Entendendo o Balanço Hídrico

Em percentual, a criança possui mais água corporal do que o adulto, cerca de 80% do peso e o recém-nascido pode ter ainda mais que isso.

Já uma pessoa adulta tem cerca de 70% do seu peso em água. Isso equivale a quase 50 kg de água em um adulto de 70 kg e cerca de 50 litros de água distribuídos pelo corpo.



Os idosos por sua vez, possuem menor quantidade de água do que os jovens, em média 50% do peso corporal. Isso pode explicar a importância do componente hídrico em nosso corpo e a importância dos mecanismos fisiológicos que mantêm esses volumes líquidos estáveis.

Em condições normais de saúde perdemos água de diversas maneiras: pela transpiração, pela urina, através do metabolismo celular (processo de funcionamento das células que garante a vida) e pela perspiração, que é a perda de água através da respiração e da fala.

Quando estamos nos exercitando, transpiramos muito mais e as perdas da perspiração são muito maiores. 

Também perdemos água em situações não fisiológicas como quando estamos com febre ou acometidos por doenças que causam falta de ar, como as pulmonares e aquelas que causam perda de grandes volumes urinários, como o diabetes descompensado.

As crianças, os obesos e os idosos são mais vulneráveis quando perdem água, mesmo que seja em pequena quantidade. A água proporcional ao peso corporal do obeso é muito menor do que nos magros, podendo chegar a 25-30% apenas, tornando-os vulneráveis à desidratação. Isso pode explicar o quanto é equivocada a atitude de se usarem diuréticos para emagrecer.
Pode haver realmente perda de peso, mas, às custas de desidratação e não de perda de gordura corporal. Pode-se dizer a mesma coisa dos laxantes, que causam diarreia e perda de água com a ilusória redução do peso. Tudo muito temporário, desconfortável e arriscado para os pacientes.

REGULAÇÃO HÍDRICA

O ideal seria a ingestão frequente de líquidos independente da sede, pois quando sentimos sede é porque já estamos um pouco desidratados. Nossos mecanismos de sede tornam mais fáceis à prevenção da desidratação grave.

Quando o tempo está muito seco, nossa hidratação deve ser intensificada e vale tudo: a água filtrada ou mineral, a água de côco, os líquidos isotônicos - aqueles com adição de eletrólitos como potássio e sódio - os chás gelados e os sucos naturais.
A água de côco e os sucos naturais têm a vantagem de serem também nutritivos, além de hidratantes. Além dos líquidos, nossa hidratação estará sempre sendo incrementada quando consumimos legumes, verduras e frutas, pois nesses alimentos a água é o principal componente.

BALANÇO HÍDRICO

É a mensuração da quantidade de líquidos ingeridos e eliminados pelo cliente num período de 24 horas (dia e noite).

Finalidade: avaliar condições de hidratação e eliminação corpóreas.

Líquidos ingeridos (balanço positivo): água, sangue e hemoderivados, alimentos líquidos, soro intravenoso, medicações.

Líquidos eliminados (balanço negativo): vômito, diarreia, suor, urina em excesso, líquidos drenados por drenos ou sondas, queimaduras, respiração excessiva.

Exemplo 1:

O paciente/cliente recebeu 2.500 ml entre dieta e medicações e eliminou 1.900 ml entre diurese e outras drenagens.

2.500 – 1.900 = 600 ml

Portanto o balanço das 24 horas neste caso é positivo, pois o paciente teve mais ganhos do que perdas.

Exemplo 2:

O paciente/cliente recebeu 1.900 ml entre dieta e medicações e eliminou 2.200 ml entre diurese e drenagens.

1.900-2.200 = - 300

Portanto o balanço hídrico das 24 horas é negativo, pois o cliente teve mais perdas que ganhos.

O equilíbrio entre ganho e perda líquida pode sofrer alterações, ocorrendo depleção ou retenção hídrica.

A perda excessiva de líquidos corpóreos ocasiona a desidratação; a retenção de líquidos ocasiona o edema que por sua vez, sobrecarrega o aparelho cardiovascular.

Ideal que os pacientes sejam pesados antes do início do controle. Todo o paciente em controle hídrico está em controle de diurese, ou seja, o uso de coletor de urina é indispensável.

Clientes em controle hídrico podem estar ainda em restrição hídrica, em que o médico prescreve a quantidade de líquidos que poderá ser oferecida ao paciente em 24 horas; neste caso a melhor distribuição de líquidos deverá ser estabelecida.


É atribuição do profissional de Enfermagem anotar todas as medicações infundidas, administradas, dietas oferecidas e as recusas, eliminações vesicais e intestinais e anotar suas características, débito de drenos e seu aspecto, durante seu plantão no paciente que está sob sua responsabilidade.