Pular para o conteúdo principal

O que a relação enfermeiro-paciente tem a ver com a judicialização da saúde?


Quando se fala em “judicialização da saúde”, logo surge na mente dos profissionais da área a preocupação com o rumo que a relação entre Saúde e Direito está seguindo. 

Os mais experientes recordam-se de que, até cerca de 20 anos atrás, não havia tantos processos (judiciais: cíveis e criminais) e disciplinares (nos Conselhos de Classe) instaurados contra agentes e estabelecimentos de saúde, sejam públicos, sejam privados. Não havia, também, um número tão grande de condenações.

Já nos dias atuais, a judicialização da saúde cresce em escala exponencialmente feroz. A cada ano, o número de demandas judiciais aumenta em dobro ou, em alguns Estados, no triplo, numa verdadeira progressão geométrica.

Somado às já conhecidas deficiências do sistema de saúde pública – destacando-se a falta de estrutura, de insumos e de pessoal para atender a demanda de necessitados –, o alarmante cenário de litigiosidade inevitavelmente contribui para aumentar o estresse, para intensificar a postura defensiva no exercício profissional, para reduzir os sentimentos de empatia e comiseração aos enfermos, e, no fim, para o distanciamento na relação do profissional de Saúde com os pacientes.

As demandas judiciais contra profissionais da Saúde vêm crescendo em escala vertiginosa; mas pouco se tem realizado no sentido de aferir os motivos desse aumento e o que se pode fazer para cessá-lo ou, ao menos, freá-lo.

Dentre múltiplos fatores jurídicos, políticos e sociais que conduziram e conduzem à crescente judicialização da Saúde, elegemos como objeto da presente explanação a relação dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos de Enfermagem com os pacientes sob seus cuidados.

Em tempos pretéritos se entendia que a saúde seria a ausência de doença. Mas atualmente vem prevalecendo uma visão mais holística, abrangente, inter-relacionada e definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não somente a ausência de afeções e enfermidades. Mais do que a integridade morfológica, funcional e orgânica, a saúde considera que vetores sociais, trabalhistas, familiares, econômicos, e inúmeros outros podem causar ou incrementar enfermidades e estados biopsíquicos prejudiciais ao indivíduo.

Fala-se, portanto, em humanização da assistência em Saúde. O atendimento humanizado é pautado nas melhores virtudes do ser humano: empatia, tolerância, atenção, urbanidade, solidariedade. É querer a convalescência do paciente e demonstrar isso por meio de posturas, atitudes e da adoção das melhores práticas disponíveis para que esse objetivo seja atingido com o menor sofrimento possível, como, por exemplo, informar melhor, comunicar-se melhor, diagnosticar com mais precisão as determinantes e condicionantes de cada caso, e reagir melhor a eventos repentinos indesejados.
Fala-se, por igual, em prestação do serviço de Saúde com foco no doente, e não na doença, tudo para permitir o resgate do grau de empatia e da solidariedade que existia tempos atrás.

Com base em pesquisas e experiências práticas, especialistas e instituições renomadas afirmam que a empatia no desempenho da atuação em Saúde causa uma mudança positiva interna nos profissionais e também nos pacientes. Exercendo as referidas virtudes, os profissionais da Saúde agregam inteligência emocional, tornam-se mais atenciosos e mais cautelosos, e, além disso, recebem um feedback mais gratificante (reconhecimento de seus esforços, agradecimentos), o que faz reduzir drasticamente a ocorrência de iatrogenias. Da parte dos pacientes, estes, ao serem tratados com mais atenção, adquirem uma maior compreensão do fardo carregado pelos profissionais que o atendem e, nesse passo, adquirem um maior grau de tolerância quanto a eventuais falhas ou resultados adversos. Tudo isso resulta em melhoria na prestação do serviço público e em redução da judicialização.

E, no complexo de funções pertinentes ao serviço de Saúde, os Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos de Enfermagem situam-se “na linha de frente” e na retaguarda, pois a equipe de Enfermagem concretiza a prescrição médica, executa diretamente as providências de cuidado e manutenção dos pacientes, e está em contato mais direto e frequente com os enfermos aos seus cuidados. A mítica denominação “Anjos de Branco” muito bem se aplica a esses nobres profissionais, os quais, cumprindo extenuantes jornadas de labor intenso e em condições inferiores ao ideal, estão sempre de prontidão em benefício de seus enfermos.

Em sendo assim, constata-se que a relação entre os profissionais da Saúde (mormente Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos de Enfermagem) e seus pacientes precisa ser (re)vista como vetor que influencia na promoção da Saúde dos indivíduos e na prevenção de demandas judiciais. Consequentemente, a afluência de virtudes no trato do paciente mostra-se relevante, necessária e útil para a (re)valorização da profissão.

Verifica-se, ainda, que a humanização do atendimento em Saúde deve ser ensinada, refletida, introjetada no âmago subjetivo dos profissionais e, principalmente, ser colocada em prática. Logo, teoria, aprendizado, conscientização e prática são alcançáveis por meio da elaboração e atualização de protocolos clínicos, de palestras periódicas, de gerenciamento de riscos, de reuniões em grupo e de planejamento de metas de curto, médio e longo prazos, tudo de acordo com a peculiaridades locais e de cada estabelecimento de Saúde.


Contribuiu com este Artigo:


Thomaz de Souza Delvizio
Advogado no Estado do MS (principalmente em Campo Grande), atuante na área de responsabilidade civil, penal e disciplinar de profissionais da Saúde, bem como na assessoria preventiva e litigiosa de instituições de Saúde. Pós-graduado em Direito Constitucional e pós-graduando em Direito Médico. 
e-mail: thomazsd@hotmail.com | Linkedin






Top da Semana

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…

Febre Chikungunya

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus.
Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Porém, a grande diferença da febre chikungunya está no seu acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

A febre chikungunya teve seu vírus isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela recebeu esse nome, pois chikungunya significa "aqueles que se dobram" no dialeto Makonde da Tanzânia, termo este usado para designar aqueles que sofriam com o mal. A doença, apesar de pouco letal, é muito limitante. O paciente tem dificuldade de movimentos e locomoção por causa das articulações inflamadas e doloridas, daí o "andar cur…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Instrumentação cirúrgica

Umas das principais frases que o instrumentador cirúrgico adora ouvir é: “Vamos entrar em campo”. O Instrumentador é fundamental para realização de uma cirurgia, e está presente desde o paciente mais compreensivo ao mais difícil de se fazer entender, desde a cirurgia mais simples até a mais complexa.
Mais do que conhecer os materiais específicos utilizados em cada tipo de operação, é fundamental que o instrumentador cirúrgico tenha bom relacionamento com os profissionais que estão à sua volta e seja comprometido com o trabalho para garantir o dia-a-dia na atividade.
O comprometimento vai muito além de montar a mesa cirúrgica e alcançar pinças ou segurar afastadores, é comprometimento com a vida de quem está ali aos cuidados da equipe cirúrgica, confiando que o cirurgião fará o seu melhor para garantir o sucesso do procedimento, porém isso não depende apenas dele. Depende também da atenção de quem o acompanha durante o ato, um instrumentador ágil, comprometido e atento ao procedimento, c…