco para melhor retirada da insulina; 
- Virar o frasco e a seringa para baixo, aspirando a quantidade de unidades conforme a prescrição médica; 
- Retirar o ar que esteja presente na seringa; 
- Selecionar a área de aplicação, tendo os cuidados mencionados anteriormente no rodízio de áreas para aplicação;
- Fazer assepsia da área com algodão;
- Fazer prega na pele e introduzir a seringa em ângulo de 90º e após soltar a prega;
- Administrar a quantidade de insulina que consta na seringa; 
- Retirar a seringa e após fazer uma leve compressão com algodão e álcool 70%;
- Organizar o material utilizado;
- Lavar as mãos e registrar no prontuário.

Importante:
Ao encontrar presença de sangue na aplicação da insulina, seguir o seguinte: sangue em pequena quantidade, continuar a administração, sangue em grande quantidade, interromper a administração e preparar nova dose de insulina (Ministério da Saúde).
 O tamanho da agulha é avaliado pelo profissional segundo o tipo físico do paciente.
 A prega cutânea deve ser feita antes da introdução da agulha e soltando antes da introdução da insulina.
 O ângulo de aplicação deverá ser de 90°C, entretanto caso a agulha seja maior que a indicada em alguns pacientes magros e crianças é necessário uma avaliação e utilização de ângulos de 45 ou 60°C.
A aspiração após a introdução da agulha não é necessária quando se está utilizando os instrumentos corretos.
O reuso das agulhas e seringas em serviços hospitalares públicos e privados é proibido pela Divisão de Medicamentos no Brasil (DIMED), por meio da Portaria nº 3 de 07/02/86, incluindo a utilização do material no mesmo paciente.

Glucagon
A secreção de glucagon é estimulada principal pela baixa concentração de glicose e ácidos graxos no plasma, já a alta concentração diminui sua secreção.
O glucagon aumenta os níveis de glicose e provoca a degradação de proteína e lipídios. Atua nos receptores específicos para estimular a adenilato ciclase. As ações metabólicas do glucagon são opostas da insulina.
O glucagon também aumenta a frequência cardíaca e aumenta a força de contração do coração, embora de forma menos acentuada que a adrenalina.

Somatostatina
É um fator de inibição da liberação do hormônio do crescimento produzido pelo hipotálamo.
É responsável pela regulação inibitória local de insulina e glucagon no interior das ilhotas.

Octreotida é um análogo da somatostatina. É utilizado para o tratamento de vários tumores endócrinos gastroentero-pancreáticos incomuns.

Hipoglicemiantes Orais

Biguanidas: Metformina (Glifage®)
O seu mecanismo de ação ainda não é totalmente compreendido. As biguanidas aumentam a captação de glicose e sua utilização na musculatura esquelética e diminuem a gliconeogênese.

Farmacocinética: meia-vida de 3 h e é excretada da forma inalterada na urina.
Efeitos Indesejáveis: Distúrbios no TGI; acidose láctica é um efeito tóxico raro mas fatal. Não devendo ser administrada em pacientes com doença renal, hepática, pulmonar hipóxica, IC ou choque.

Uso Clínico: pacientes com DM tipo II.

Sulfaniluréias:
Tobultamida (Orinase ®)
Clorpropamida (Diabinese®)
Glipizida (Minidiab®)

Mecanismo de ação das sulfaniluréiasExerce ação nas células Beta, estimulando a secreção de insulina, ↓ o nível plasmático de glicose. Por bloquear os canais de potássio sensíveis ao ATP.

Farmacocinética: Se ligam fortemente em proteínas plasmáticas. São excretadas pela urina, de modo que sua ação encontra-se ↑ em idosos e renais. Conseguem atravessar a barreira placentária.

Efeitos Indesejáveis: Hipoglicemia é comum. ↑ do apetite podendo ↑ peso ponderal. Erupções cutâneas.

Uso Clínico: Estágio inicial do DM tipo II pois necessita ter células Beta funcionais. Podem ser combinadas com metformina.



CLIQUE AQUI e conheça todos os temas que já postamos ]