Pular para o conteúdo principal

Como saber se estou grávida?


Às vezes, mesmo tomando todas as medidas para prevenção da gravidez, o aparecimento de alguns sinais pode levantar a dúvida: “será que estou grávida?” As hipóteses de gravidez devem ser consideradas apenas em situações de relação sexual desprotegida, esquecimento de pílulas anticoncepcionais e acidentes com preservativos. Para saber é importante prestar atenção aos sintomas e realizar testes que comprovem.


Tudo que você precisa saber para ter certeza se está grávida (ou não).

O primeiro passo é ficar calma, pois o estresse e nervosismo intenso podem fazer com que a mulher desenvolva sintomas que se confundam com o da gravidez, como enjoo, cólicas e dores de cabeça. Para te ajudar a saber se está gravida, aprenda a se autodiagnosticar, afinal são vários os indícios que podem fazer com que a mulher tenha possibilidade de estar grávida. 

Quais são os Primeiros Sintomas?
As primeiras semanas após a relação sexual e fecundação do espermatozoide pelo óvulo são praticamente assintomáticas, ou seja, não têm sinal algum. Por tanto se você teve algum sinal típico de gravidez no dia seguinte após o ato sexual desprotegido é pouco provável que isso seja um sintoma de gravidez, mas não impede que você esteja grávida.

A primeira coisa a aparecer é um pequeno sangramento vaginal que algumas pessoas podem entender como aparecimento da menstruação. O zigoto só começa a se formar a partir da terceira ou quarta semana após a relação sexual que teve o espermatozoide fecundado. Ou seja, os sintomas da gravidez só aparecem após um mês do sexo aproximadamente. É claro que podem ser diferentes de mulher para mulher.

Algumas mulheres sentem os sintomas de gravidez antes mesmo da menstruação atrasada, que é um dos sinais mais comuns. 



A partir do primeiro mês após a relação sexual estão:

Pequeno sangramento vaginal: quando o ovulo é fecundado pode ocorrer um pequeno sangramento vaginal e acontece de ser confundido com a menstruação. 

Cólicas: sensações de inchaço e dores abdominais são cada vez mais comuns conforme a gravidez avança.

Aumento dos seios e dores nas mamas: o inchaço das mamas costuma surgir a partir da segunda semana de gestação.

Náuseas e vômitos: 75% das mulheres sentem enjoos ou azia desde as primeiras semanas até os três primeiros meses de gravidez.

Cansaço e sono excessivo: sensações de fadiga podem aparecer desde a primeira semana de gestação, é um sinal do corpo de que precisa descansar com mais frequência.

Tonturas: os hormônios da gravidez alteram drasticamente o organismo da mulher podendo provocar reduções de açúcar no sangue, anemia e aumento da frequência respiratória.

Diagnóstico

O que leva a mulher pensar: “Posso estar grávida?” Para saber, confira em quais situações há possibilidade:

- Manter relações sexuais sem uso de preservativos;
- Estourou a camisinha durante a relação;
- Não utilizou a técnica do coito interrompido (mas isso não evita IST);
- Esquecer de tomar a pílula anticoncepcional ou a tomar com um dia de atraso e estava no período fértil;
- Não realizar mais nenhum técnica contraceptiva;
- Não tomr pilula do dia seguinte após a relação desprotegida;
- A pilula do dia seguinte foi tomada após 72 horas da relação desprotegida.
Se você se encaixa em alguma das situações acima tem a chance de estar grávida. A primeira coisa é descartar a possibilidade de fazer teste de gravidez caseiro, eles não têm eficácia comprovada e podem somente dar ainda mais ansiedade, logo, o teste químico não poderá ser descartado.



Teste de Farmácia

Os testes de farmácia são confiáveis, com uma margem de acerto entre 70 a 95%, detectam o hormônio da gravidez na urina e têm a vantagem de terem resultados rápidos e acessíveis.

Os dois testes mais famosos são:
Digitais: através da urina o aparelho digital mede a porcentagem de hormônio da gravidez e indica as semanas de gestação, se houver.
Teste de  Tiras: possui uma taxa de confiabilidade menor do que os digitais. O método também analisa a porcentagem de hormônio na urina. A presença de uma tira significa que não está grávida e duas tiras aponta a gravidez.

Exame de urina
Nos postos de saúde, poderá ser realizado o exame de urina. A análise da urina detectará a presença ou não de hormônio da gravidez (hCG).

Hormônio hCG: gonadotrofina coriônica humana é uma substância que começa a ser produzida pela mulher no momento em que o embrião é implementado no útero.

SOLICITE UM EXAME DE SANGUE AO SEU MÉDICO
O exame de sangue, também conhecido como Beta hCG, é o resultado definitivo. Ele tanto pode detectar a presença ou não de gravidez, quanto pode revelar a quantidade do hormônio no sangue da mulher.
Fazer um exame de sangue é a forma mais certeira de identificar a gravidez, não tem erro. No entanto é preciso ter em mente que se não há vontade de gravidez ela precisa ser prevenida com métodos simples. Consulte um ginecologista e peça para que ele lhe explique sobre todos os métodos contraceptivos. E nunca se esqueça da camisinha, afinal, ela não previne somente a gravidez indesejada como também todo tipo de doenças sexualmente transmissíveis.

Comentários

Top da Semana

Nervo Ciático inflamado: Causas, Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

O nervo ciático (ou isquiático) é o mais longo e espesso do corpo humano. Ele se origina no plexo lombo sacro, ou seja, na região lombar e é formado por diversas ramificações que se ligam às ultimas vértebras e à base da coluna vertebral e atravessam o quadril, os glúteos, a coxa, o joelho e o tornozelo.
Quando chega na metade do fêmur, o maior osso da coxa, o ciático se divide em fibular e tibial, que são ramificações que seguem pela perna.
A dor ciática caracteriza-se como uma dor persistente, semelhante a pequenos choques elétricos, sentida ao longo do trajeto do nervo ciático (coluna lombar, região posterior da coxa, pernas e pés). Pode vir acompanhada de formigamento, dormência ou fraqueza muscular no membro afetado e piora com o movimento. Nos casos mais graves, pode haver dificuldade para caminhar.

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…

Acesso venoso periférico: Técnica, Estabilização e tipo de Curativo

A punção venosa periférica é certamente o procedimento mais realizado nos atendimentos de emergências, além de ser o procedimento invasivo mais comum realizado pela enfermagem. Pelo menos 90% dos pacientes hospitalizados necessitam, em algum momento de um acesso venoso para realização de terapia intravenosa.
É a via de administração de medicação diretamente nas veias, nela é possível fazer medicação em grande quantidade e aquelas que pela via oral não são possíveis de administrar. São dois tipos: acesso venoso periférico, que é a inserção de um cateter nos membros (braço, mão, perna, etc.) e acesso venoso central, este é utilizado em pacientes que necessitam de grandes quantidades de medicamento e soro - é uma via calibrosa para infusão de algumas medicações específicas, como quimioterapia, dieta parenteral.

Acesso venoso periférico (membros):
O acesso venoso periférico pode ser puncionado por enfermeiros, técnicos de enfermagem e médicos. As vias de acesso preferenciais são as veias dos…