Pular para o conteúdo principal

Cirurgia de obesidade e os cuidados de Enfermagem


A obesidade é uma doença complexa, que é caracterizada pelo acúmulo de gordura no organismo. Está diretamente relacionada ao surgimento de doenças crônicas, tais como:

- Diabetes tipo II;
- Hipertensão arterial;
- Dislipidemias;
- Coronariopatias;
- Doenças articulares;
- Cálculos biliares;
- Apneia do sono;
- Tipos de câncer.



A obesidade tem afetado todas as faixas etárias e os grupos socioeconômicos, nos países desenvolvidos e nos que estão em desenvolvimento. Traz consequências sociais, psicológicas e de proporções epidêmicas. Atualmente, a cirurgia bariátrica tem sido o principal tratamento para a redução de peso e a melhora das comorbidades relacionadas a obesidade.


Existem três formas básicas de tratamento cirúrgico:
1 - Técnica restritiva
2 - Técnicas disabsortiva
3 - Técnicas mista

1) Técnicas restritivas: limitam o volume de alimento sólido que o paciente ingere nas refeições. O resultado depende da colaboração do paciente, pois alimentos líquidos podem ser ingeridos quase no mesmo volume que eram antes da operação e se forem muito calóricos irão atrapalhar ou até impedir a perda de peso.

As principais técnicas restritivas são:


Balão intragástrico: Feito de silicone, preenchido por uma solução liquida, após ser colocado através de endoscopia no interior do estômago, pode permanecer lá por um período de 4 a 6 meses, causando sensação de saciedade mais precoce, devendo ser retirado após esse período.



Banda gástrica ajustável por laparoscopia:  é uma prótese de silicone que tem um balão insuflável, por dentro, parecido com um manguito do aparelho de medir pressão arterial.

2) Técnicas disabsortivas: Permitem ao paciente comer, no entanto atrapalham a absorção dos nutrientes e com isto levam o obeso ao emagrecimento. São em geral muito bem sucedidas quanto ao emagrecimento que pode chegar a 40% do peso original, no entanto tem necessidade de controle mais rígido quanto a distúrbios nutricionais, de elementos minerais e vitaminas.

Dentre as várias técnicas propostas, três são as mais conhecidas e, o mais importante, reconhecidas:

Cirurgia de Payne que é um desvio intestinal grande sem se mexer no estômago (Esta é uma cirurgia de exceção, pois pode levar a distúrbios nutricionais muito acentuados e é somente utilizada através de critérios rigorosos).

Outra cirurgia disabsortiva chama-se derivação biliopancreática ou cirurgia de Scopinaro.
Esta cirurgia consiste em retirar a metade do estômago, desta forma fazendo com que o paciente possa comer um volume menor, porém satisfatório. É uma cirurgia que apresenta bons resultados e uma perda de 40% do peso total.


A terceira técnica chama-se Derivação Bilipancreática com Duodenal Switch ou cirurga de Hess na qual é realizada uma ressecção longitudinal do estômago (preservada a anatomia básica do estômago e sua fisiologia no esvaziamento do alimento do estômago).

O componente disabsortivo (desvio intestinal) do duodenal switch faz com que o alimento venha por um caminho enquanto os sucos digestivos (bile e suco pancreático) venham por outro. Eles se encontram apenas a 100 cm de acabar o intestino delgado. Isto inibe a absorção de calorias e nutrientes levando a um emagrecimento importante.

Principais vantagens:

- Estômago diminuído sem a presença de bandas ou anéis;
- Cirurgia pode ser totalmente revertida (com exceção da faixa de estômago que foi retirada);
- Não é retirada nada do seu intestino como é proposto em outras técnicas;
- Nutrientes são absorvidos na pequena faixa de duodeno preservada;
- O volume de alimento que vai poder ingerir em alguns meses de pós-operatório vai ser praticamente normal e finalmente;
- A perda de peso é consistente e duradoura.

Técnicas mistas: Associam um pouco de restrição a ingesta do bolo alimentar com um pouco de disabsorção, ou seja, um desvio intestinal menor. Atualmente a técnica mais utilizada chama-se by-pass gástrico com anel ou cirurgia de Fobi-Capella (consiste em uma redução do estômago através de grampeamento).

O estômago é dividido em duas partes: uma menor (30ml) que será por onde o alimento irá transitar e outra maior que ficará isolada.

Este pequeno estômago é então ligado ao intestino para que o alimento possa seguir seu curso natural.

Todas as secreções do estômago separado serão levadas a uma nova costura do intestino feita adiante do intestino que é costurado no estômago.



Outra técnica mista é o bypass gástrico sem banda ou cirurgia de Wittgrove, é muito semelhante à técnica de Fobi-Capella. A diferença básica é que ao invés de colocar um anel ao redor do "pequeno estômago”, o cirurgião faz uma costura apertada entre este último e o intestino.



CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS OPERATÓRIO:
- Reforçar as orientações nutricionais;
- Estimular a adesão e a obediência às recomendações dietéticas;
- Orientar a ingerir lentamente os alimentos, mastigá-los por completo e não ingerir líquido com as refeições.

Pós-operatório imediato e tardio
- Avaliar débito urinário no sistema de drenagem fechada ou o desejo do paciente e a distensão vesical;
- Auscultar o abdome para determinar a presença e a localização dos ruídos hidroaéreos;
- Monitorizar presença de íleo paralítico (os ruídos hidroaéreos deverão retornar em média de 6 a 12 h após a cirurgia), flatulência, distensão abdominal;
- Orientar o paciente a comunicar desconforto em região supra púbica;
- Registrar a coloração, o odor, a consistência, a quantidade e a frequência das evacuações;
- Verificar presença, aspecto, características e frequência de eliminações intestinais;
- Observar e anotar eliminações e outras perdas como: diurese, vômitos, débitos de drenos, ingestão hídrica;
- Medir diariamente o débito do dreno de sucção;
- Comunicar à equipe médica para tomar as condutas necessárias, como a necessidade de sondagem vesical de alívio.

Pós-operatório imediato
- Estimular a deambulação logo que possível;
- Estimular a movimentação passiva dos pés, para aumentar o retorno venoso e prevenir a formação de coágulos nos membros inferiores ou pelve que podem suceder à cirurgia da obesidade;
- Orientar o paciente que, durante o período pós-operatório, a deambulação precoce e o posicionamento correto do paciente no leito são muito importantes na prevenção de complicações pulmonares e de trombose venosa profunda;
- Atentar para sinais de hipotensão ortostática (diminuição da pressão arterial, fraqueza, tontura e desmaio) quando o paciente levantar.

Pós-operatório tardio
- Reforçar que a atividade física é muito importante para os pacientes submetidos à cirurgia bariátrica, pois a perda de peso será mais rápida;
- Orientar o paciente que evite esforços físicos excessivos nos primeiros 90 dias.
Caminhadas leves, de curta distância (pela manhã, próximo ao almoço e à tarde), poderão ser feitas conforme a resistência, progredindo lentamente, aumentando 01 minuto por dia.


Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica
obs: Imagens retiradas de buscas no google - caso seus responsáveis não queiram disponibiliza-las, entre em contato que retiraremos do site.




Top da Semana

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Doenças e Agravos de Notificação Compulsória

A vigilância epidemiológica tem como finalidade fornecer subsídios para execução de ações de controle de doenças e agravos (informação para a ação) e, devido a isso, necessita de informações atualizadas sobre a ocorrência dos mesmos. A principal fonte destas informações é a notificação de agravos e doenças pelos profissionais de saúde.
A escolha das doenças e agravos de notificação compulsória obedece a critérios como magnitude, potencial de disseminação, transcendência, vulnerabilidade, disponibilidade de medidas de controle, sendo a lista periodicamente revisada, tanto em função da situação epidemiológica da doença, como pela emergência de novos agentes e por alterações no Regulamento Sanitário Internacional. Os dados coletados sobre as doenças de notificação compulsória são incluídos no Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN).
Notificação Compulsória: comunicação obrigatória à autoridade de saúde, realizada pelos médicos, profissionais de saúde ou responsáveis pelos estabel…

Arrumação de leito hospitalar

A técnica tem como função proporcionar repouso, conforto e segurança ao cliente. O cliente (paciente) é o elemento principal de qualquer instituição de saúde. 
Considera-se paciente todo o individuo submetido a tratamento, controle especiais, exames e observações medicas. O paciente procura o hospital quando atingido pela doença, cria nele angustia, inquietação, que leva a exagerar o poder e conhecimento sobre os profissionais que o socorrem, muitas vezes torna-se difícil o tratamento do doente, originando problemas de relacionamento (paciente pessoal).
Quando uma pessoa esta doente, precisa de ajuda para muitas das tarefas que habitualmente realiza sozinha. Parte do trabalho das pessoas que se dedicam, ao cuidado do paciente em um hospital é manter agradável o local que o cerca. Ficar em quarto limpo e com tudo em ordem ajudará o paciente a sentir-se melhor e tornará sua permanência no hospital mais agradável.
O leito é um fator importante na obtenção de repouso e conforto, sendo impres…

A importância de tomar água

Você sabia que a sede é o primeiro sinal de desidratação? Ela, por sua vez, é um estado que afeta muito mais os tecidos e células do que o volume de sangue corrente. O que fazer? Para homens é recomendável (de idade de 19 a 70 anos) o consumo de 3,7 litros de água, já para as mulheres (de idade de 19 a 70 anos) é recomendável 2,7 litros de água. Cerca de 60% do peso do corpo humano é composto por água. Nosso corpo ao longo do dia vai eliminando todo esse líquido através da transpiração, suor, saliva, urina e fezes, por isso o consumo diário de água é tão importante. 
Benefícios do consumo de água:  * Limpeza do organismo * Controle da pressão sanguínea  * Proteção dos olhos * Proteção dos rins  * Firmeza e beleza da pele * Absorção de vitaminas  * Melhora do funcionamento intestinal  * Transporte de nutrientes para as células 
A água pode ser substituída? NÂO, ou não totalmente. Voce não deve deixar de lado a água para optar por um suco ou refrigerante, a água é extremamente importante para que n…

Sintomas e Tratamentos do Cisto Pilonidal

Cisto Pilonidal é a formação de uma bolsa a partir de qualquer tecido do corpo que pode compreender em seu interior ar, líquido, pus ou outro fluido. O cisto pilonidal é uma doença crônica muito comum, variante do cisto dermoide, e aparece habitualmente na região terminal da coluna vertebral (região sacrococcigiana ou sacrococcígea), conhecida popularmente como cóccix, alguns centímetros acima do ânus.
É muito comum que se encontre cabelos dentro do cisto pilonidal (“ninho de pêlos”), além de fragmentos de pele, glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas. Quando o acúmulo desse material resulta em uma inflamação, dando sinais de infecção e pus, o cisto pilonidal é também chamado de abscesso pilonidal. Apesar de ser conhecido por ocorrer na região do cóccix, o cisto pilonidal também pode surgir nos olhos, nariz, axilas, couro cabeludo e ao redor do umbigo. Acomete mais os homens jovens entre 15 e 30 anos.

Os sintomas do cisto pilonidal só existem quando eles inflamam, nesses casos, os pa…