<data:blog.pageTitle/> <data:blog.pageName/> | Enfermagem a Profissão do Cuidar

Síndrome Paraneoplásica

Segundo definição do dicionário, Paraneoplásica pode ser entendida como: “ Diz-se de manifestações patológicas, em especial dermatoses...


Segundo definição do dicionário, Paraneoplásica pode ser entendida como: “Diz-se de manifestações patológicas, em especial dermatoses, ligadas a um câncer em evolução, mas não diretamente causadas pela proliferação das células malignas”. Já a palavra Neoplasia significa neo = novo + plasia = crescimento, ou seja, “novos crescimentos”. 




As neoplasias são descritas como uma massa anormal de tecido, cujo crescimento é excessivo, descontrolado e persistente, sendo mais conhecida como tumor. Uma neoplasia pode ser benigna ou maligna, sendo que um câncer é uma neoplasia maligna. 

A síndrome paraneoplásica consiste em um conjunto de sinais e sintomas, que antecedem ou ocorrem simultaneamente com a presença de uma neoplasia no organismo, não estando relacionada à metástase. O responsável por esta síndrome são os fatores humorais excretados por células tumorais ou por uma resposta à neoplasia.

Estes fenômenos incluem uma série de condições musculoesqueléticas, cutâneas, endocrinológicas, neurológicas, metabólicas ou hematológicas.

As síndromes paraneoplásicas são raras e, quando ocorrem, geralmente acompanham tumores de pulmão, mama, ovário e retroperitônio. Podem se manifestar de maneiras diversas, acometendo principalmente os sistemas neuromuscular, vascular, ósseo, articular e glandular. Estão relacionadas com a produção, pelo tumor maligno, de substâncias biologicamente ativas e podem preceder, até em anos, a fase clínica do tumor. É importante ressaltar que a síndrome paraneoplásica é fator agravante do prognóstico e que seu controle depende do controle do tumor.

Comumente há maiores incidência em indivíduos de meia-idade e idosos, sendo mais observada em pacientes que possuem câncer de pulmão, ovário, linfoma ou de mama. 

As manifestações clínicas incluem dificuldade de deglutição e deambulação, perda do tônus muscular, perda da coordenação motora fina, fala arrastada, perda de memória, problemas de visão, distúrbios do sono, demência, convulsões, perda de sensibilidade nos membros e tontura.

O objetivo da abordagem das síndromes paraneoplásicas é permitir o diagnóstico precoce da neoplasia, já que o tratamento do tumor é o principal tratamento do quadro neurológico para estabilizar o quadro clínico. As síndromes clínicas são inespecíficas e o diagnóstico diferencial da etiologia deve incluir a investigação das síndromes paraneoplásicas com a pesquisa de anticorpos antineuronais no soro ou no liquor. A detecção desses anticorpos por meio de uma pesquisa ampla por painéis permite o diagnóstico rápido e pode direcionar a conduta quanto à investigação e ao tratamento da neoplasia de base.

O diagnóstico é feito por meio de uma investigação minuciosa, que envolve exames laboratoriais com o intuito de investigar anticorpos paraneoplásicos, ressonância magnética e análise do líquido cefalorraquidiano. Além disso, é necessário fazer o diagnóstico diferencial.

Quando existente, é feito primeiramente o tratamento da neoplasia, com posterior tentativa de diminuição da resposta auto-imune, por meio da administração de cortisona ou prednisona, de imunoglobulina intravenosa, ou por irradiação. Além disso, pode ser realizada a plasmaferese, que pode auxiliar no alívio dos sintomas em indivíduos com a síndrome paraneoplásica afetando o sistema nervoso periférico. Fisioterapia e fonoaudiologia ajudam os pacientes a recuperarem algumas funções.

Os maiores avanços no controle e no diagnóstico das SPNs incluem a detecção de anticorpos antineuronais, a melhora na caracterização das principais síndromes e o uso da tomografia por emissão de pósitrons (PET) para o diagnóstico dos quadros clínicos em  tumores iniciais. Além disso, a definição de um critério diagnóstico facilitou o reconhecimento precoce e o tratamento desses quadros.


Esta síndrome pode dividir-se em quatro categorias principais, como mostra o quadro a seguir:


Categoria
Síndrome
Principal neoplasia associada
Mecanismo de ação
Endócrinas
·         Carcinoma pancreático
·         Tumores neurais
·         Timoma
ACTH ectópico e substâncias semelhantes ao ACTH
·         Neoplasias do CNS
·         Câncer de pulmão (células escamosas)
·         Carcinoma mamário
·         Carcinoma renal
·         Mieloma múltiplo
·         Leucemia de célula T/Linfoma
·         Carcinoma ovariano
PTHrP (Proteína relacionada ao hormônio paratireóideo), TGF-αTNFIL-1
·         Fibrosarcoma
·         Outros sarcomas mesenquimais
·         Insulinoma
·         Carcinoma hepatocelular
Insulina ou substâncias semelhantes à insulina ou "big" IGF-II
·         Adenoma bronquial (tipo carcinoide)
·         Carcinoma pancreático
·         Carcinoma gástrico
Ver síndromes paraneoplásicas hematológicas
·         Adenoma adrenal / Síndrome de Conn
·         Linfoma Não-Hodgkin
·         Carcinoma ovariano
Neurológicas
Imunológico
·         Neoplasia ovariana
·         Carcinoma mamário
Inflamação do cérebro e medula espinal
Opsoclonia-Mioclonia paraneoplásica
·         Carcinoma mamário
·         Carcinoma ovariano
·         Carcinoma pulmonar de células pequenas
·         Neuroblastoma (em crianças)
Reação autoimune contra a proteína RNA-binding Nova-1
·         Teratoma
Reação autoimune contra subunidades do receptor-NMDA
·         Linfoma Não-Hodgkin
·         Neoplasias pulmonares
·         Neoplasias de bexiga
Mucocutâneas
·         Carcinoma gástrico
·         Carcinoma pulmonar
·         Carcinoma uterino
·         Imunológico
·         Secreção de EGF
·         Carcinoma broncogênico
·         Carcinoma mamário
·         Neoplasia ovariana
·         Neoplasia pancreática
·         Neolasia estomacal
·         Neoplasia coloretal
·         Linfoma Não-Hodgkin
Imunológico
Hematológicas
·         Carcinoma renal
·         Hemangioma cerebelar
·         Carcinoma hepatocelular
·         Carcinoma pancreático
·         Carcinoma broncogênico
Mucinas que ativam a coagulação, outras
·         Neoplasias avançadas
·         Timomas
Desconhecido
Outras
·         Variados
·         Antígenos tumorais
·         Imunocomplexos
·         Hemangiopericitoma
·         Tumor mesenquimal fosfatúrico
·         FGF-23
·         Carcinoma renal





Nome

Auditoria,8,Centro Cirúrgico,20,Dicas de Saúde,13,Doenças,34,Medicamentos,25,Publieditorial,5,Relacionados à Enfermagem,100,Relacionados à Saúde,120,Técnicas de Enfermagem,37,
ltr
item
Enfermagem: Síndrome Paraneoplásica
Síndrome Paraneoplásica
https://2.bp.blogspot.com/-9neN-dF89Lc/WW6Dcu81PlI/AAAAAAAAEnc/gnlToHFc8kMOnVCXmOKgn4qtN4jAf-4-wCLcBGAs/s400/sindrome-paraneoplasica.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-9neN-dF89Lc/WW6Dcu81PlI/AAAAAAAAEnc/gnlToHFc8kMOnVCXmOKgn4qtN4jAf-4-wCLcBGAs/s72-c/sindrome-paraneoplasica.jpg
Enfermagem
https://www.enfermagemnovidade.com.br/2017/07/sindrome-paraneoplasica.html
https://www.enfermagemnovidade.com.br/
https://www.enfermagemnovidade.com.br/
https://www.enfermagemnovidade.com.br/2017/07/sindrome-paraneoplasica.html
true
7506902372674157562
UTF-8
Carregar todas as postagens Nenhum post encontrado VER TUDO Continuar lendo Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTAGENS VER TUDO RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODAS AS POSTAGENS Nenhuma postagem encontrada Página Inicial Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Oot Nov Dez Aagora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir CONTEÚDO PREMIUM BLOQUEADO PASSO 1: Compartilhe nas redes sociais PASSO 2: Click no link da sua rede social Copiar todo o código Selecionar todo o código Copiado para área de transferência Não pode copiar códigos / textos, pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C no Mac) para copiar