Pular para o conteúdo principal

Manejo ao Paciente Queimado


As QUEIMADURAS representam as principais causas externas de morte registradas no Brasil. Os afogamentos e as queimaduras representam como a primeira causa de morte entre as crianças. (MASCARENHAS et al., 2011).

Atualmente no Brasil, dois terços dos acidentes por queimaduras são protagonizados por crianças, sendo que tendem a conviver com as sequelas, sejam elas estéticas ou funcionais. LEONARDI; NAZARIO (2012) ressaltam que 80,7% dos casos de queimadura na infância tinham um dos pais presentes no momento do acidente, mas não estavam em alerta.

O quadro a seguir mostra as prevalências de mortes por queimaduras no Brasil, no ano de 2011.



Segundo Brunner e Suddarth (2015), a lesão é causada pela transferência de calor de uma fonte térmica para o corpo, por exposição a determinadas substâncias químicas ou por exposição à radiação. No entanto, os tecidos corporais são danificados, acarretando a morte celular.

A gravidade de uma queimadura não se mede pelo grau de lesão, mas pelo comprometimento de área atingida. As queimaduras podem ser classificadas quanto ao agente causador e quanto à profundidade das lesões (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, 2008b).

Quanto ao agente causador podem ser: química, térmica, elétrica, ionizante e radiação, biológica e por atrito e fricção.

Quanto ao grau das lesões: 1º, 2º e 3º graus, sendo que algumas literaturas trazem 4º grau.

Observação: a complexidade de uma queimadura é avaliada pela associação entre agente causador, tipo de queimadura e extensão da área queimada, assim como o acometimento de algumas áreas corpo¬rais específicas: pequeno, médio e grande queimado (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, 2008b, UFSC, 2014).

ATENDIMENTO DO PACIENTE QUEIMADO
O atendimento, no suporte básico de vida, requer proteção e manutenção da permeabilidade de vias aéreas, assistência ventilatória e cardiovascular, além do atendimento às lesões associadas, como, por exemplo, queimaduras ou traumas, comuns em vítimas intoxicadas em incêndios. 

O atendimento, em tempo OPORTUNO, pode diminuir possíveis complicações e a morbidade e mortalidade. 

Identificar as condições que colocam a vida em risco é de grande valia para o prognóstico e sobrevida do paciente; e seguir com a identificação do tipo de queimadura, extensão e profundidade e também iniciar o tratamento da queimadura, evitando a progressão da lesão e contaminação da mesma.

Observação: É necessário averiguar e identificar se a substância que provocou a queimadura, não está sobre a pessoa, se confirmado, deve se proteger e iniciar a interrupção do processo de queimadura (UFSC, 2014).

CUIDADOS
Resfriamento da área queimada
Deve ser realizada até 15 minutos após o acidente, se não for usado esse critério, não será uma medida útil. O resfriamento é realizado por meio de compressas embebidas em soro fisiológico a 0.9% (SF 0,9%) ou água a temperatura ambiente.

Avaliação primária 
O processo de avaliação é baseado nos princípios do “Advanced Trauma Life Support” (ATLS) que estabelece como norma de conduta a metodologia mnemônica do ABCDE. 

SITUAÇÃO VERMELHA – ATENDIMENTO IMEDIATO 
A) “Airway”: preservação da via aérea com controle da coluna cervical 
B) “Breathing”: boa ventilação 
C) “Circulation”: boa perfusão 
D) “Disability”: exame neurológico 
E) “Exposition”: exposição do paciente (com controle ambiental)

Avaliação Secundária
Destina-se a aprofundar na anamnese e no exame físico do paciente, fornecendo apoio e norteando para a reclassificação e o tratamento adequado com às situações encontradas.

Reposição volêmica 
Será necessário um acesso venoso permeável e seguro, para aqueles que necessitarem de reposição volêmica. O líquido da infusão de escolha é o Ringer Lactato.

Analgesia e sedação
É recomendado anti-inflamatórios não hormonais para os pequenos queimados, já  para os pacientes médios e grandes queimados e pela intensidade da dor, deve ser considerada a aplicação de opioide. 

Conforme Brunner e Suddart (2015), as medidas relacionadas com o manejo de queimaduras consistem em prevenção, avaliação da gravidade da queimadura, instituição de medidas para salvar a vida do indivíduo gravemente queimado, prevenção de incapacidade e desfiguração e reabilitação.

Intervenções de Enfermagem:

TROCA GASOSA
  • Fornecer oxigênio umidificado e monitorar gasometria arterial (GA), oximetria de pulso e níveis de carboxiemoglobina.
  • Relatar imediatamente ao médico as respirações laboriosas, a profundidade diminuída das respirações ou sinais de hipoxia; preparar para ajudar na intubação.
FUNÇÃO HEMODINÂMICA
  • Instituir o monitoramento eletrocardiográfico com base nos resultados da avaliação inicial.
  • Avaliar, com frequência, os pulsos periféricos distalmente à queimadura.
EQUILÍBRIO HIDRELETROLÍTICO
  • Monitorar os sinais vitais e o débito urinário (a cada hora), PVC, pressão da artéria pulmonar e débito cardíaco. Observar e registrar sinais de hipovolemia ou sobrecarga hídrica
  • Manter os acessos IV e líquidos regulares nas velocidades adequadas, conforme prescrição. Documentar o equilíbrio hídrico e pesar diariamente o cliente (se possível.
  • Elevar Cabeceira do leito.
MANUTENÇÃO DA TEMPERATURA CORPORAL NORMAL
  • Fornecer ambiente aquecido: uso de escudo térmico, cobertor suspenso, lâmpadas de aquecimento ou cobertores
  • Medir com frequência a temperatura corporal central
  • PREVENÇÃO DA INFECÇÃO
  • Colocar lençóis limpos embaixo e em cima do cliente para proteger a ferida de contaminação, manter a temperatura corporal e reduzir a dor do tecido queimado causada por correntes de ar.
MINIMIZAÇÃO DA DOR E DA ANSIEDADE
  • Usar escala de intensidade da dor para avaliar o nível de dor (e., de 1 a 10); diferenciar a inquietação causada pela dor da inquietação provocada por hipóxia
  • Administrar analgésicos opioides IV, conforme prescrição, e avaliar a resposta ao medicamento; observar a ocorrência de depressão respiratória em clientes que não estão sob ventilação mecânica.
MONITORAMENTO E MANEJO DAS COMPLICAÇÕES POTENCIAIS
Insuficiência Respiratória, choque distributivo, insuficiência renal aguda, síndrome compartimental, íleo paralítico, úlcera de curling.

“Devido a extensão do conteúdo, indico a leitura do Brunner & Suddarth, Manual de enfermagem médico-cirúrgica, 2015, pg. 971 & do material sobre queimaduras da Universidade Federal de Santa Catarina em www.unasus.ufsc.br.

Contribuiu com este Artigo:






Mateus Henrique Dias Guimarães




REFERÊNCIAS

BRASIL, M. S. Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM. Datasus: W00-X59 Outras causas externas de lesões acidentais. Disponível em: < http://www.abraspea.org.br/pdf_docs/anexos%20alcool%20estatisticas%20do%20datasus.pdf>. 

Brunner & Suddarth, Manual de enfermagem médico-cirúrgica / revisão técnica Sonia Regina de Souza; tradução Patricia Lydie Voeux. – 13. ed. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015. Queimaduras, p.971.
LEONARDI, D. F.; NAZÁRIO, N. O. Queimaduras especiais: elétricas e químicas. In:________. Quei¬maduras: Atendimento Pré-Hospitalar. Palhoça: Unisul. 2012.

MASCARENHAS, M.D.M. et al. Epidemiologia das causa externa no Brasil: mortalidade por aciden¬tes e violência no período de 2000 a 2009. In: Brasil. Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2010: uma análise da situação de saúde e de evidências selecionadas de impacto de ações de vigilância em saúde Secretaria de Vigilância e Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2011.

Queimaduras / Universidade Federal de Santa Catarina; Organizadores: Nazaré Otília Nazário; Dilmar Francisco Leonardi e Cesar Augusto Soares Nitschke — Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2014.29 p. Modo de acesso: www.unasus.ufsc.br








Comentários

Top da Semana

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…

Febre Chikungunya

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus.
Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Porém, a grande diferença da febre chikungunya está no seu acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

A febre chikungunya teve seu vírus isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela recebeu esse nome, pois chikungunya significa "aqueles que se dobram" no dialeto Makonde da Tanzânia, termo este usado para designar aqueles que sofriam com o mal. A doença, apesar de pouco letal, é muito limitante. O paciente tem dificuldade de movimentos e locomoção por causa das articulações inflamadas e doloridas, daí o "andar cur…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Instrumentação cirúrgica

Umas das principais frases que o instrumentador cirúrgico adora ouvir é: “Vamos entrar em campo”. O Instrumentador é fundamental para realização de uma cirurgia, e está presente desde o paciente mais compreensivo ao mais difícil de se fazer entender, desde a cirurgia mais simples até a mais complexa.
Mais do que conhecer os materiais específicos utilizados em cada tipo de operação, é fundamental que o instrumentador cirúrgico tenha bom relacionamento com os profissionais que estão à sua volta e seja comprometido com o trabalho para garantir o dia-a-dia na atividade.
O comprometimento vai muito além de montar a mesa cirúrgica e alcançar pinças ou segurar afastadores, é comprometimento com a vida de quem está ali aos cuidados da equipe cirúrgica, confiando que o cirurgião fará o seu melhor para garantir o sucesso do procedimento, porém isso não depende apenas dele. Depende também da atenção de quem o acompanha durante o ato, um instrumentador ágil, comprometido e atento ao procedimento, c…