Pular para o conteúdo principal

Cloridrato de Amiodarona (antiarrítmico - classe III)

O Cloridrato de Amiodarona atua no coração, controlando as alterações dos batimentos cardíacos, as chamadas “arritmias cardíacas”. 
É indicado para o controle das seguintes arritmias: arritmias ventriculares; arritmias supraventriculares (flutter atrial, fibrilação atrial, taquicardia supraventricular); alterações do ritmo cardíaco associadas à síndrome de Wolff-Parkinson-White.

Nome comercial: 
Amiobal, Ancoron, Atlansil, Miodaron

Apresentação: 
Comprimidos de 100mg ou 200mg. Frascos de 30ml de solução. Ampolas com 3ml de solução injetável.


Dose:
A dose e o uso deste medicamento devem ser sempre orientados pelo médico. 

Dose inicial de ataque: A dose de ataque usual varia de 600 a 1000 mg ao dia durante 8 a 10 dias.
Dose de manutenção: Determinar a dose mínima eficaz, que pode variar de 100 a 400 mg diários.

Considerando a longa meia-vida da amiodarona, o tratamento pode ser administrado em dias alternados (200 mg em dias alternados quando a posologia recomendada é de 100 mg por dia). Também tem sido adotado o esquema de “janela terapêutica”, administrando-se o medicamento durante 5 dias e instituindo intervalo de 2 dias sem medicação.

Cuidados de enfermagem (No ambiente Hospitalar):
- O uso da medicação deve ter início no hospital e sob monitorização contínua por ECG, devido ao início ser lento e o risco de arritmias. Instrua o paciente a tomar a medicação conforme recomendado (prescrição médica) e não interromper o tratamento, sem o conhecimento do médico, ainda que melhore.
- A medicação não deve ser usada em criança, nem durante a gestação ou lactação. Recomenda-se cautela também nos casos de ICC, disfunções tiróidianas e doença pulmonar ou hepática grave.
- Informe ao paciente (e/ou familiares) as reações adversas mais frequentes relacionadas ao uso da medicação e que, diante a ocorrência de qual que uma delas, principalmente aqueles incomuns ou intoleráveis, o medico devera ser comunicado imediatamente. 
- Recomende que o paciente verifique diariamente o pulso e, que diante de quaisquer alterações significativas, comunique imediatamente ao médico.
- Recomende ao paciente o uso de protetor solar e de roupas mais adequadas para evitar as reações de fotossensibilidade, durante a terapia.
- Recomende que o paciente informe ao médico o esquema de medicação anterior ao tratamento ou á cirurgia.
- Pode causar tontura.
- Recomende ao paciente que evite o uso de qualquer outra droga ou medicação, sem o conhecimento do médico.
- Enfatize para o paciente a importância da realização regular dos exames de acompanhamento para determinar o efeito do tratamento e monitorar os efeitos colaterais.
- No início da terapia ou durante o ajuste da dose, monitore: a PA, frequência e o ritmo cardíaco e, diante de qualquer alteração comunique ao médico imediatamente.
- Durante a terapia, monitore: a função pulmonar, possíveis sinais de pneumonite, dispnéia, tosse não-produtiva e pleurite. Imprescindível monitorar a função cardíaca.
- VO: a medicação deve ser administrada durante as refeições, para diminuir a tolerância GI.

Atenção: Se você faz uso desta medicação, NAO indique esta medicação para pessoas que apresentem sintomas iguais aos seus, pois
este pode não ser o tratamento adequado e poderá causar danos sérios à saúde. Só o médico pode avaliar e indicar o tratamento correto. 



Fonte Imagens: Google



Top da Semana

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Sintomas e Tratamentos do Cisto Pilonidal

Cisto Pilonidal é a formação de uma bolsa a partir de qualquer tecido do corpo que pode compreender em seu interior ar, líquido, pus ou outro fluido. O cisto pilonidal é uma doença crônica muito comum, variante do cisto dermoide, e aparece habitualmente na região terminal da coluna vertebral (região sacrococcigiana ou sacrococcígea), conhecida popularmente como cóccix, alguns centímetros acima do ânus.
É muito comum que se encontre cabelos dentro do cisto pilonidal (“ninho de pêlos”), além de fragmentos de pele, glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas. Quando o acúmulo desse material resulta em uma inflamação, dando sinais de infecção e pus, o cisto pilonidal é também chamado de abscesso pilonidal. Apesar de ser conhecido por ocorrer na região do cóccix, o cisto pilonidal também pode surgir nos olhos, nariz, axilas, couro cabeludo e ao redor do umbigo. Acomete mais os homens jovens entre 15 e 30 anos.

Os sintomas do cisto pilonidal só existem quando eles inflamam, nesses casos, os pa…

Doenças e Agravos de Notificação Compulsória

A vigilância epidemiológica tem como finalidade fornecer subsídios para execução de ações de controle de doenças e agravos (informação para a ação) e, devido a isso, necessita de informações atualizadas sobre a ocorrência dos mesmos. A principal fonte destas informações é a notificação de agravos e doenças pelos profissionais de saúde.
A escolha das doenças e agravos de notificação compulsória obedece a critérios como magnitude, potencial de disseminação, transcendência, vulnerabilidade, disponibilidade de medidas de controle, sendo a lista periodicamente revisada, tanto em função da situação epidemiológica da doença, como pela emergência de novos agentes e por alterações no Regulamento Sanitário Internacional. Os dados coletados sobre as doenças de notificação compulsória são incluídos no Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN).
Notificação Compulsória: comunicação obrigatória à autoridade de saúde, realizada pelos médicos, profissionais de saúde ou responsáveis pelos estabel…

Arrumação de leito hospitalar

A técnica tem como função proporcionar repouso, conforto e segurança ao cliente. O cliente (paciente) é o elemento principal de qualquer instituição de saúde. 
Considera-se paciente todo o individuo submetido a tratamento, controle especiais, exames e observações medicas. O paciente procura o hospital quando atingido pela doença, cria nele angustia, inquietação, que leva a exagerar o poder e conhecimento sobre os profissionais que o socorrem, muitas vezes torna-se difícil o tratamento do doente, originando problemas de relacionamento (paciente pessoal).
Quando uma pessoa esta doente, precisa de ajuda para muitas das tarefas que habitualmente realiza sozinha. Parte do trabalho das pessoas que se dedicam, ao cuidado do paciente em um hospital é manter agradável o local que o cerca. Ficar em quarto limpo e com tudo em ordem ajudará o paciente a sentir-se melhor e tornará sua permanência no hospital mais agradável.
O leito é um fator importante na obtenção de repouso e conforto, sendo impres…

Bomba de infusão e os cuidados de enfermagem

A bomba de infusão é indicada para todo o paciente com prescrição de infusão em via parenteral ou enteral, nos casos onde se faz necessária a garantia rigorosa do gotejamento dos medicamentos prescritos. 
A bomba infusora é um dos mais práticos recursos habitualmente disponíveis na UTI e/ou Sala de Emergência, e mesmo em algumas ambulâncias modernas. Permite administrar de maneira confiável os fármacos mais delicados de acordo com dosagens de mg/min ou ml/h.
Normalmente utilizada em pacientes que precisam controle rigoroso do gotejamento, tais como: pacientes com ICC (insuficiência Cardíaca Congestiva), Insuficiência Renal, Neonatos prematuros, tratamento com quimioterápicos, drogas vasoativas para controle pressão arterial, drogas cardiovasculares, anestésicos durante cirurgias, administração de insulinas endovenosa. Cito alguns exemplos de drogas que requerem gotejamento controlado: Dopamina, Dobutamina, Adrenalina, Nitroprussiato de sódio, Noradrenalina, KCL (alguns casos) etc. Infus…