Corrupção na Saúde: Como ser Enfermeiro Auditor em OPME na era das Máfias das Órteses e Próteses?


A Corrupção foi eleita como a palavra do ano de 2017 por voto popular na pesquisa #PalavraDoAno2017 que elege o vocábulo mais importante dos 365 dias de 2017.

A iniciativa foi da consultoria de estratégia, engajamento e mobilização Cause em parceria com a empresa de pesquisa e Ideia Big Data. " As palavras fazem um retrato fiel do que o Brasil passou por esse ano", diz Leandro Machado, sócio da Cause.
Seja através de superfaturamento de obras, lavagem de dinheiro ou recebimento de propina, a corrupção política esteve presente em diversas matérias nos grandes jornais escritos e falados e é claro que não demorou para escândalos envolvendo a área da saúde ganhar as manchetes dos noticiários.

A falta de ética e moral não poupou nem a saúde do brasileiro. No momento em que o ser humano está mais fragilizado ele ainda corre o risco de ser uma vítima dos vilões que utilizam a doença para lucrar.

Em foco desde 2016 a partir da reportagem do Fantástico denominada Máfia das Órteses e Próteses, o Brasil tomou ciência do que muito tempo já sabia-se, tornando público as diversas manobras realizadas pelos atores envolvidos no processo de aquisição e faturamento dos materiais hospitalares denominados Órteses, Próteses e Matérias especiais (OPME) ou Dispositivos Médicos Implantáveis (DMI) para obter vantagens financeiras.

Presente nas operadoras de saúde, hospitais públicos e privados e clínicas especializadas, o Enfermeiro Auditor atua como importante ferramenta de gestão em saúde participando na auditoria prospectiva (pré realização do procedimento), auditoria concorrente (no ato cirúrgico) e na auditoria retrospectiva (pós-cirúrgico), tendo portanto visão e participação desde o pedido inicial do OPME/DMI até o seu faturamento.

O Enfermeiro Auditor em suas atividades fica exposto a assédios das empresas que fornecem materiais quando atuante na auditoria prospectiva; fica na linha de frente com o médico assistente e com o cliente que terá o material implantando quando atuando na auditoria concorrente.
Diante do cenário apresentado, como nos proteger para que nosso nome não esteja envolvido em escândalos agindo sempre de forma ética e moral e evitando conflito com os atores envolvidos?

LEIA TAMBÉM: 
Gestão de Pacotes cirúrgicos: A "Bomba" fica para o prestador administrar?

OPME: Pacote, Conta Aberta, Protocolo, Projeto, Faturamento Direto ou Faturamento hospitalar? Que confusão!!!

Elenco abaixo 5 dicas de como evitar problema éticos e moral.

1. Evite negociar sozinho com fabricantes, distribuidores ou fornecedores de materiais. Procure sempre levar algum parceiro da instituição que você atua, faça as negociações em salas que possua áudio e vídeo para coibir qualquer assédio;

2. Nunca entre em conflito com o médico assistente quando estiver atuando na auditoria concorrente. Lembre que a função do Enfermeiro Auditor é RELATAR FATOS E EMITIR PARECER. Não devemos nos expor e nem tão pouco perder a classe;

3. Ao evidenciar uma não conformidade documente formalmente e notifique seus pares. Evidenciar e não divulgar é ser conivente com o erro;

4. Manter um bom relacionamento com os fornecedores faz parte da política das negociações, porém este bom relacionamento não precisa se estender até o bar. Evite situações que lhe comprometam;

5. Não guarde as informações para você principalmente no que se diz respeito a negociações de valores. Mantenha todos os processos descritos de forma clara para que não fique dúvida sobre sua idoneidade.

Espero que o texto sirva como orientação para você Enfermeiro(a) Auditor(a) que  atua nos processos que envolvem OPME/DMI. Proteja-se sempre, haja com ética e moral, por mais que seja tentador não deixe se seduzir pelo “jeitinho brasileiro”. Lembre de como foi árdua a batalha para os estudos e coloque na balança se vale a pena manchar o seu COREN. O que vem fácil vai fácil, toda ação tem uma reação e as vezes um passo dado é um passo sem volta.


Contribuiu com este Artigo:


Juliana Prachedes de Oliveira
Enfermeira Auditora Especialista em OPME. Pós graduada em Gestão de OPME pela Faculdades Pequeno Príncipe e em Auditoria em Saúde pela Fundação Unimed. Atuando a 8 anos em Auditoria com foco em OPME, sendo 7 desses dedicados a Operadora de Planos de Saúde. Docente convidada da disciplina de Auditoria em OPME na Pós Graduação de Auditoria em Serviços de Saúde da Unoeste, Presidente Prudente/SP. Atualmente atuando como Enfermeira em OPME no Hospital Iamada de Presidente Prudente. Perfil no Linkedin |
e-mail: 
prachedes_juliana@hotmail.com