Pular para o conteúdo principal

Como saber se estou grávida?


Às vezes, mesmo tomando todas as medidas para prevenção da gravidez, o aparecimento de alguns sinais pode levantar a dúvida: “será que estou grávida?” As hipóteses de gravidez devem ser consideradas apenas em situações de relação sexual desprotegida, esquecimento de pílulas anticoncepcionais e acidentes com preservativos. Para saber é importante prestar atenção aos sintomas e realizar testes que comprovem.


Tudo que você precisa saber para ter certeza se está grávida (ou não).

O primeiro passo é ficar calma, pois o estresse e nervosismo intenso podem fazer com que a mulher desenvolva sintomas que se confundam com o da gravidez, como enjoo, cólicas e dores de cabeça. Para te ajudar a saber se está gravida, aprenda a se autodiagnosticar, afinal são vários os indícios que podem fazer com que a mulher tenha possibilidade de estar grávida. 

Quais são os Primeiros Sintomas?
As primeiras semanas após a relação sexual e fecundação do espermatozoide pelo óvulo são praticamente assintomáticas, ou seja, não têm sinal algum. Por tanto se você teve algum sinal típico de gravidez no dia seguinte após o ato sexual desprotegido é pouco provável que isso seja um sintoma de gravidez, mas não impede que você esteja grávida.

A primeira coisa a aparecer é um pequeno sangramento vaginal que algumas pessoas podem entender como aparecimento da menstruação. O zigoto só começa a se formar a partir da terceira ou quarta semana após a relação sexual que teve o espermatozoide fecundado. Ou seja, os sintomas da gravidez só aparecem após um mês do sexo aproximadamente. É claro que podem ser diferentes de mulher para mulher.

Algumas mulheres sentem os sintomas de gravidez antes mesmo da menstruação atrasada, que é um dos sinais mais comuns. 



A partir do primeiro mês após a relação sexual estão:

Pequeno sangramento vaginal: quando o ovulo é fecundado pode ocorrer um pequeno sangramento vaginal e acontece de ser confundido com a menstruação. 

Cólicas: sensações de inchaço e dores abdominais são cada vez mais comuns conforme a gravidez avança.

Aumento dos seios e dores nas mamas: o inchaço das mamas costuma surgir a partir da segunda semana de gestação.

Náuseas e vômitos: 75% das mulheres sentem enjoos ou azia desde as primeiras semanas até os três primeiros meses de gravidez.

Cansaço e sono excessivo: sensações de fadiga podem aparecer desde a primeira semana de gestação, é um sinal do corpo de que precisa descansar com mais frequência.

Tonturas: os hormônios da gravidez alteram drasticamente o organismo da mulher podendo provocar reduções de açúcar no sangue, anemia e aumento da frequência respiratória.

Diagnóstico

O que leva a mulher pensar: “Posso estar grávida?” Para saber, confira em quais situações há possibilidade:

- Manter relações sexuais sem uso de preservativos;
- Estourou a camisinha durante a relação;
- Não utilizou a técnica do coito interrompido (mas isso não evita IST);
- Esquecer de tomar a pílula anticoncepcional ou a tomar com um dia de atraso e estava no período fértil;
- Não realizar mais nenhum técnica contraceptiva;
- Não tomr pilula do dia seguinte após a relação desprotegida;
- A pilula do dia seguinte foi tomada após 72 horas da relação desprotegida.
Se você se encaixa em alguma das situações acima tem a chance de estar grávida. A primeira coisa é descartar a possibilidade de fazer teste de gravidez caseiro, eles não têm eficácia comprovada e podem somente dar ainda mais ansiedade, logo, o teste químico não poderá ser descartado.



Teste de Farmácia

Os testes de farmácia são confiáveis, com uma margem de acerto entre 70 a 95%, detectam o hormônio da gravidez na urina e têm a vantagem de terem resultados rápidos e acessíveis.

Os dois testes mais famosos são:
Digitais: através da urina o aparelho digital mede a porcentagem de hormônio da gravidez e indica as semanas de gestação, se houver.
Teste de  Tiras: possui uma taxa de confiabilidade menor do que os digitais. O método também analisa a porcentagem de hormônio na urina. A presença de uma tira significa que não está grávida e duas tiras aponta a gravidez.

Exame de urina
Nos postos de saúde, poderá ser realizado o exame de urina. A análise da urina detectará a presença ou não de hormônio da gravidez (hCG).

Hormônio hCG: gonadotrofina coriônica humana é uma substância que começa a ser produzida pela mulher no momento em que o embrião é implementado no útero.

SOLICITE UM EXAME DE SANGUE AO SEU MÉDICO
O exame de sangue, também conhecido como Beta hCG, é o resultado definitivo. Ele tanto pode detectar a presença ou não de gravidez, quanto pode revelar a quantidade do hormônio no sangue da mulher.
Fazer um exame de sangue é a forma mais certeira de identificar a gravidez, não tem erro. No entanto é preciso ter em mente que se não há vontade de gravidez ela precisa ser prevenida com métodos simples. Consulte um ginecologista e peça para que ele lhe explique sobre todos os métodos contraceptivos. E nunca se esqueça da camisinha, afinal, ela não previne somente a gravidez indesejada como também todo tipo de doenças sexualmente transmissíveis.

Comentários

Top da Semana

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…

Febre Chikungunya

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus.
Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Porém, a grande diferença da febre chikungunya está no seu acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

A febre chikungunya teve seu vírus isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela recebeu esse nome, pois chikungunya significa "aqueles que se dobram" no dialeto Makonde da Tanzânia, termo este usado para designar aqueles que sofriam com o mal. A doença, apesar de pouco letal, é muito limitante. O paciente tem dificuldade de movimentos e locomoção por causa das articulações inflamadas e doloridas, daí o "andar cur…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Instrumentação cirúrgica

Umas das principais frases que o instrumentador cirúrgico adora ouvir é: “Vamos entrar em campo”. O Instrumentador é fundamental para realização de uma cirurgia, e está presente desde o paciente mais compreensivo ao mais difícil de se fazer entender, desde a cirurgia mais simples até a mais complexa.
Mais do que conhecer os materiais específicos utilizados em cada tipo de operação, é fundamental que o instrumentador cirúrgico tenha bom relacionamento com os profissionais que estão à sua volta e seja comprometido com o trabalho para garantir o dia-a-dia na atividade.
O comprometimento vai muito além de montar a mesa cirúrgica e alcançar pinças ou segurar afastadores, é comprometimento com a vida de quem está ali aos cuidados da equipe cirúrgica, confiando que o cirurgião fará o seu melhor para garantir o sucesso do procedimento, porém isso não depende apenas dele. Depende também da atenção de quem o acompanha durante o ato, um instrumentador ágil, comprometido e atento ao procedimento, c…