Pular para o conteúdo principal

Importância da mudança de decúbito ao paciente acamado


A Mudança de Decúbito visa proporcionar maior conforto ao paciente acamado, e tem como principal objetivo movimentar e/ou mudar a posição do paciente para evitar complicações devido imobilidade prolongada, contrações musculares e evitar lesões por pressão. 

Lesões por Pressão ocorrem devido a interrupção sanguínea em uma determinada área, que se desenvolve devido a uma pressão aumentada por um período prolongado, ocasionando falta de suprimento de oxigênio e nutrientes nos tecidos.

Prevenção de Lesões de Pressão:
A principal delas é a mudança frequente de posição, pois proporcionam relaxamento alternado dos diversos grupos de músculos do organismo.

Equipe de Enfermagem:
- Executar a prescrição de enfermagem;
- Solicitar auxílio de um colaborador;
- Lavar as mãos.



Procedimento:
- Identificar-se ao paciente;
- Conferir o nome e o leito;
- Orientar o paciente e/ou acompanhante quanto ao procedimento;
- Calçar luvas;
- Cada um dos colaboradores deverá posicionar-se de um lado do leito;
- Com a travessa, mobilizar o cliente para o lado oposto ao qual ele ficará;
- Dobrar o membro inferior oposto ao qual ele ficará;
- O colaborador do lado oposto, deverá colocar uma das mãos no ombro do cliente e a outra na flexão do joelho, puxando-o para cima;
- O colaborador posicionado atrás do cliente, deverá colocar  o "cochin", previamente protegido por um lençol, nas costas do mesmo evitando que retorne a posição anterior;
- Proteger a articulação dos joelhos colocando cochin entre eles;
- Levantar as grades de proteção;
- Deixar o cliente confortável e com a campainha ao seu alcance;
- Deixar o ambiente em ordem.


Decúbito Lateral

- Mover o paciente em um dos lados da cama em decúbito dorsal. O operador deve colocar-se ao lado da cama para o qual o paciente será virado. Flexionar os joelhos do paciente e coloca-lo distal sobre o tronco. 
- Segurar no ombro e no quadril distal do paciente, role-o sobre si para o centro da cama em direção ao operador;
- Apoiar as costas com os travesseiros ou coxins. Posicionar as pernas, estendendo a de baixo e flexionando a de cima e apoiando-as sobre a cama. Se o paciente permanecer nessa posição, colocar um travesseiro de apoio entre os joelhos.
- Apoiar os braços, os pés e as articulações em travesseiros ou coxins em uma posição anatômica e que ofereça mais conforto.
- Ajuste as cobertas e deixe o paciente confortável.
- Deixe sempre a unidade em ordem.
- Realizar anotações no prontuário. 

Decúbito Dorsal

- Manter a cabeça alinhada com a coluna vertebral, utilizar um travesseiro sobre a cabeça e o pescoço.
- Estender discretamente os membros superiores no nível dos cotovelos.
- Flexionar os membros inferiores, colocando um lençol sob os joelhos com um aro de borracha na região sacra.
- Manter os calcanhares livres, colocando um lençol sob as pernas e um suporte na região plantar.
- Prevenir o pé equino, colocando um suporte para manter os pés em ângulo de 90º com a perna.
- Virar o paciente em decúbito lateral com auxílio do lençol móvel.
- Soltar o lençol móvel de um lado.
- Colocar o paciente mais para a beira do leito, no lado oposto ao que se vai virá-lo.
- Cruzar a perna do paciente para o lado que se quer virar.
- Pegar o lençol móvel, enrole e puxe devagar para cima, até o paciente ficar virado de lado.
- Colocar um travesseiro entre as pernas, um para apoiar o dorso e outro no abdome.
- Deixar o paciente confortável e o ambiente em ordem.


Decúbito Ventral

- Primeiramente colocá-lo em decúbito lateral e, em seguida, colocar uma das mãos no ombro e a outra na região coxofemoral, para auxiliar o paciente a ficar na posição adequada.
- Colocar travesseiros sob as pernas, o peito e o abdome, deixando o ambiente confortável.

Importante:
- Trabalhar com movimentos firmes e seguros, utilizando a mão toda e não somente as pontas dos dedos;
- Ter as mãos sempre secas e quentes;
- Nunca movimentar sozinho um paciente obeso ou com dependência total;
- Usar sempre a mecânica corporal;
- Fazer movimentos sincronizados quando há dois ou mais operadores;
- Respeite as limitações do paciente;
- Manter a privacidade do paciente;
- Prestar atenção quando o paciente estiver com infusão venosa.

Para que drenos, sondas e outros aparelhos não sejam dobrados ou retirados em movimentos bruscos, planejar o movimento antes de escutá-lo.

Movimentação Ativa e Passiva

A movimentação ativa é quando o paciente participa gastando energia e fazendo esforço para exercitar seus músculos ativamente. Esse trabalho promove o aumento da força e do tônus muscular, melhorando também a mobilidade das articulações e favorecendo o bom funcionamento intestinal.

Na movimentação passiva não ocorre a participação do paciente: outra pessoa realiza os movimentos por ele, com o objetivo de melhorar a circulação sanguínea, aumentando assim a oferta de nutrientes e de oxigênio dos tecidos, prevenindo a formação de úlceras de pressão, evitando contraturas musculares etc.

A permanência no leito por tempo prolongado acarreta uma série de complicações, como: deformidades, atrofia muscular, complicações pulmonares e circulatórias. O tipo, a quantidade e a freqüência da movimentação passiva devem ser corretamente planejados.

Tipos de movimentos utilizados:

- Abdução: para fora do eixo central do corpo;
- Adução: realizado em direção ao eixo central do corpo;
- Flexão: curvar ou dobrar;
- Extensão: estender ou esticar;
- Rotação: girar, num movimento circular, em torno de um eixo fixo;
- Pronação: virar para baixo em direção ao chão;
- Supinação: virar para cima.

Estes movimentos devem ser realizados nas principais articulações dos membros superiores e inferiores: antebraços, mãos, dedos das mãos, joelhos, cotovelos, coxas, pés, dedos dos pés e tornozelos.

As articulações devem ser exercitadas até o seu limite de movimento, evitando-se forçá-las quando há resistência ou queixa de dor.

O enfermeiro deverá prescrever a mudança de decúbito, avaliando as condições clínicas do paciente.

Anotações de Enfermagem sobre mudança de decúbito do paciente

Registrar:
  • Horário em que foi realizado o cuidado.
  • Em que posição o paciente foi posicionado (dorsal, ventral, lateral direita ou esquerda).
  • Medidas de proteção (uso de coxins, etc.)
  • Sinais e sintomas observados (alterações cutâneas, etc.).




Top da Semana

Nervo Ciático inflamado: Causas, Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

O nervo ciático (ou isquiático) é o mais longo e espesso do corpo humano. Ele se origina no plexo lombo sacro, ou seja, na região lombar e é formado por diversas ramificações que se ligam às ultimas vértebras e à base da coluna vertebral e atravessam o quadril, os glúteos, a coxa, o joelho e o tornozelo.
Quando chega na metade do fêmur, o maior osso da coxa, o ciático se divide em fibular e tibial, que são ramificações que seguem pela perna.
A dor ciática caracteriza-se como uma dor persistente, semelhante a pequenos choques elétricos, sentida ao longo do trajeto do nervo ciático (coluna lombar, região posterior da coxa, pernas e pés). Pode vir acompanhada de formigamento, dormência ou fraqueza muscular no membro afetado e piora com o movimento. Nos casos mais graves, pode haver dificuldade para caminhar.

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…

Arrumação de leito hospitalar

A técnica tem como função proporcionar repouso, conforto e segurança ao cliente. O cliente (paciente) é o elemento principal de qualquer instituição de saúde. 
Considera-se paciente todo o individuo submetido a tratamento, controle especiais, exames e observações medicas. O paciente procura o hospital quando atingido pela doença, cria nele angustia, inquietação, que leva a exagerar o poder e conhecimento sobre os profissionais que o socorrem, muitas vezes torna-se difícil o tratamento do doente, originando problemas de relacionamento (paciente pessoal).
Quando uma pessoa esta doente, precisa de ajuda para muitas das tarefas que habitualmente realiza sozinha. Parte do trabalho das pessoas que se dedicam, ao cuidado do paciente em um hospital é manter agradável o local que o cerca. Ficar em quarto limpo e com tudo em ordem ajudará o paciente a sentir-se melhor e tornará sua permanência no hospital mais agradável.
O leito é um fator importante na obtenção de repouso e conforto, sendo impres…