Pular para o conteúdo principal

Ressonância Magnética: Para que serve?


A ressonância magnética é um exame de diagnóstico por imagem que consegue criar imagens de alta definição dos órgãos internos através da utilização de campo magnético.

A agitação das moléculas gerada pelo campo é captada pelo aparelho e transferido para um computador que foi preparado com uma série de fórmulas matemáticas e com isso, o resultado dos cálculos é decodificado em imagem, sem prejuízo ao paciente.

A ressonância magnética não utiliza radiação, porém uma vez que o aparelho tem um potente campo magnético é preciso tomar cuidado para não utilizar elementos metálicos durante o exame como: jóias, objetos metálicos, maquiagem e placas utilizadas por ortopedistas para fixação dos ossos ou até mesmo marcapassos mais antigos.

Trata-se de um exame de imagem, não invasivo (isto é, não precisa de intervenção cirúrgica, inserção de cateteres, agulhas, etc), e que em determinados casos precisa ser feito com contraste.

O contraste geralmente é aplicado por uma veia, e serve para destacar determinadas regiões, de modo que elas apareçam melhor no exame, para facilitar o diagnóstico.




O exame é realizado com o paciente deitado, dentro de uma espécie de “tubo” que emitirá as ondas necessárias para captar as informações essenciais do exame.

Estas “ondas” consistem em um campo eletromagnético, que é capaz de produzir imagens de alta definição sobre o órgão (ou estruturas em conjunto) desejado.

O tempo de exame varia muito conforme a estrutura que se quer atingir, durando em média entre 15 e 45 minutos. Pacientes muito agitados, ou claustrofóbicos, deverão avisar o médico antes da realização do exame, para que este possa tomar condutas adequadas.


QUANDO É RECOMENDADO?

Ortopedia: o exame é muito utilizado na ortopedia por fornecer dados precisos sobre ossos, cartilagens e articulações.
Imagem cerebral: a ressonância consegue fornecer dados fantásticos sobre as estruturas do cérebro, podendo ser utilizada em traumas, AVE, e tumores.

Nódulos e tumores em geral: pela característica do tecido tumoral, o exame capta e informa a presença deste em diversos órgãos. Tanto é que a ressonância (juntamente com a biópsia), pode ser utilizada para diagnóstico de tumores e neoplasias.
Avaliação do pescoço: em doenças da tireóide, suspeita de tumores, e até mesmo na apnéia do sono, o exame pode ser solicitado.
Avaliação do tórax: em doenças do pulmão e suas estruturas, a ressonância também poderá ser pedida.

Investigações no abdomen: além dos tumores já comentados anteriormente, uma ressonância magnética do abdômen pode indicar a presença de infecções, lesões, e até mesmo a quantificação de ferro do fígado.
Estas são apenas algumas das situações em que se é recomendada uma ressonância magnética. 

RECOMENDAÇÕES PRÉ E PÓS PROCEDIMENTO

Diferente de outros exames, não existem preocupações antes do exame!
Não é preciso suspender medicações;
Não é preciso jejum;
Não existem restrições alimentares.



Precauções antes do exame: 

Retirada de objetos metálicos: estes, poderão interferir no funcionamento do exame.
Presença de marca-passo: funciona da mesma forma dos objetos metálicos.
Implantes auditivos: também poderão interferir no exame.
Presença de pinos, próteses e órteses, e também tatuagens feitas com tinta metálica.
Depois do exame, o paciente não precisa se preocupar pois não existem efeitos colaterais, e este poderá voltar para casa após a realização e continuar a realizar suas atividades diárias normalmente!

Top da Semana

Nervo Ciático inflamado: Causas, Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

O nervo ciático (ou isquiático) é o mais longo e espesso do corpo humano. Ele se origina no plexo lombo sacro, ou seja, na região lombar e é formado por diversas ramificações que se ligam às ultimas vértebras e à base da coluna vertebral e atravessam o quadril, os glúteos, a coxa, o joelho e o tornozelo.
Quando chega na metade do fêmur, o maior osso da coxa, o ciático se divide em fibular e tibial, que são ramificações que seguem pela perna.
A dor ciática caracteriza-se como uma dor persistente, semelhante a pequenos choques elétricos, sentida ao longo do trajeto do nervo ciático (coluna lombar, região posterior da coxa, pernas e pés). Pode vir acompanhada de formigamento, dormência ou fraqueza muscular no membro afetado e piora com o movimento. Nos casos mais graves, pode haver dificuldade para caminhar.

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…

Acesso venoso periférico: Técnica, Estabilização e tipo de Curativo

A punção venosa periférica é certamente o procedimento mais realizado nos atendimentos de emergências, além de ser o procedimento invasivo mais comum realizado pela enfermagem. Pelo menos 90% dos pacientes hospitalizados necessitam, em algum momento de um acesso venoso para realização de terapia intravenosa.
É a via de administração de medicação diretamente nas veias, nela é possível fazer medicação em grande quantidade e aquelas que pela via oral não são possíveis de administrar. São dois tipos: acesso venoso periférico, que é a inserção de um cateter nos membros (braço, mão, perna, etc.) e acesso venoso central, este é utilizado em pacientes que necessitam de grandes quantidades de medicamento e soro - é uma via calibrosa para infusão de algumas medicações específicas, como quimioterapia, dieta parenteral.

Acesso venoso periférico (membros):
O acesso venoso periférico pode ser puncionado por enfermeiros, técnicos de enfermagem e médicos. As vias de acesso preferenciais são as veias dos…