Pular para o conteúdo principal

Síndrome Paraneoplásica


Segundo definição do dicionário, Paraneoplásica pode ser entendida como: “Diz-se de manifestações patológicas, em especial dermatoses, ligadas a um câncer em evolução, mas não diretamente causadas pela proliferação das células malignas”. Já a palavra Neoplasia significa neo = novo + plasia = crescimento, ou seja, “novos crescimentos”. 




As neoplasias são descritas como uma massa anormal de tecido, cujo crescimento é excessivo, descontrolado e persistente, sendo mais conhecida como tumor. Uma neoplasia pode ser benigna ou maligna, sendo que um câncer é uma neoplasia maligna. 

A síndrome paraneoplásica consiste em um conjunto de sinais e sintomas, que antecedem ou ocorrem simultaneamente com a presença de uma neoplasia no organismo, não estando relacionada à metástase. O responsável por esta síndrome são os fatores humorais excretados por células tumorais ou por uma resposta à neoplasia.

Estes fenômenos incluem uma série de condições musculoesqueléticas, cutâneas, endocrinológicas, neurológicas, metabólicas ou hematológicas.

As síndromes paraneoplásicas são raras e, quando ocorrem, geralmente acompanham tumores de pulmão, mama, ovário e retroperitônio. Podem se manifestar de maneiras diversas, acometendo principalmente os sistemas neuromuscular, vascular, ósseo, articular e glandular. Estão relacionadas com a produção, pelo tumor maligno, de substâncias biologicamente ativas e podem preceder, até em anos, a fase clínica do tumor. É importante ressaltar que a síndrome paraneoplásica é fator agravante do prognóstico e que seu controle depende do controle do tumor.

Comumente há maiores incidência em indivíduos de meia-idade e idosos, sendo mais observada em pacientes que possuem câncer de pulmão, ovário, linfoma ou de mama. 

As manifestações clínicas incluem dificuldade de deglutição e deambulação, perda do tônus muscular, perda da coordenação motora fina, fala arrastada, perda de memória, problemas de visão, distúrbios do sono, demência, convulsões, perda de sensibilidade nos membros e tontura.

O objetivo da abordagem das síndromes paraneoplásicas é permitir o diagnóstico precoce da neoplasia, já que o tratamento do tumor é o principal tratamento do quadro neurológico para estabilizar o quadro clínico. As síndromes clínicas são inespecíficas e o diagnóstico diferencial da etiologia deve incluir a investigação das síndromes paraneoplásicas com a pesquisa de anticorpos antineuronais no soro ou no liquor. A detecção desses anticorpos por meio de uma pesquisa ampla por painéis permite o diagnóstico rápido e pode direcionar a conduta quanto à investigação e ao tratamento da neoplasia de base.

O diagnóstico é feito por meio de uma investigação minuciosa, que envolve exames laboratoriais com o intuito de investigar anticorpos paraneoplásicos, ressonância magnética e análise do líquido cefalorraquidiano. Além disso, é necessário fazer o diagnóstico diferencial.

Quando existente, é feito primeiramente o tratamento da neoplasia, com posterior tentativa de diminuição da resposta auto-imune, por meio da administração de cortisona ou prednisona, de imunoglobulina intravenosa, ou por irradiação. Além disso, pode ser realizada a plasmaferese, que pode auxiliar no alívio dos sintomas em indivíduos com a síndrome paraneoplásica afetando o sistema nervoso periférico. Fisioterapia e fonoaudiologia ajudam os pacientes a recuperarem algumas funções.

Os maiores avanços no controle e no diagnóstico das SPNs incluem a detecção de anticorpos antineuronais, a melhora na caracterização das principais síndromes e o uso da tomografia por emissão de pósitrons (PET) para o diagnóstico dos quadros clínicos em  tumores iniciais. Além disso, a definição de um critério diagnóstico facilitou o reconhecimento precoce e o tratamento desses quadros.


Esta síndrome pode dividir-se em quatro categorias principais, como mostra o quadro a seguir:


Categoria
Síndrome
Principal neoplasia associada
Mecanismo de ação
Endócrinas
·         Carcinoma pancreático
·         Tumores neurais
·         Timoma
ACTH ectópico e substâncias semelhantes ao ACTH
·         Neoplasias do CNS
·         Câncer de pulmão (células escamosas)
·         Carcinoma mamário
·         Carcinoma renal
·         Mieloma múltiplo
·         Leucemia de célula T/Linfoma
·         Carcinoma ovariano
PTHrP (Proteína relacionada ao hormônio paratireóideo), TGF-αTNFIL-1
·         Fibrosarcoma
·         Outros sarcomas mesenquimais
·         Insulinoma
·         Carcinoma hepatocelular
Insulina ou substâncias semelhantes à insulina ou "big" IGF-II
·         Adenoma bronquial (tipo carcinoide)
·         Carcinoma pancreático
·         Carcinoma gástrico
Ver síndromes paraneoplásicas hematológicas
·         Adenoma adrenal / Síndrome de Conn
·         Linfoma Não-Hodgkin
·         Carcinoma ovariano
Neurológicas
Imunológico
·         Neoplasia ovariana
·         Carcinoma mamário
Inflamação do cérebro e medula espinal
Opsoclonia-Mioclonia paraneoplásica
·         Carcinoma mamário
·         Carcinoma ovariano
·         Carcinoma pulmonar de células pequenas
·         Neuroblastoma (em crianças)
Reação autoimune contra a proteína RNA-binding Nova-1
·         Teratoma
Reação autoimune contra subunidades do receptor-NMDA
·         Linfoma Não-Hodgkin
·         Neoplasias pulmonares
·         Neoplasias de bexiga
Mucocutâneas
·         Carcinoma gástrico
·         Carcinoma pulmonar
·         Carcinoma uterino
·         Imunológico
·         Secreção de EGF
·         Carcinoma broncogênico
·         Carcinoma mamário
·         Neoplasia ovariana
·         Neoplasia pancreática
·         Neolasia estomacal
·         Neoplasia coloretal
·         Linfoma Não-Hodgkin
Imunológico
Hematológicas
·         Carcinoma renal
·         Hemangioma cerebelar
·         Carcinoma hepatocelular
·         Carcinoma pancreático
·         Carcinoma broncogênico
Mucinas que ativam a coagulação, outras
·         Neoplasias avançadas
·         Timomas
Desconhecido
Outras
·         Variados
·         Antígenos tumorais
·         Imunocomplexos
·         Hemangiopericitoma
·         Tumor mesenquimal fosfatúrico
·         FGF-23
·         Carcinoma renal




CLIQUE AQUI e conheça todos os temas que já postamos ]


Top da Semana

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…

Febre Chikungunya

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus.
Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Porém, a grande diferença da febre chikungunya está no seu acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

A febre chikungunya teve seu vírus isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela recebeu esse nome, pois chikungunya significa "aqueles que se dobram" no dialeto Makonde da Tanzânia, termo este usado para designar aqueles que sofriam com o mal. A doença, apesar de pouco letal, é muito limitante. O paciente tem dificuldade de movimentos e locomoção por causa das articulações inflamadas e doloridas, daí o "andar cur…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Instrumentação cirúrgica

Umas das principais frases que o instrumentador cirúrgico adora ouvir é: “Vamos entrar em campo”. O Instrumentador é fundamental para realização de uma cirurgia, e está presente desde o paciente mais compreensivo ao mais difícil de se fazer entender, desde a cirurgia mais simples até a mais complexa.
Mais do que conhecer os materiais específicos utilizados em cada tipo de operação, é fundamental que o instrumentador cirúrgico tenha bom relacionamento com os profissionais que estão à sua volta e seja comprometido com o trabalho para garantir o dia-a-dia na atividade.
O comprometimento vai muito além de montar a mesa cirúrgica e alcançar pinças ou segurar afastadores, é comprometimento com a vida de quem está ali aos cuidados da equipe cirúrgica, confiando que o cirurgião fará o seu melhor para garantir o sucesso do procedimento, porém isso não depende apenas dele. Depende também da atenção de quem o acompanha durante o ato, um instrumentador ágil, comprometido e atento ao procedimento, c…