Pular para o conteúdo principal

Novos subgrupos de Diabetes do Adulto (Nova Nomenclatura Proposta)


O Diabetes representa um fator de risco para as doenças cardiovasculares e cardiopatias e outros tipos de males. É uma síndrome de comprometimento do metabolismo dos carboidratos, gorduras, lipídeos e proteínas. É causada pela ausência de secreção da insulina, característica do diabetes tipo 1, ou pela redução da sensibilidade dos tecidos à insulina, ou seja um defeito na secreção da insulina, característica do diabetes tipo 2, levando à hiperglicemia (COTRAN, KUMAR; ROBBINS, 1994).

No entanto, esta é a classificação TRADICIONAL, mas pesquisadores escandinavos identificaram cinco tipos diferentes da doença em diferentes perfis fisiológicos e genéticos.


Realizou-se um estudo de quase 15.000 pacientes de cinco coortes na Suécia e Finlândia, os dados foram coletados e na observação, identificou-se pacientes que foram divididos em três formas graves e duas formas leves da doença:

Uma correspondente ao diabetes tipo 1 e as quatro restantes representam subtipos de diabetes tipo 2.

A pesquisa foi publicada no Lancet Diabetes & Endocrinology, e seu autor principal afirma: "As diretrizes de tratamento existentes são limitadas pelo fato de responderem a um controle metabólico deficiente quando se desenvolveu, mas não apresenta os meios para prever quais pacientes precisarão de tratamento intensificado.” No entanto, este estudo nos orienta a um diagnóstico mais clinicamente útil, representando um passo importante para a medicina.

Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, o diabetes é classificado como tipo 1, tipo 2 e várias modalidades menos comuns como diabetes latente autoimune em adultos (LADA), diabetes da maturidade de início no jovem (MODY) e diabetes secundária. 

A causa para ocorrência do desenvolvimento do diabetes do tipo 1 é a destruição auto-imune das células β das Ilhotas de Langerhans. Auto-anticorpos atuam contra contras as células β, contra insulina, contra os tecidos glutâmicos descarboxilase, contra tirosina fosfatase. (SMELTZER; BARE, 2002).

Já o diabetes tipo 2 é causada pela resistência à insulina e obesidade, esse último citado representa atualmente um grande fator de risco para o desenvolvimento da doença; é altamente heterogêneo (LUCENA, 2007 apude GUYTON; HALL, 2002).

O intuito deste estudo é estabelecer uma classificação de diabetes mais refinada que poderia permitir o tratamento individualizado e identificar, no diagnóstico, pacientes que correm maior risco de complicações.

Tabela – Perfis dos Novos Grupos de Diabetes.

Essa proposta de 5 grupos com diferente evolução e risco de complicações pode eventualmente ajudar o planejamento terapêutico. 

Atualmente, usa-se a mesma abordagem para pacientes com características muito distintas. Essa nova visão pode ajudar no processo da chamada medicina de precisão.

REFERÊNCIAS

COTRAN, S. R. ; KUMAR, V. ; ROBBINS, S. L. Pâncreas. In: ______ Patologia básica. 5. ed. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan. 1994. Cap. 17.

Davenport Liam. Diabetes Consists of Five Types, Not Two, Say Researchers.
de Diabetes do Adulto e Sua Associação Com Desfechos. Disponível em:     < http://www.diabetes.org.br/publico/sobre-os-cinco-novos-subgrupos-de-diabetes-do-adulto-e-sua-associacao-com-desfechos > acesso em: 09 de março de 2018.

GUYTON, A. C. ; HALL, J. E. Insulina, glucagon e diabetes mellitus. In: ______.
March 1, 2018. Disponível em: (https://www.medscape.com/viewarticle/893305#vp_3). Acesso em: 09 de março de 2018.

SMELTZER, S. C. ; BARE, B. G. Histórico e tratamento de pacientes com diabetes mellitus. In: ______. Tratado de enfermagem médico-cirurgica. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. Cap. 37.

Sociedade Brasileira de Diabetes –SBD. Sobre os Cinco Novos Subgrupos
Tratado de fisiologia médica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2002. p.827-840.

Contribuiu com este Artigo:





Mateus Henrique Dias Guimarães
INSTAGRAM: instagram.com/eumateushenrique 
TWITTER: twitter.com/mateus_henry_
Bacharel em Enfermagem. Pós-graduando em Saúde Pública com ênfase na Saúde da Família.






Top da Semana

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

A importância de tomar água

Você sabia que a sede é o primeiro sinal de desidratação? Ela, por sua vez, é um estado que afeta muito mais os tecidos e células do que o volume de sangue corrente. O que fazer? Para homens é recomendável (de idade de 19 a 70 anos) o consumo de 3,7 litros de água, já para as mulheres (de idade de 19 a 70 anos) é recomendável 2,7 litros de água. Cerca de 60% do peso do corpo humano é composto por água. Nosso corpo ao longo do dia vai eliminando todo esse líquido através da transpiração, suor, saliva, urina e fezes, por isso o consumo diário de água é tão importante. 
Benefícios do consumo de água:  * Limpeza do organismo * Controle da pressão sanguínea  * Proteção dos olhos * Proteção dos rins  * Firmeza e beleza da pele * Absorção de vitaminas  * Melhora do funcionamento intestinal  * Transporte de nutrientes para as células 
A água pode ser substituída? NÂO, ou não totalmente. Voce não deve deixar de lado a água para optar por um suco ou refrigerante, a água é extremamente importante para que n…

Arrumação de leito hospitalar

A técnica tem como função proporcionar repouso, conforto e segurança ao cliente. O cliente (paciente) é o elemento principal de qualquer instituição de saúde. 
Considera-se paciente todo o individuo submetido a tratamento, controle especiais, exames e observações medicas. O paciente procura o hospital quando atingido pela doença, cria nele angustia, inquietação, que leva a exagerar o poder e conhecimento sobre os profissionais que o socorrem, muitas vezes torna-se difícil o tratamento do doente, originando problemas de relacionamento (paciente pessoal).
Quando uma pessoa esta doente, precisa de ajuda para muitas das tarefas que habitualmente realiza sozinha. Parte do trabalho das pessoas que se dedicam, ao cuidado do paciente em um hospital é manter agradável o local que o cerca. Ficar em quarto limpo e com tudo em ordem ajudará o paciente a sentir-se melhor e tornará sua permanência no hospital mais agradável.
O leito é um fator importante na obtenção de repouso e conforto, sendo impres…

Lúpus tem cura?

O lúpus é uma doença auto-imune e por isso não tem cura, mas pode ser controlado, dessa forma as crises podem demorar anos para aparecer.
O lúpus pode danificar qualquer parte do corpo, desde a pele até aos órgãos através das articulações.
É uma doença que age por brotamento e, em seguida, parece desaparecer antes de voltar novamente.
Pesquisadores dizem que descobriram que, usando uma combinação de duas drogas já existentes, é possível reverter os efeitos do lúpus em ratinhos.

Em um novo estudo publicado na revista Sciense Translational Medicine, pesquisadores da Universidade da Flórida, Gainesville, descobriram que inibindo determinadas vias metabólicas em células do sistema imunológico que podem combater o lúpus em ratinhos. UF investigadores de saúde podem ter encontrado uma maneira de controlar o lúpus mudando a forma como as células do sistema imunológico utilizam energia.
"O resultado mais surpreendente deste estudo foi que a combinação dos dois inibidores metabólicos foram nec…

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…