Pular para o conteúdo principal

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem


A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.

O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causar dor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.

Etiopatogenia

1 – Próprios da patologia venosa periférica
• Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*)
• Insuficiência valvular profunda
• Fístulas arteriovenosas
• Flebodisplasias congênitas

*Síndrome pós-trombólica
• alta incidência de IVC
• 67% dos casos apresentam edema e dor
• 15% hiperpigmentação
• 3% úlceras

2 – Fatores menos importantes
• alteração do arco plantar
• alteração da marcha
• hipertensão intra-abdominal
• distúrbios da função pulmonar
• insuficiência cardíaca

Diagnóstico

1) Quadro clínico
• edema isolado
• pigmentação
• dermite de estase
• celulite indurata
• úlcera
• antecedentes de patologias venosas 
• varizes (aspecto morfológico e topográfico)
• sensação de desconforto e dor

2) Doppler
Existência de obstrução ou agenesia;
Insuficiência vascular
Fístulas arteriovenosas 

Duplex scan: função vascular e o refluxo venoso


3) Flebografia
indicada para avaliar com precisão o estado do sistema venoso profundo em pacientes cirúrgicos

A equipe de saúde deve atentar para a prevenção do problema, estimulando ações que se oponham aos fatores de risco. As úlceras venosas causam impacto social e econômico significativo devido à natureza recorrente e ao longo tempo decorrido de seu início e cicatrização, cabe ao enfermeiro realizar a técnica apropriada de curativos, considerando o risco para infecções, como também conhecer de forma abrangente o paciente, já que a educação e o autocuidado se fazem prioritários durante o tratamento.

Tratamento clínico
- Controle do fator etiológico
- Controle de hipertensão venosa e do edema (elevação e meias elásticas)
- Tratamento da dermite de estase (cremes com corticoides, anti-histamínicos orais)
- Tratamento de úlcera

Tratamento clínico da úlcera
1 – Combate à infecção: uso sistêmico de antibióticos
2 – Remoção da fibrina: desbridamento com enzimas protedíticas 
3 – antissépticos fortes (assepsia da pele)
4 – impedir a formação de costas ou sua remoção sistemática
5 – impedir a reinfecção com antissépticos fracos
6 – repouso com MMII elevados

Tratamento 

Objetivos
- redução dos edemas
- promover uma circulação adequada
- melhorar o aspecto endurecido da pele
- fortalecer musculatura do membro inferior
- mobilizar as estruturas adjecentes da úlcera normalizar alterações sensitivas orientações gerais

Orientações gerais 
• repousar com os MMII elevados
• evitar a imobilidade dos MMII
• praticar atividades físicas adequadas
• tratar a obesidade
• uso de sapatos adequados higiene adequada da úlcera

Visite a Lojinha da Enfermagem




















Visite - Clique Aqui


Top da Semana

Oxímetro de Pulso

oxímetro de pulso é um dispositivo médico que mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que o sangue está transportando. Trata-se de uma monitorização não invasiva da saturação de oxigênio do sangue arterial.
O nível de oxigênio mensurado com um oxímetro é chamado de nível de saturaçãode oxigênio (abreviado como O2sat ou SaO2). A SaO2 é a porcentagem de oxigênio que seu sangue está transportando, comparada com o máximo da sua capacidade de transporte. O padrão de normalidade varia entre 90 - 100% de SpO2.


O Oxímetro substitui a necessidade de Gasometria Arterial?
O oxímetro mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que é transportada pelo sangue, e não é invasivo. Já a gasometria arterial é um procedimento invasivo e mensura diretamente tanto a quantidade de oxigênio transportada pelo sangue quanto a de gás carbônico (dióxido de carbono). 
Material necessário para instalação do Oxímetro: Equipamento: Oxímetro de pulso;Sensor adulto ou infantil (permanente ou descartável);Álcool…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cuidados com a Gastrostomia

Gastrostomia e jejunostomia são procedimentos cirúrgicos para a fixação de uma sonda alimentar. Um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno, objetivando uma comunicação entre a cavidade do estômago e a parede do abdômen.
O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e "porcionamento" da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.
A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…