Pular para o conteúdo principal

Principais patologias clínicas e cirúrgicas em pediatria


Otite média

Inflamação do ouvido médio muito comum na infância, e possui condições agudas e crônicas; todas envolvendo inflamação da membrana timpânica, geralmente causada pelo streptococus pneumoniae; haemophilus influenza, podendo também ser não infecciosa, em conseqüência do bloqueio por edema das trompas de Eustáquio.

Classificação
- Otite média aguda
- Otite média supurativa
- Otite média supurativa crônica

Sinais e sintomas
Otalgia, febre, secreção auditiva de característica purulenta.

Assistência de enfermagem
- Aplicar calor com compressa morna no local;
Manter os cuidados com a higiene do ouvido;
Orientar sobre perdas temporárias da audição;
Cuidado com água no canal auditivo;
Observar sinais de hipertermia
Pneumonia

É a inflamação do parênquima pulmonar, dificultando as trocas gasosas. 

Fatores de risco: 
- Idade < 6 anos 
Estado imunológico 
Situação econômica precária 
Poluição ambiental 
Pais fumantes 
Baixo peso 
Desmame  

Classificação clínica: 
Pneumonia viral: tosse, febre, taquipnéia, cianose, fadiga, prostração, presença de ruídos respiratórios e estriores. 

Tratamento
Sintomático, oxigênio, fisioterapia respiratória e líquidos

Pneumonia bacteriana (pneumococos): tosse, indisposição, respiração rápida e superficial, dor torácica, batimento da aleta nasal, cianose, palidez agitação e letargia. 

Tratamento
Crianças maiores: antibióticos, antitérmicos, sedativos para tosse, repouso e líquidos. 

Crianças menores: mesmo das crianças maiores, com líquido endovenoso e oxigenioterapia. 

Assistência de enfermagem 
Avaliar respiração 
Administrar oxigenioterapia 
Controlar ssvv 
Elevar decúbito 
Estimular drenagem postural 
Aspirar secreções quando necessária 
Aliviar desconforto 


Hidrocefalia

É um distúrbio de circulação liquórica que leva ao aumento de líquido cefalorraquidiano (lcr) intraventricular, diagnosticada logo após o nascimento ou durante o pré-natal  através de exames de neuroimagem (usg, tc, rm).

Sinais e sintomas 
Macrocrania 
Velocidade de crescimento cefálico acima do normal
Fontanelas tensas e abauladas 
Disjunção das suturas (sinal do pote rachado)
Cabelos esparsos 
Orelhas de implantação baixa 
Desvio conjugado do olhar-  sol poente 
Cefaléia 
Vômitos
Irritabilidade

Sintomatologia de acordo com o período do desenvolvimento infantil
Prematuros/lactentes: apnéia, bradicardia, fontanela tensa, veias do escalpo dilatadas, formato do crânio globóide, aumento do perímetro cefálico (vários centímetros em poucos dias);

Infantis: irritabilidade, vômitos, náuseas, macrocefalia, fontanela tensa, dificuldade para fixação e controle da cabeça, alteração ocular (sinal do “sol poente” - compressão mesencefálica);

Crianças mais velhas: dor de cabeça, vômitos, letargia, diplopia, edema de papila, hiperreflexia, clônus.

Tratamento
Implantação  de válvulas  para drenagem para o peritônio (derivação ventrículo peritonial - dvp); ou para o átrio(derivação ventrículo atrial - dva); terapia medicamentosa com acetazolamida para reduzir a produção liquórica.

Assistência de enfermagem 
- Orientações com o objetivo da educação à saúde ao paciente e família
Auxilio na introdução do dreno e manutenção;
Verificação dos ssvv, principalmente a PA;
Encaminhar e auxiliar quando necessário na terapia de reabilitação e intervenções educacionais possibilitando que tenham vida normal com poucas limitações;
Orientar aos pais quanto o manejo e posicionamento pós-cirúrgico;
Estimular as aquisições motoras;
Manter  a integridade ósteo-tendíneas e musculares;

Espinha bífida

Distúrbio do tubo neural, que gera malformação da medula espinhal ou coluna vertebral, geralmente a nível torácico e lombar, por não fechamento do tubo neural, podendo ser diagnosticado intra útero ou ao nascimento,  pela presença de uma bolsa externa na região das costas do neonato. Na eb a bolsa contém  as meninges e a medula espinhal projetadas para fora por meio de um defeito da vértebra. 

Defeito pode ocorrer:
- Região cervical
Região torácica 
Região lombar (mais comum)

Tipos de espinha bífida:
A espinha bífida pode ser oculta ou cística, sendo esta classificada como meningocele ou mielomeningocele.

Espinha bífida oculta
É caracterizada pela falta de fusão dos arcos vertebrais, mas não se observa herniação do tecido nervoso. Geralmente é assintomática. É mais comum na porção inferior da coluna lombar. A medula espinhal pode estar presa, podendo então, apresentar alguns sintomas.

Espinha bífida cística:
Meningocele: é caracterizada pela falta de fusão dos arcos vertebrais com extrusão de meninges e líquor.

Mielomeningocele: é caracterizada pela falta de fusão dos arcos vertebrais com extrusão de meninges, líquor e tecido nervoso.

Sinais e sintomas
1º quadro clínico: perda completa das funções abaixo a lesão:
Paralisia flácida, perda da sensibilidade, ausência dos reflexos, perda total do controle esfincteriano e urinário e deformidades.

2º quadro clínico: medula intacta abaixo da lesão:
Paralisia flácida ao nível da lesão, reflexos espinhais hiperativos e  deformidades.

Tratamento 
0 aos 3 anos de idade 
O tratamento tem início com explicação aos pais sobre a natureza do problema, em linguagem clara e acessível. A utilização de desenhos e figuras facilita a compreensão das informações que se quer passar. 

3 A 6 anos de idade 
Neste momento os profissionais que acompanham a criança devem definir a capacidade funcional tanto para a locomoção quanto para as actividades de vida diária. 

6 A 12 anos de idade 
As crianças que não conseguem andar até os seis anos de idade provavelmente não vão adquirir marcha, independente do tratamento fisioterapêutico, uso de órteses ou cirurgias ortopédicas. 
Antibioticoterapia;
Fechamento precoce das costas;
Engessamento dos pés e procedimentos cirúrgicos

Cuidados de enfermagem no pós operatório imediato
- Este período compreende os primeiros 30 minutos após a alta da sala de recuperação pós anestésica. 
- Transportar o paciente para a unidade de internação 
Receber o paciente na unidade 
Posicionar a criança no leito 
Verificar ssvv 
Agasalhar a criança após avaliação da temperatura corporal, conforme necessidade 
Manter cuba rim e tolha junto ao paciente para o caso de vir apresentar vômito e necessidade de expelir secreções orais 
Manter aspirador junto à cabeceira do paciente 
Fixar sondas e drenos no leito 
Trocar roupas da criança caso estejam sujas 


Contribuiu com este Artigo:



Jennyfer Almeida Rodrigues Da Silva

Cursando o 5º período de enfermagem
e-mail: jeje.a.r.silva@gmail.com



<

Comentários

Top da Semana

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…

Febre Chikungunya

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus.
Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Porém, a grande diferença da febre chikungunya está no seu acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

A febre chikungunya teve seu vírus isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela recebeu esse nome, pois chikungunya significa "aqueles que se dobram" no dialeto Makonde da Tanzânia, termo este usado para designar aqueles que sofriam com o mal. A doença, apesar de pouco letal, é muito limitante. O paciente tem dificuldade de movimentos e locomoção por causa das articulações inflamadas e doloridas, daí o "andar cur…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Instrumentação cirúrgica

Umas das principais frases que o instrumentador cirúrgico adora ouvir é: “Vamos entrar em campo”. O Instrumentador é fundamental para realização de uma cirurgia, e está presente desde o paciente mais compreensivo ao mais difícil de se fazer entender, desde a cirurgia mais simples até a mais complexa.
Mais do que conhecer os materiais específicos utilizados em cada tipo de operação, é fundamental que o instrumentador cirúrgico tenha bom relacionamento com os profissionais que estão à sua volta e seja comprometido com o trabalho para garantir o dia-a-dia na atividade.
O comprometimento vai muito além de montar a mesa cirúrgica e alcançar pinças ou segurar afastadores, é comprometimento com a vida de quem está ali aos cuidados da equipe cirúrgica, confiando que o cirurgião fará o seu melhor para garantir o sucesso do procedimento, porém isso não depende apenas dele. Depende também da atenção de quem o acompanha durante o ato, um instrumentador ágil, comprometido e atento ao procedimento, c…