Pular para o conteúdo principal

Diazepam – Posologia, indicação, bula


Primeiramente é importante dizer que o diazepam só deve ser utilizado com prescrição médica, uma vez que, o remédio é controlado (faixa preta) e deve ser prescrito na dosagem certa para cada caso.  O diazepam (substancia ativa) faz parte de um grupo de medicamentos chamado benzodiazepínicos, é um sedativo e também exerce efeito contra ansiedade e convulsões, além disso, também atua como relaxante muscular.  A ação do medicamento ocorre cerca de 20 minutos de sua administração. Este medicamento pode ser administrado por via oral (comprimidos) ou injetável.


Indicação
O diazepam é indicado para alívio sintomático da ansiedade, tensão e outras queixas somáticas ou psicológicas associadas com a síndrome da ansiedade, também é usado como coadjuvante no tratamento da ansiedade ou agitação associada a desordens psiquiátricas, no alívio do espasmo muscular reflexo devido a traumas locais (lesão, inflamação e no tratamento da espasticidade devida a lesão dos interneurônios espinhais e supra espinhais tal como ocorre na paralisia cerebral e paraplegia, assim como na atetose e na síndrome rígida. Os benzodiazepínicos são indicados apenas para desordens intensas, desabilitantes ou para dores extremas. O diazepam só deve ser utilizado quando prescrito por seu médico.


Posologia 
A posologia deve ser individualizada. O tratamento deve ser iniciado com a menor dose apropriada eficaz para a condição particular. As doses orais usuais para adultos se iniciam com 5 – 10mg, dependendo da gravidade dos sintomas, o médico poderá recomendar doses de 5 - 20mg/dia. A duração do tratamento deve ser a menor possível, sendo que não deve exceder 2 à 3 meses, incluindo o período de retirada progressiva. A extensão além desse limite poderá ser feita após reavaliação da situação.  
O diazepam injetável é usado apenas em hospitais, sendo que a dose padrão utilizada para adultos e adolescentes depende da gravidade, do tipo de sintomas e do peso corporal. 
Pacientes idosos ou com distúrbios de funcionamento do fígado devem receber doses menores. 

Contraindicações, Advertências e Precauções 
Este medicamento é contraindicado para alérgicos ao principio ativo diazepam ou a qualquer componente da fórmula do produto. Além disso, deve ser evitado ou usado com precaução por pessoas com:
- Glaucoma de ângulo agudo (aumento da pressão intraocular);
- Miastenia gravis (doença que causa fraqueza e fadiga muscular), por causa do relaxamento muscular preexistente;
- Insuficiência grave dos pulmões ou do fígado e síndrome da apneia do sono (paradas respiratórias durante o sono);
- Menos de 12 anos de idade;
- O diazepam possui lactose em sua composição, assim intolerantes à galactose (a deficiência Lapp de lactase ou má absorção de glicose-galactose) não devem tomar esta medicação sem orientação médica;
- Gravidas e lactantes não devem utilizar este medicamento sem orientação médica. O diazepam passa para o leite materno, podendo causar sonolência e prejudicar a sucção da criança.

Interações Medicamentosas 
Não tome bebidas alcoólicas enquanto estiver em tratamento com diazepam, essa utilização concomitante tem potencial para aumentar os efeitos clínicos de diazepam, incluindo possivelmente sedação grave, depressão cardiovascular e/ou respiratória, clinicamente relevantes. Uma exceção à dependência de álcool é o gerenciamento das reações agudas de retirada. 
Não use e não misture remédios por conta própria, o diazepam influenciar ou sofrer influência de outros medicamentos, quando são administrados ao mesmo tempo. Caso esteja utilizando algum dos medicamentos ou substâncias mencionados a seguir, informe ao seu medico, uma vez que podem ocorrer interações.
1. Qualquer outro medicamento para o tratamento de doenças do sistema nervoso, incluindo tranquilizantes, sedativos, medicamentos para dormir, medicamentos contra convulsões, entre outros; 
2. Medicamentos para o tratamento de doenças do estômago: cisaprida, cimetidina e omeprazol; 
3. Antimicóticos (ou antifúngicos) administrados por via oral, como o cetoconazol. 
São recomendadas doses menores para pacientes com insuficiência respiratória crônica, por causa do risco de depressão respiratória. 
Devem ser usadas pequenas doses em pacientes idosos e debilitados. Devem ser observadas as precauções usuais no caso de pacientes com comprometimento da função renal ou hepática. 

Reações adversas 
Inquietude, agitação, irritabilidade, agressividade, ilusão, raiva, pesadelos, alucinações, psicoses, comportamento inadequado e outros efeitos adversos comportamentais, podem ocorrer com o uso de benzodiazepínicos, sendo mais prováveis em crianças e idosos. Além disso, os benzodiazepínicos podem induzir a amnésia anterógrada (incapacidade de reter fatos novos na memória, após a ingestão do benzodiazepínico), esta pode ocorrer com o uso de doses terapêuticas, e com risco aumentado em doses maiores.  
Efeitos de habilidade e atenção sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas podem ser comprometidos durante o tratamento.
O diazepam pode provocar cansaço, sonolência e relaxamento muscular, ataxia (desequilíbrio), disartria (dificuldade para falar), fala enrolada, dor de cabeça, tremores, tontura.
Muito raramente pode ocorrer icterícia e/ou frequência cardíaca irregular, aumento da fosfatase alcalina sanguínea e transaminases aumentadas. 
A administração intramuscular de diazepam injetável, ocasionalmente pode provocar dor local e vermelhidão na região da aplicação.

Abstinência ou Dependência 
O uso de benzodiazepínicos e similares pode levar ao desenvolvimento de dependência física ou psíquica, esse risco aumenta com a dose e duração do tratamento e em pacientes com história de abuso de drogas e/ou álcool. Quando ocorre dependência física, a retirada abrupta do tratamento será acompanhada de sintomas de abstinência como: dores de cabeça, dores musculares, ansiedade extrema, tensão, inquietude, confusão e irritabilidade. Em casos graves, podem ocorrer sintomas como despersonalização, desrealização, aumento da sensibilidade auditiva, dormência e sensibilidade nas extremidades, hipersensibilidade à luz, a barulho e a contato físico, alucinações ou convulsões. Como o risco de abstinência e rebote (reaparecimento temporário dos sintomas) é maior quando a descontinuação do tratamento é abrupta, é recomendado que a dosagem seja reduzida gradualmente.  

Superdosagem
A superdose de benzodiazepínicos, em geral, se manifesta por depressão do sistema nervoso central, em graus variáveis, desde sonolência, ataxia (falta de coordenação motora), disartria (dificuldades na fala) e nistagmo (movimentos anormais dos olhos). Coma, hipotensão (pressão baixa), depressão respiratória e diminuição dos reflexos podem ocorrer, mas são clinicamente tratáveis e reversíveis, se diazepam tiver sido ingerido sozinho. 






Top da Semana

Oxímetro de Pulso

oxímetro de pulso é um dispositivo médico que mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que o sangue está transportando. Trata-se de uma monitorização não invasiva da saturação de oxigênio do sangue arterial.
O nível de oxigênio mensurado com um oxímetro é chamado de nível de saturaçãode oxigênio (abreviado como O2sat ou SaO2). A SaO2 é a porcentagem de oxigênio que seu sangue está transportando, comparada com o máximo da sua capacidade de transporte. O padrão de normalidade varia entre 90 - 100% de SpO2.


O Oxímetro substitui a necessidade de Gasometria Arterial?
O oxímetro mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que é transportada pelo sangue, e não é invasivo. Já a gasometria arterial é um procedimento invasivo e mensura diretamente tanto a quantidade de oxigênio transportada pelo sangue quanto a de gás carbônico (dióxido de carbono). 
Material necessário para instalação do Oxímetro: Equipamento: Oxímetro de pulso;Sensor adulto ou infantil (permanente ou descartável);Álcool…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Cuidados com a Gastrostomia

Gastrostomia e jejunostomia são procedimentos cirúrgicos para a fixação de uma sonda alimentar. Um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno, objetivando uma comunicação entre a cavidade do estômago e a parede do abdômen.
O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e "porcionamento" da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.
A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…