Pular para o conteúdo principal

Saiba tudo sobre a Escala de Coma de Glasgow


A Escala de Coma de Glasgow é um método usado para definir o estado neurológico de pacientes analisando seu nível de consciência. Utilizado recorrentemente por profissionais de saúde, como médicos e enfermeiros, logo após o trauma, auxiliando no prognóstico e na prevenção de possíveis sequelas, principalmente nas lesões cerebrais.

Anteriormente, o objetivo da escala elaborada por Graham Teasdale e Bryan J. Jennett, 1974, era fornecer uma metodologia de atendimento que apontasse tanto a profundidade do dano neurológico quanto a duração clínica de inconsciência e coma. No entanto ao longo dos anos mudanças vem acontecendo e incorporada nas novas diretrizes. 

Recentemente foi acrescentado outro fator importante para ser medido na escala: a reatividade pupilar. Essa modificação foi uma tentativa de obter melhores informações sobre o prognóstico no traumatismo cranioencefálico, incluindo a probabilidade de morte, porque o estudo realizado pelos pesquisadores revelou maior precisão na análise do estado de sáude do paciente. Portanto a versão mais recente é denominada de escala de coma de Glasgow com resposta pupilar (ECG-P).

Sendo assim, a escala é essencial no Atendimento Pré-Hospitalar, pois é uma ferramenta que auxilia na mensuração do nível de consciência vítimas de Trauma Crânio Encefálico e/ou com rebaixamentos neurológicos.

ATENÇÃO!
Existem fatores-preexistentes que podem prejudicar e/ou interferir na avaliação, portanto cabe ao profissional reconhecer se a vítima está sobre qualquer tipo de sedação, e outros como: linguagem ou diferença cultural, déficit intelectual e neurológico, perda auditiva, ou impedimento da fala, intubação ou traqueostomia, fratura orbital e craniana, disfasia ou hemiplegia, dano na medula espinhal.

Na aplicação do método é considerado três fatores e determina uma pontação de acordo com o nível de consciência apontado em ada caso.
Abertura Ocular, Resposta Verbal, Resposta Motora. Além destes, na atualização recente, inclui-se mais um fator a ser observado: a Reatividade pupilar, que é subtraída da pontuação anterior, gerando um resultado final mais preciso.

Resposta Ocular:

Resposta Verbal:













Resposta Motora:

Pupilar (atualização 2018)

Se houve impossibilidade de aplica o estímulo, informa NT (Não Testado).

Passos para aplicação correta:

1- Verifique: Identifique fatores que podem interferir na capacidade de resposta do paciente. É importante considerar na sua avaliação se ele possui alguma limitação anterior ou devido ao ocorrido que o impede de reagir adequadamente naquele tópico (Ex: paciente surdo não poderá reagir normalmente ao estímulo verbal).

2- Observação do paciente e estar atento a qualquer comportamento espontâneo dentro dos três componentes da escala.

3- Estimule: Caso o paciente não aja espontaneamente nos tópicos da escala, é preciso estimular uma resposta.

4- Pontue e some: Os estímulos que obtiveram a melhor resposta do paciente devem ser marcados em cada um dos três tópicos da escala. Se algum fator impede a vítima de realizar a tarefa, é marcado NT (Não testável). As respostas correspondem a uma pontuação que irá indicar, de forma simples e prática, a situação do paciente (Ex: O4, V2 e M1 significando respectivamente a nota para ocular, verbal e motora, com resultado geral igual a 7).

5- Analise a reatividade pupilar (atualização 2018): suspenda cuidadosamente as pálpebras do paciente e direcione um foco de luz para os seus olhos. Registre a nota correspondente à reação ao estímulo. Esse valor será subtraído da nota obtida anteriormente, gerando um resultando final mais preciso. Essas reações devem ser anotadas periodicamente para possibilitar uma visão geral do progresso ou deterioração do estado neurológico do paciente.

Lembrando que o item Avaliação Pupilar, incluído na mais recente versão, 2018., foi adicionando como uma etapa posterior à contagem tradicional e que deve ser subtraída da conta geral, resultando em um panorama mais preciso da situação do paciente e permitindo ações mais rápidas para evitar consequências drásticas.

Contribuiu com este Artigo:





Mateus Henrique Dias Guimarães






REFERENCIAS
Glasgow Coma Scale Oficial Site: www.glasgowcomascale.org
IESPE. Como é a nova escala de coma de Glasgow e qual a sua importância? Disponível em: <  Site: https://www.iespe.com.br/blog/nova-escala-de-coma-de-glasgow/ >
MEDSCAPE. Escala de coma de Glasgow ganha atualização Esclarecedora. Disponível em: < https://portugues.medscape.com/verartigo/6502288 >

Comentários

Top da Semana

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Sintomas e Tratamentos do Cisto Pilonidal

Cisto Pilonidal é a formação de uma bolsa a partir de qualquer tecido do corpo que pode compreender em seu interior ar, líquido, pus ou outro fluido. O cisto pilonidal é uma doença crônica muito comum, variante do cisto dermoide, e aparece habitualmente na região terminal da coluna vertebral (região sacrococcigiana ou sacrococcígea), conhecida popularmente como cóccix, alguns centímetros acima do ânus.
É muito comum que se encontre cabelos dentro do cisto pilonidal (“ninho de pêlos”), além de fragmentos de pele, glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas. Quando o acúmulo desse material resulta em uma inflamação, dando sinais de infecção e pus, o cisto pilonidal é também chamado de abscesso pilonidal. Apesar de ser conhecido por ocorrer na região do cóccix, o cisto pilonidal também pode surgir nos olhos, nariz, axilas, couro cabeludo e ao redor do umbigo. Acomete mais os homens jovens entre 15 e 30 anos.

Os sintomas do cisto pilonidal só existem quando eles inflamam, nesses casos, os pa…

Doenças e Agravos de Notificação Compulsória

A vigilância epidemiológica tem como finalidade fornecer subsídios para execução de ações de controle de doenças e agravos (informação para a ação) e, devido a isso, necessita de informações atualizadas sobre a ocorrência dos mesmos. A principal fonte destas informações é a notificação de agravos e doenças pelos profissionais de saúde.
A escolha das doenças e agravos de notificação compulsória obedece a critérios como magnitude, potencial de disseminação, transcendência, vulnerabilidade, disponibilidade de medidas de controle, sendo a lista periodicamente revisada, tanto em função da situação epidemiológica da doença, como pela emergência de novos agentes e por alterações no Regulamento Sanitário Internacional. Os dados coletados sobre as doenças de notificação compulsória são incluídos no Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN).
Notificação Compulsória: comunicação obrigatória à autoridade de saúde, realizada pelos médicos, profissionais de saúde ou responsáveis pelos estabel…

Arrumação de leito hospitalar

A técnica tem como função proporcionar repouso, conforto e segurança ao cliente. O cliente (paciente) é o elemento principal de qualquer instituição de saúde. 
Considera-se paciente todo o individuo submetido a tratamento, controle especiais, exames e observações medicas. O paciente procura o hospital quando atingido pela doença, cria nele angustia, inquietação, que leva a exagerar o poder e conhecimento sobre os profissionais que o socorrem, muitas vezes torna-se difícil o tratamento do doente, originando problemas de relacionamento (paciente pessoal).
Quando uma pessoa esta doente, precisa de ajuda para muitas das tarefas que habitualmente realiza sozinha. Parte do trabalho das pessoas que se dedicam, ao cuidado do paciente em um hospital é manter agradável o local que o cerca. Ficar em quarto limpo e com tudo em ordem ajudará o paciente a sentir-se melhor e tornará sua permanência no hospital mais agradável.
O leito é um fator importante na obtenção de repouso e conforto, sendo impres…

Bomba de infusão e os cuidados de enfermagem

A bomba de infusão é indicada para todo o paciente com prescrição de infusão em via parenteral ou enteral, nos casos onde se faz necessária a garantia rigorosa do gotejamento dos medicamentos prescritos. 
A bomba infusora é um dos mais práticos recursos habitualmente disponíveis na UTI e/ou Sala de Emergência, e mesmo em algumas ambulâncias modernas. Permite administrar de maneira confiável os fármacos mais delicados de acordo com dosagens de mg/min ou ml/h.
Normalmente utilizada em pacientes que precisam controle rigoroso do gotejamento, tais como: pacientes com ICC (insuficiência Cardíaca Congestiva), Insuficiência Renal, Neonatos prematuros, tratamento com quimioterápicos, drogas vasoativas para controle pressão arterial, drogas cardiovasculares, anestésicos durante cirurgias, administração de insulinas endovenosa. Cito alguns exemplos de drogas que requerem gotejamento controlado: Dopamina, Dobutamina, Adrenalina, Nitroprussiato de sódio, Noradrenalina, KCL (alguns casos) etc. Infus…