Faça como Milhares de Outras Pessoas, Cadastre-se e Receba Atualizações Diretamente em seu e-mail!

A relevância da Anamnese e as dimensões técnicas e subjetivas no exame físico assistencial de Enfermagem



O trabalho ou exercício profissional é determinante do espaço social das profissões, as quais se inserem na multidimensionalidade desse espaço social que é complexo e exigente. A enfermagem é uma profissão crucial para a construção de uma assistência qualificada à saúde, cuja metodologia de trabalho deve ser clara, prática e coerente com a realidade local (BITTAT, PEREIRA, LEMOS 2006).

Há uma crescente preocupação por parte dos profissionais de saúde por busca de conhecimentos teórico, técnico e científicos, diante das responsabilidades na assistência aos pacientes, familiares e comunidades. Segundo Paula (2005), Souza e Barros (1998) apresentam as etapas do processo de enfermagem em seu histórico a anamnese e exame físico, diagnostico de enfermagem, prescrição de enfermagem, evolução de enfermagem como o plano de alta, sendo como instrumento que norteia a assistência permitindo a realização do diagnostico e planejamento das ações de Enfermagem, bem como avalição e evolução do paciente e prescrições e junto à equipe multiprofissional o plano para alta do paciente.

Competências no modo de organizar o trabalho, nas atitudes profissionais integradas aos sistemas sociais  de  relações,  nas  interações múltipla em suas diversas dimensões, abrangências e especificidades (ERDMANN, 2006).

O processo de enfermagem no Brasil, através de Wanda de Aguiar Horta em São Paulo implantou a Teoria das Necessidades Humanas Básicas englobada pela Teoria da Motivação Humana de Maslow na década de 1970 e a Classificação das Necessidades Humanas em biopsicossocial e espiritual de Mohana em 1964; onde possa ser suprida as necessidades assistenciais, lembrando que são enquadradas na metodologia cientifica por etapas: levantamento de dados, diagnostico, planejamento, execução e avaliação, ratificado na Lei do Exercício Profissional, Lei nº 7498/86, no artigo 8º, cabendo ao Enfermeiro:...a participação na elaboração, executar e avaliar planos de assistência, sistematizando, administrando e assumindo o papel na assistência de enfermagem junto a sua equipe.

O Processo de Enfermagem (PE)   é   a    dinâmica    das    ações sistematizadas   e   inter-relacionadas, que viabiliza    a    organização    da assistência de enfermagem. Com uma abordagem  ética  e  humanizada, dirigida  à  resolução  de  problemas, atendendo     às     necessidades     de cuidados de saúde na assistência de enfermagem a uma  pessoa. 

Levantamento Sistematizado dos dados do cliente em sua admissão ou quando na Consulta de Enfermagem denomina se Anamnese como a primeira etapa na aplicação de SAE permitindo ao Enfermeiro através de dados coletados, identificação de problemas, definir diagnósticos, planejamento e implementação em suas ações com a equipe. Segundo Cunha e Barros (2005) apresentou através do modelo conceitual de Horta, quatro tipos de coleta na primeira fase de dados no processo de enfermagem: dados subjetivos, objetivos, históricos e atuais; obtidos por entrevista, observação, exame físico, resultados de exames laboratoriais, revisão de prontuário e informações adicionais de outros profissionais.

No exame físico, busca se por avaliação dos sinais e sintomas, alterações no sistema físico e orgânico dentro do processo saúde-doença, realizado de maneira sistemática do encéfalo podalico e seguimentos do corpo, nas técnicas propedêuticas: inspeção, palpação, percussão e ausculta, usando recursos matérias: esfigmomanometro, estetoscópio, termômetro, diapasão, martelo de reflexo, especulo de Collin, lanternas, otoscopios, luvas de procedimento e estéril, caneta e bloco para anotações ou quando utensílios tecnológicos; ainda na avaliação do exame físico os órgãos do sentido se fazem necessário: visão, audição, tato e olfato.

Este estudo foi motivado durante praticas acadêmicas e quando na vida pratica profissional evidenciou a não aplicação da SAE nas suas etapas correspondentes a anamnese e ao exame físico pelos Enfermeiros.

O objetivo da pesquisa é descrever sobre a relevância da anamnese e as dimensões técnicas e subjetivas no exame físico na assistência pelo enfermeiro. A relevância do estudo possibilitara uma maior adesão e adequação ao tema, fazendo lhe com que sua atuação desenvolva na aplicação do processo nos serviços que resultara em rendimento, agilidade, criatividade e motivação para buscar mais sobre o assunto.


METODOLOGIA

O método adotado segue se uma revisão de literatura para uma melhor compreensão do objeto de estudo. A pesquisa foi desenvolvida através das bases de dados indexadas como lilacs e scielo, livros, revistas; entre os anos 2015 a 2019. De forma que os temas convergentes incluídos e de divergências excluídos conforme já explicitados: relevância da anamnese e as dimensões técnicas e subjetivas no exame físico para assistência de enfermagem.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A formação da Enfermagem é voltada para a assistência, centrada na execução de tarefas e procedimentos sob rígida disciplina desde os primórdios. Antigamente sem bases teóricas e sem fundamentação cientifica, era diretamente tecnicista  subordinada aos saberes médicos. No ano de 1543 foram criadas as primeiras Santas Casas de Misericórdia. Em 1979 criou se o Centro de Estudos e Pesquisas em Enfermagem – CEPEN, focando na assistência curativa em detrimento ao conhecimento cientifico relacionado à teoria e pratica. VIRGINIO e NOBREGA, 2004. 

Segundo Boaventura (2009) com o surgimento do Processo de Enfermagem torna se um instrumento metodológico para um raciocínio mais critico e julgamento clinico, composto por diagnósticos, intervenções e resultados de enfermagem com grande abrangência. Inserida nas escolas de enfermagem no Brasil nos anos de 1970 através de Wanda Horta usando a Teoria das Necessidades Humanas Básicas de Maslow (1970) e Mahona (1964). Primeiro evidenciou “O pensar a realidade, depois descreve o processo de enfermagem e após o aplica”; levando o aspecto central do processo de enfermagem e metodologia da assistência oportunizando o desenvolvimento da enfermagem e a difusão das teorias de enfermagem. 



Segundo Patine, Barboza e Pinto (2004) argumenta que a Lei 7498 de 25 de Junho de 1986, normatizou o exercício profissional estabelecendo os deveres privados do Enfermeiro no planejamento, organização, coordenação, execução e avaliação, prescrição, contidos no histórico de enfermagem onde desenvolvidos pela anamnese e o exame físico que antes somente o medico fazia. Já Longaray, Almeida e Cezaro (2008) acrescentam que na Resolução do Conselho Federal de Enfermagem - Cofen 272/2002 no Artigo 3º, SAE é descrito como parte do prontuário do paciente com as seguintes etapas: histórico de enfermagem, diagnostico de enfermagem, prescrição, evolução e relato de enfermagem. SAE em aplicabilidade, roteiro metodológico e conhecimento técnico-cientifico na pratica assistencial, de abordagem sistematizada da ao enfermeiro autonomia no organizar, planejar, executar e avaliar seus serviços prestados, segundo Kletemberg, Siqueira e Montavani (2006).


Processo de Enfermagem – Representação Esquemática estrutural da SAE, Fonte: TANNURE, 2010

Na visão holística o enfermeiro assiste e avalia o cliente nos aspectos biopsicossociais e espiritual com resgaste dos princípios de necessidades humanas básicas citados por Maslow, Mahona e Wanda. Lembrando que anamneses e exame físico completo favorece a confiança entre o profissional e cliente, na coleta de dados, identificação dos sinais e sintomas. Existe uma grande dificuldades na aplicação da assistência metodológica de enfermagem como instrumento cientifico devido as precárias condições de trabalho, quantitativos insuficientes de funcionários, a não valorização em aplicar SAE por profissionais recém-formados, priorização tecnicista curativa, um grande déficit na abordagem cientifica e preventiva. (FREITAS, NASS, SPONCHIADO, 2008).

Barros, Glashan, Michel (1996) afirma que como parte integrante do processo de enfermagem a anamnese e o exame físico demonstra ser um método sistematizado na prestação de assistência humanizado ao paciente, nas decisões e avaliação dos diagnósticos, prevenção de complicações, tratamento adequado ao cliente. Para que não haja deficiência nos diagnostico de enfermagem, planejamento, implementação e avaliação, ações inapropriados. 

Conforme Patine (2004), Freitas (2008) et al, Anamnese, consiste na pratica clinica em eventos pregressos a saúde, na classificação dos sinais e sintomas na assistência de enfermagem sendo fidedigna quando expressa pelo paciente em sua privacidade, exceto quando é uma criança ou quando o paciente  incapaz.
Na etapa do exame físico a busca criteriosa é essencial por alterações anatomo-fisiológico, sinais objetivos e verificação sobre problemas significativos de saúde, identificar os diagnósticos de enfermagem, subsídios para planejar a assistência, permitindo validação dos achados na anamnese, identificação de problemas, definição de diagnósticos de enfermagem, planejamento e implementação de ações de enfermagem e evolução do paciente tornando fundamental para as ações do enfermeiro, nos descreve (BARROS, GLASHAN, MICHEL,1996).

Realizado no sentido anatômico cefalo pedial, com minuciosa revisão dos seguimentos e regiões corporais. Pires e Méier (2007) dizem que o examinador imbuído de conhecimentos científicos em anatomia, fisiologia, fisiopatologia, diagnósticos por imagem, analises laboratoriais, patologia clinica e semiologia, atendo ao que o paciente expressa e a linguagem não verbal, detectara fácil os problemas assim como agilidade na intervenção. O método quando implementado e sistematizado cientificamente torna a assistência aos pacientes favorável em prevenir, promover, proteger, recuperar e manter a saúde dos usuários. 

GUEDES-SILVA, et. al. (2010) apresenta um estudo realizado   com acadêmicos usando a  SAE constatou   que   (93%)   conseguiram determinar as necessidades primárias   do   paciente   através   da SAE;    e que (87%)    tiveram    uma    maior interação     com     da     equipe     de enfermagem,  organização  da  prática da   enfermagem   e   perceberam   a sequência    lógica    da    assistência; (80%) acreditam que a SAE da respaldo nas   práticas   do   cuidado   e   (67%) na valorização   do    enfermeiro.

Anamnese composta por: Identificação. Queixa Principal (QP). História da Moléstia Atual (HMA). Revisão de Sistemas. História Patológica Pregressa. História Familiar. História Social/ Hábitos de vida. Roteiro para o Registro na folha de evolução clínica. No exame físico geral são avaliados os seguintes itens: Estado geral. Estado mental e nível de consciência. Pele, mucosas e anexos. Avaliação do sono e repouso. Avaliação do estado nutricional. Avaliação da condição de mobilidade. Avaliação das variações dos parâmetros vitais. A linguagem obedece a uma padronização que visa o entendimento entre enfermeiros de todo o mundo: os sistemas de Classificação de Diagnósticos de Enfermagem (North American Nursing Diagnosis Association - NANDA), Classificação das Intervenções de enfermagem (Nursing Interventions Classification - NIC) e Classificação dos Resultados de Enfermagem (Nursing Outcomes Classification – NOC). Para que funcione é necessária à realização acurada do exame físico. (SILVA, VALENTE, SABOIA, TEIXEIRA, 2014).

Considerações Finais

Sob supervisão de enfermeiros a enfermagem cada vez mais tem se profissionalizado e cientifica, deixando o foco tecnicista e trocado o empírico por bases consistentes para uma maior atuação. Com o advento das tecnologias e avanços nas pesquisas a enfermagem tem se apropriado de conhecimentos,, direitos e deveres, responsabilidades essas trazida pelas teorias, protocolos e sistemas que facilita a assistência, preconizando agilidades nas acoes com resultados satisfatórios, quebrando paradigmas de limitações antes imposta pela classe medica.

O profissionalismo da enfermagem se observa pelas leis, resoluções, etc. Onde especificamente nas etapas no processo de enfermagem se observa: histórico e diagnostico de enfermagem, prescrição e evolução de enfermagem, relatório de enfermagem.

Destacando com precisão nas ações de enfermagem a anamnese e o exame físico, instrumento que estabelece vinculo entre o profissional e o paciente, identificação de anormalidades no conjunto de fatores: biopsicossocial e espiritual, se traça metas, prescreve cuidados e avaliação dos mesmo, como esses registro, torna se um grande banco de dados para consultas e aprimoramento evolutivo cientifico e profissional da classe.

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

BITTAR, D.B.; PEREIRA, L. V.; LEMOS, R. C. A. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente crítico: proposta de instrumento de coleta de dados. Texto contexto - enferm. vol.15 no.4 Florianópolis Oct./Dec. 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072006000400010 http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072006000400010 
PAULA, J. C; A relevância do exame físico do idoso para a assistência de enfermagem hospitalar. Acta Paul Enferm 2005; 18(3):301-6.
ERDMANN, A.L. Gestão das práticas de saúde  na  perspectiva do    cuidado    complexo. Texto contexto - enferm,  v. 15,   n.  3,  2006 .  http://www.faema.edu.br/revistas/index.php/Revista-FAEMA/article/view/49/278 
SOUSA, V. D.; BARROS, A. L. B; O ensino do exame físico em escolas de graduação em enfermagem do município de São Paulo. Rev. Latino-Americano de Enfermagem 1998; 6(3): 11-22.
ALVES, A. R. Aplicação do Processo de Enfermagem: estudo de caso com uma puérpera. Rev. Brasileira Enfermagem, 2009; 60(3).
COFEN.   Conselho Federal de Enfermagem   Resolução   n. 358,  de  15  de  outubro  de  2009. Sistematização da Assistência de Enfermagem– SAE. Brasília, 2009.
CUNHA, S. M. B.; BARROS, A. L. B. L. Análise da implementação da Sistematização da Assistência de Enfermagem, segundo o Modelo Conceitual de Horta. Rev. Brasileira de Enfermagem, 2005; 58(5): 568-72.
VIRGINIO, N. A.; NOBREGA, M. M. L. Validação de instrumento de coleta de dados de enfermagem para clientes adultos hospitalizados. Rev. Brasileira de Enfermagem. 2004; 57(1): 53-6.
BOAVENTURA, A. P. Ensino Do Processo de Enfermagem: percepção dos alunos do curso de graduação em enfermagem. XI Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação. 2007, fev. 19; São José dos Campos (SP), Brasil. São José dos Campos: Universidade do Vale do Paraíba; 2009.
HORTA,  W.A. Processo  de enfermagem.  1.  São  Paulo(SP): EPU; 1979
PATINE, F. S.; BARBOZA, D. B.; PINTO, M. H. Ensino do exame físico em uma escola de enfermagem. Arq Ciênc Saúde 2004; 11(2).
TANNURE, M. C., PINHEIRO, A.M. SAE: Sistematização  da  Assistência de  Enfermagem.  Guia  Prático. 2° Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.
LONGARAY, V. K.; ALMEIDA, M. A.; CEZARO, P. Processo de enfermagem: reflexões de auxiliares e técnicos. Texto Contexto Enfermagem, 2008; 17(1): 150-7. 
KLETEMBERG, D. F.; SIQUEIRA, M. D.; MANTOVANI, M. F. História do Processo de Enfermagem na REBEn: 1960 – 1986. Esc AnnaNery. Rev. Enfermagem, 2006; 10(3): 478-86.
FREITAS, E. P.; NASS, F.; SPONCHIADO, F. Processo de enfermagem: Uma perspectiva para melhorar a qualidade da assistência [monografia]. Florianópolis. Escola de Enfermagem da Universidade do Estado de Santa Catarina; 2008.
BARROS, A. L. B.; GLASHAN, R. Q.; MICHEL, J. M. L. Bases propedêuticas para a prática de enfermagem: uma necessidade atual. Acta Paul Enfermagem. 1996; 9(1): 28-37.
PIRES, S. B.; MÉIER, M. J. A sistematização do cuidado em enfermagem: uma análise da implementação [dissertação]. Curitiba: Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Paraná; 2007.
GUEDES-SILVA, D., ARAUJO,    A..A.D.,    CAMPOS, F.A.A. Os problemas da sistematização    assistência    de enfermagem realizada em hospitais    sob    a    ótica    dos acadêmicos. 62º CBEn, 2010.
SILVA, C. M. C.; VALENTE, G. S. C.; SABOIA, V. M.; TEIXEIRA, E. R. O EXAME FÍSICO E O PROCESSO DE ENFERMAGEM: PARA ALÉM DO DUALISMO ENTRE TEORIA E PRÁTICA. Rev. enferm UFPE on line., Recife, 8(supl. 1):2281-6, jul., 2014. https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/9916/10194 


Contribuiu com este Artigo:


Natanael da Silva Ponciano

Formado Enfermeiro pela Universidade Augusto Mota – UNISUAM-RJ.
Licenciado em Biologia pela Universidade Castelo Branco – UCB-RJ 
e-mail: bio_enf.nsp3100@outlook.com

 
Enfermagem a profissão do cuidar