Pular para o conteúdo principal

Dipirona


A dipirona ou metamizol é um medicamento analgésico, antitérmico e antipirético muito popular em boa parte do mundo. No Brasil, o medicamento esta entre as drogas mais populares e consumidas. 
É importante salientar que a dipirona, possui muitos nomes comerciais, como por exemplo, Novalgina, Anador, Baralgin, Magnopyrol, Nofebrin etc, ou seja, em todos esses casos a dipirona é o principio ativo, sendo apenas comercializada sob outras nomenclaturas, já em medicamentos genéricos, utiliza-se o próprio nome (dipirona). O medicamento pode ser encontrado sob a forma de gotas, xarope, comprimidos, supositório ou como solução injetável.


Solução Injetável 
O dipirona gotas, comprimido ou supositório é facilmente encontrado e comercializado nas mais diversas farmácias. Porém quando falamos de solução injetável há outras considerações a fazer. Isso porque é preciso considerar que a administração do medicamento de forma injetável só deve ser feita por orientação medica e por pessoa habilitada para tal função.

Quando for necessário um efeito analgésico de início rápido ou quando a administração por via oral ou retal é contraindicada, recomenda-se a administração por via intravenosa ou intramuscular. Neste caso deve-se considerar que a via parenteral está associada com maior risco de reações anafiláticas/anafilactoides.

Visto que reações de hipotensão após administração da forma injetável podem ser dose-dependentes, a indicação de doses únicas maiores do que 1g de dipirona sódica por via parenteral deve ser cuidadosamente considerada. Para garantir que a administração parenteral de dipirona sódica possa ser interrompida ao primeiro sinal de reação anafilática/anafilactoide e para minimizar o risco de reações hipotensivas isoladas, é necessário que os pacientes estejam deitados e sob supervisão médica. Além disto, como uma medida adicional na prevenção de reações hipotensivas, a administração intravenosa deve ser muito lenta, ou seja, a velocidade de infusão não deve exceder 1mL(500mg de dipirona sódica)/minuto.

Caso a administração parenteral de dipirona sódica seja considerada em crianças entre 3 e 11 meses de idade, deve-se utilizar apenas a via intramuscular.

Para que serve?
Com ação analgésica, antitérmica e antipirética, o dipirona alivia a dor, febre e cólicas. Em geral eles agem bloqueando os estímulos dolorosos antes de chegarem ao cérebro ou interferindo na forma como o cérebro interpreta esses estímulos.

A dipirona é amplamente utilizada em quadros de gripe ou resfriado, seja isoladamente ou em conjunto com outros fármacos, servindo tanto para o controle da febre quanto para as dores no corpo, além disso, estudos mostram que a dipirona tem bons resultados no controle da dor de origem traumática, odontológica, oncológica e pós-operatória, assim como tem boa opção para analgesia nos quadros de enxaqueca e nas cólicas de origem renal, intestinal ou uterina.


Posologia 
A Dipirona não deve ser administrada em altas doses, ou períodos prolongados, sem orientação médica. A princípio, a dose e a via de administração escolhidas dependem do efeito analgésico desejado e das condições do paciente. Em muitos casos, a administração oral ou retal é suficiente para obter analgesia satisfatória. Quando for necessário um efeito analgésico de início rápido ou quando a administração por via oral ou retal é contraindicada, recomenda-se a administração por via intravenosa ou intramuscular. Para todas as formas farmacêuticas, os efeitos analgésico e antipirético são alcançados 30 a 60 minutos após a administração e geralmente duram aproximadamente 4 horas. O tratamento pode ser interrompido a qualquer instante sem provocar danos, inerentes à medicação, ao paciente.

GOTAS (500 mg/ml)
Adultos e adolescentes acima de 15 anos: 20 a 40 gotas em administração única ou até o máximo de 40 gotas 4 vezes ao dia. 
As crianças devem receber dipirona gotas de acordo com seu peso e conforme tabela abaixo:



XAROPE (50 mg/ml)
Adultos e adolescentes acima de 15 anos:  Dose individual de 10 a 20 ml, sendo a dose máxima diária 80 ml (20 ml 4x por dia).

As crianças devem receber dipirona de acordo com seu peso e conforme tabela abaixo:



COMPRIMIDO (500 ou 1000 mg):
Adultos e adolescentes acima de 15 anos: Dose individual de 500 a 1000 mg, sendo a dose máxima diária de 4000 mg (1000 mg 4x por dia).

SUPOSITÓRIO (300 ou 1000 mg):
Crianças com mais de 4 anos (16 kg): Dose individual de 300 mg, sendo a dose máxima diária de 1200 mg (1 supositório de 300 mg 4x por dia).
Adultos e adolescentes acima de 15 anos: Dose individual de 1000 mg, sendo a dose máxima diária de 4000 mg (1 supositório de 1000 mg 4x por dia).

INJETAVEL (intravenosa ou intramuscular)
Adultos e adolescentes acima de 15 anos: em dose única de 2 a 5mL (IV ou IM); dose máxima diária de 10mL. 
Crianças e lactentes: em crianças com idade inferior a 1 ano, dipirona injetável deve ser administrada somente pela via intramuscular. 
As crianças devem receber dipirona injetável conforme seu peso segundo tabela:


Outras considerações 
- Para pacientes diabéticos, recomenda-se a administração de comprimidos ou solução oral (gotas) ao invés de xarope, isso porque os carboidratos contidos em 5 ml de solução oral correspondem a 3,75 g de glicose.
- Conduta necessária caso haja esquecimento de administração: baseando-se nos sintomas, reintroduzir a medicação respeitando sempre os horários e intervalos recomendados. Nunca devem ser administradas duas doses ao mesmo tempo. 

Reações Adversas
A dipirona é um medicamento que costuma provocar poucos efeitos colaterais. Além da possibilidade de reação alérgica, que é comum a todos os outros analgésicos e anti-inflamatórios do mercado, o efeito colateral mais relatado costuma ser a queda da pressão arterial, principalmente nos pacientes desidratados ou com problemas cardíacos descompensados.

Há também relatos de problemas cardíacos, choque anafilático ou reações anafiláticas/anafilactoides, como sintomas cutâneos ou nas mucosas (coceira, ardor, vermelhidão, urticária, inchaço), falta de ar e queixas gastrintestinais, distúrbios no sangue, como anemia aplástica (doença onde a medula produz glóbulos vermelhos em quantidade insuficiente), agranulocitose, pancitopenia e leucopenia (diminuição dos glóbulos brancos) e trombocitopenia (diminuição do número de plaquetas) e insuficiência renal aguda.

Além disso, existe a agranulocitose, situação na qual há uma queda abrupta no número dos granulócitos (neutrófilos, basófilos e eosinófilos), que são algumas formas de glóbulos brancos, células do nosso sistema imunológico responsáveis pelo combate a germes invasores. A agranulocitose induzida pela dipirona, apesar de temporária e reversível, é um quadro potencialmente fatal, pois pode deixar o paciente completamente indefeso contra infecções.

Contraindicações 
- Alergia / intolerância a dipirona ou às pirazolonas ou pirazolidinas (ex. fenazona, propifenazona, fenilbutazona e oxifembutazona);
- Grávidas ou lactantes;
- Função da medula óssea prejudicada;
- Pessoas que já apresentaram broncoespasmo (contração dos brônquios levando ao chiado no peito), urticária, angiodema e outras reações alérgicas a outros analgésicos, como AAS, paracetamol, diclofenaco, ibuprofeno, entre outros;
- Deficiência da enzima glicose-6-fosfato-desidrogenase (G6PD);
- Porfiria hepática (doença metabólica);

- Crianças menores de 3 meses ou que pesam menos de 5 Kg.


CLIQUE AQUI e conheça todos os temas que já postamos ]





Top da Semana

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Sintomas e Tratamentos do Cisto Pilonidal

Cisto Pilonidal é a formação de uma bolsa a partir de qualquer tecido do corpo que pode compreender em seu interior ar, líquido, pus ou outro fluido. O cisto pilonidal é uma doença crônica muito comum, variante do cisto dermoide, e aparece habitualmente na região terminal da coluna vertebral (região sacrococcigiana ou sacrococcígea), conhecida popularmente como cóccix, alguns centímetros acima do ânus.
É muito comum que se encontre cabelos dentro do cisto pilonidal (“ninho de pêlos”), além de fragmentos de pele, glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas. Quando o acúmulo desse material resulta em uma inflamação, dando sinais de infecção e pus, o cisto pilonidal é também chamado de abscesso pilonidal. Apesar de ser conhecido por ocorrer na região do cóccix, o cisto pilonidal também pode surgir nos olhos, nariz, axilas, couro cabeludo e ao redor do umbigo. Acomete mais os homens jovens entre 15 e 30 anos.

Os sintomas do cisto pilonidal só existem quando eles inflamam, nesses casos, os pa…

Doenças e Agravos de Notificação Compulsória

A vigilância epidemiológica tem como finalidade fornecer subsídios para execução de ações de controle de doenças e agravos (informação para a ação) e, devido a isso, necessita de informações atualizadas sobre a ocorrência dos mesmos. A principal fonte destas informações é a notificação de agravos e doenças pelos profissionais de saúde.
A escolha das doenças e agravos de notificação compulsória obedece a critérios como magnitude, potencial de disseminação, transcendência, vulnerabilidade, disponibilidade de medidas de controle, sendo a lista periodicamente revisada, tanto em função da situação epidemiológica da doença, como pela emergência de novos agentes e por alterações no Regulamento Sanitário Internacional. Os dados coletados sobre as doenças de notificação compulsória são incluídos no Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN).
Notificação Compulsória: comunicação obrigatória à autoridade de saúde, realizada pelos médicos, profissionais de saúde ou responsáveis pelos estabel…

Arrumação de leito hospitalar

A técnica tem como função proporcionar repouso, conforto e segurança ao cliente. O cliente (paciente) é o elemento principal de qualquer instituição de saúde. 
Considera-se paciente todo o individuo submetido a tratamento, controle especiais, exames e observações medicas. O paciente procura o hospital quando atingido pela doença, cria nele angustia, inquietação, que leva a exagerar o poder e conhecimento sobre os profissionais que o socorrem, muitas vezes torna-se difícil o tratamento do doente, originando problemas de relacionamento (paciente pessoal).
Quando uma pessoa esta doente, precisa de ajuda para muitas das tarefas que habitualmente realiza sozinha. Parte do trabalho das pessoas que se dedicam, ao cuidado do paciente em um hospital é manter agradável o local que o cerca. Ficar em quarto limpo e com tudo em ordem ajudará o paciente a sentir-se melhor e tornará sua permanência no hospital mais agradável.
O leito é um fator importante na obtenção de repouso e conforto, sendo impres…

Bomba de infusão e os cuidados de enfermagem

A bomba de infusão é indicada para todo o paciente com prescrição de infusão em via parenteral ou enteral, nos casos onde se faz necessária a garantia rigorosa do gotejamento dos medicamentos prescritos. 
A bomba infusora é um dos mais práticos recursos habitualmente disponíveis na UTI e/ou Sala de Emergência, e mesmo em algumas ambulâncias modernas. Permite administrar de maneira confiável os fármacos mais delicados de acordo com dosagens de mg/min ou ml/h.
Normalmente utilizada em pacientes que precisam controle rigoroso do gotejamento, tais como: pacientes com ICC (insuficiência Cardíaca Congestiva), Insuficiência Renal, Neonatos prematuros, tratamento com quimioterápicos, drogas vasoativas para controle pressão arterial, drogas cardiovasculares, anestésicos durante cirurgias, administração de insulinas endovenosa. Cito alguns exemplos de drogas que requerem gotejamento controlado: Dopamina, Dobutamina, Adrenalina, Nitroprussiato de sódio, Noradrenalina, KCL (alguns casos) etc. Infus…