Pular para o conteúdo principal

Erisipela - Sintomas, Diagnóstico e Tratamento


A Erisipela é uma infecção cutânea, ou seja, na pele. Geralmente é causada pela bactéria Streptcoccus pyogenes do grupo A, mas pode também ser causada por Haemophilus influenzae tipo B. A bactéria penetra na pele através de um pequeno ferimento (picada de inseto, frieiras, micoses de unha, etc.) e vai se disseminando pelos vasos linfáticos podendo atingir o tecido subcutâneo e o gorduroso.


Na grande maiorias dos casos, a lesão tem limites bem definidos e é mais comum nos membros inferiores. Porém, apesar de menos frequente, pode se localizar também na face (associada a dermatite seborreica).


Pessoas com excesso de peso, diabetes não compensada, insuficiência venosa nos membros inferiores, cardiopatia, nefropatia, imunossuprimidos e doenças crônicas debilitantes, constituem grupo de risco.
Crianças entre 2 a 6 anos e adultos com idade superior a 60 também são mais vulneráveis, devido às baixas defesas do nosso sistema autoimune, o que torna o corpo suscetível a qualquer doença.




SINTOMAS

Um dos primeiros sintomas e o mais visível são manchas vermelhas, inchadas e doloridas no membro afetado. Mas ainda podem ocorrer mal-estar generalizado, febre, náuseas, bolhas, dor localizada e calafrios. Quando a infecção acontece no rosto ocorre um inchaço e vermelhidão inclusive no nariz, bochechas e orelha.


Quando há bolhas no local afetado, a erisipela é conhecida como bolhosa. Isso acontece quando a infecção também é provocada por outras bactérias como Staphylococcus aureus, e pode ser necessário fazer o tratamento com antibióticos diferentes dos da erisipela normal.


DIAGNOSTICO


O diagnostico da Erisipela é essencialmente clinico, uma vez que, as características são bem definidas e visíveis. É importante relatar doenças crônicas ou algum pequeno acidente, para identificar a causa da doença e o tratamento correto.


Pode ser solicitado uma biópsia e exame de cultura, mas esse não é um procedimento comum.


É muito importante salientar que, aos primeiros sintomas deve-se procurar o medico, pois quanto antes começar o tratamento menos chances de complicações.

TRATAMENTO


Em sua fase inicial, a erisipela é tratada com antibióticos orais, repouso e elevação do membro afetado por pelo menos duas semanas. Esses procedimentos, são normalmente suficientes para regressão do processo infeccioso (em condições físicas favoráveis). A resposta é mais rápida, quando é ministrada penicilina por via intramuscular (benzetacil).


No caso de erisipela bolhosa, além do uso de antibióticos específicos, deve-se utilizar cremes na pele afetada, que geralmente contenham ácido fusídico ou sulfadiazina de prata em sua composição.
Siga rigorosamente o tratamento evitando assim, crises de repetição e consequências mais graves;

COMO PREVENIR

Enxugue bem o vão entre os dedos dos pés para evitar a proliferação de fungos;
Use meias elásticas para reduzir o edema das pernas;
Mantenha o peso controlado;


Use hidratante nos pés para evitar o ressecamento da pele.
Trate qualquer doença de pele que tiver.


Evite calçados apertados e desconfortáveis para evitar bolhas.


O portador de diabetes (compensada ou não) pode perder parte da sensibilidade nos pés, o que os torna mais suscetíveis a ferimentos e infecções pelo estreptococo. Se não conseguir examiná-los sozinho, pelo menos uma vez por semana, peça ajuda para verificar se não há sinal de micose entre os dedos, bolhas, pequenos cortes ou calosidades que possam transformar-se em porta de entrada para bactérias. 



Top da Semana

Nervo Ciático inflamado: Causas, Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

O nervo ciático (ou isquiático) é o mais longo e espesso do corpo humano. Ele se origina no plexo lombo sacro, ou seja, na região lombar e é formado por diversas ramificações que se ligam às ultimas vértebras e à base da coluna vertebral e atravessam o quadril, os glúteos, a coxa, o joelho e o tornozelo.
Quando chega na metade do fêmur, o maior osso da coxa, o ciático se divide em fibular e tibial, que são ramificações que seguem pela perna.
A dor ciática caracteriza-se como uma dor persistente, semelhante a pequenos choques elétricos, sentida ao longo do trajeto do nervo ciático (coluna lombar, região posterior da coxa, pernas e pés). Pode vir acompanhada de formigamento, dormência ou fraqueza muscular no membro afetado e piora com o movimento. Nos casos mais graves, pode haver dificuldade para caminhar.

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…

Arrumação de leito hospitalar

A técnica tem como função proporcionar repouso, conforto e segurança ao cliente. O cliente (paciente) é o elemento principal de qualquer instituição de saúde. 
Considera-se paciente todo o individuo submetido a tratamento, controle especiais, exames e observações medicas. O paciente procura o hospital quando atingido pela doença, cria nele angustia, inquietação, que leva a exagerar o poder e conhecimento sobre os profissionais que o socorrem, muitas vezes torna-se difícil o tratamento do doente, originando problemas de relacionamento (paciente pessoal).
Quando uma pessoa esta doente, precisa de ajuda para muitas das tarefas que habitualmente realiza sozinha. Parte do trabalho das pessoas que se dedicam, ao cuidado do paciente em um hospital é manter agradável o local que o cerca. Ficar em quarto limpo e com tudo em ordem ajudará o paciente a sentir-se melhor e tornará sua permanência no hospital mais agradável.
O leito é um fator importante na obtenção de repouso e conforto, sendo impres…