Pular para o conteúdo principal

Corrupção na Saúde: Como ser Enfermeiro Auditor em OPME na era das Máfias das Órteses e Próteses?


A Corrupção foi eleita como a palavra do ano de 2017 por voto popular na pesquisa #PalavraDoAno2017 que elege o vocábulo mais importante dos 365 dias de 2017.

A iniciativa foi da consultoria de estratégia, engajamento e mobilização Cause em parceria com a empresa de pesquisa e Ideia Big Data. " As palavras fazem um retrato fiel do que o Brasil passou por esse ano", diz Leandro Machado, sócio da Cause.
Seja através de superfaturamento de obras, lavagem de dinheiro ou recebimento de propina, a corrupção política esteve presente em diversas matérias nos grandes jornais escritos e falados e é claro que não demorou para escândalos envolvendo a área da saúde ganhar as manchetes dos noticiários.

A falta de ética e moral não poupou nem a saúde do brasileiro. No momento em que o ser humano está mais fragilizado ele ainda corre o risco de ser uma vítima dos vilões que utilizam a doença para lucrar.

Em foco desde 2016 a partir da reportagem do Fantástico denominada Máfia das Órteses e Próteses, o Brasil tomou ciência do que muito tempo já sabia-se, tornando público as diversas manobras realizadas pelos atores envolvidos no processo de aquisição e faturamento dos materiais hospitalares denominados Órteses, Próteses e Matérias especiais (OPME) ou Dispositivos Médicos Implantáveis (DMI) para obter vantagens financeiras.

Presente nas operadoras de saúde, hospitais públicos e privados e clínicas especializadas, o Enfermeiro Auditor atua como importante ferramenta de gestão em saúde participando na auditoria prospectiva (pré realização do procedimento), auditoria concorrente (no ato cirúrgico) e na auditoria retrospectiva (pós-cirúrgico), tendo portanto visão e participação desde o pedido inicial do OPME/DMI até o seu faturamento.

O Enfermeiro Auditor em suas atividades fica exposto a assédios das empresas que fornecem materiais quando atuante na auditoria prospectiva; fica na linha de frente com o médico assistente e com o cliente que terá o material implantando quando atuando na auditoria concorrente.
Diante do cenário apresentado, como nos proteger para que nosso nome não esteja envolvido em escândalos agindo sempre de forma ética e moral e evitando conflito com os atores envolvidos?

LEIA TAMBÉM: 
Gestão de Pacotes cirúrgicos: A "Bomba" fica para o prestador administrar?

OPME: Pacote, Conta Aberta, Protocolo, Projeto, Faturamento Direto ou Faturamento hospitalar? Que confusão!!!

Elenco abaixo 5 dicas de como evitar problema éticos e moral.

1. Evite negociar sozinho com fabricantes, distribuidores ou fornecedores de materiais. Procure sempre levar algum parceiro da instituição que você atua, faça as negociações em salas que possua áudio e vídeo para coibir qualquer assédio;

2. Nunca entre em conflito com o médico assistente quando estiver atuando na auditoria concorrente. Lembre que a função do Enfermeiro Auditor é RELATAR FATOS E EMITIR PARECER. Não devemos nos expor e nem tão pouco perder a classe;

3. Ao evidenciar uma não conformidade documente formalmente e notifique seus pares. Evidenciar e não divulgar é ser conivente com o erro;

4. Manter um bom relacionamento com os fornecedores faz parte da política das negociações, porém este bom relacionamento não precisa se estender até o bar. Evite situações que lhe comprometam;

5. Não guarde as informações para você principalmente no que se diz respeito a negociações de valores. Mantenha todos os processos descritos de forma clara para que não fique dúvida sobre sua idoneidade.

Espero que o texto sirva como orientação para você Enfermeiro(a) Auditor(a) que  atua nos processos que envolvem OPME/DMI. Proteja-se sempre, haja com ética e moral, por mais que seja tentador não deixe se seduzir pelo “jeitinho brasileiro”. Lembre de como foi árdua a batalha para os estudos e coloque na balança se vale a pena manchar o seu COREN. O que vem fácil vai fácil, toda ação tem uma reação e as vezes um passo dado é um passo sem volta.


Contribuiu com este Artigo:


Juliana Prachedes de Oliveira
Enfermeira Auditora Especialista em OPME. Pós graduada em Gestão de OPME pela Faculdades Pequeno Príncipe e em Auditoria em Saúde pela Fundação Unimed. Atuando a 8 anos em Auditoria com foco em OPME, sendo 7 desses dedicados a Operadora de Planos de Saúde. Docente convidada da disciplina de Auditoria em OPME na Pós Graduação de Auditoria em Serviços de Saúde da Unoeste, Presidente Prudente/SP. Atualmente atuando como Enfermeira em OPME no Hospital Iamada de Presidente Prudente. Perfil no Linkedin |
e-mail: 
prachedes_juliana@hotmail.com





Top da Semana

Oxímetro de Pulso

oxímetro de pulso é um dispositivo médico que mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que o sangue está transportando. Trata-se de uma monitorização não invasiva da saturação de oxigênio do sangue arterial.
O nível de oxigênio mensurado com um oxímetro é chamado de nível de saturaçãode oxigênio (abreviado como O2sat ou SaO2). A SaO2 é a porcentagem de oxigênio que seu sangue está transportando, comparada com o máximo da sua capacidade de transporte. O padrão de normalidade varia entre 90 - 100% de SpO2.


O Oxímetro substitui a necessidade de Gasometria Arterial?
O oxímetro mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que é transportada pelo sangue, e não é invasivo. Já a gasometria arterial é um procedimento invasivo e mensura diretamente tanto a quantidade de oxigênio transportada pelo sangue quanto a de gás carbônico (dióxido de carbono). 
Material necessário para instalação do Oxímetro: Equipamento: Oxímetro de pulso;Sensor adulto ou infantil (permanente ou descartável);Álcool…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cuidados com a Gastrostomia

Gastrostomia e jejunostomia são procedimentos cirúrgicos para a fixação de uma sonda alimentar. Um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno, objetivando uma comunicação entre a cavidade do estômago e a parede do abdômen.
O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e "porcionamento" da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.
A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…