Pular para o conteúdo principal

Nervo Ciático inflamado: Causas, Sintomas, Diagnóstico e Tratamento


O nervo ciático (ou isquiático) é o mais longo e espesso do corpo humano. Ele se origina no plexo lombo sacro, ou seja, na região lombar e é formado por diversas ramificações que se ligam às ultimas vértebras e à base da coluna vertebral e atravessam o quadril, os glúteos, a coxa, o joelho e o tornozelo.

Quando chega na metade do fêmur, o maior osso da coxa, o ciático se divide em fibular e tibial, que são ramificações que seguem pela perna.

A dor ciática caracteriza-se como uma dor persistente, semelhante a pequenos choques elétricos, sentida ao longo do trajeto do nervo ciático (coluna lombar, região posterior da coxa, pernas e pés). Pode vir acompanhada de formigamento, dormência ou fraqueza muscular no membro afetado e piora com o movimento. Nos casos mais graves, pode haver dificuldade para caminhar.


Uma das principais causas de dor no nervo ciático é a hérnia de disco, que comprime a raiz do nervo na coluna vertebral, gerando dor. A dor ciática também pode ser causada por inflamação do nervo, hérnia de disco, mudanças posturais da gravidez, anormalidades anatômicas do nervo ciático, contraturas musculares, esforço e movimentos bruscos da coluna, entre outras causas.

Para curar o nervo ciático inflamado deve-se realizar o tratamento indicado pelo ortopedista ou pelo fisioterapeuta, com remédios, exercícios, e por vezes, fisioterapia.



As causas de dor no nervo ciático incluem:

Má postura e movimentos repetitivos

Posturas inadequadas por tempo prolongado, atividades desportivas ou de trabalho que sejam repetitivas ou desgastantes em demasia também podem originar lesões.

Traumas

As principais causas do desconforto são os traumas diretos que ocorrem por fatores mecânicos e extrínsecos, como quedas e contusões.

Hérnia de disco e doenças

O deslocamento de um ou mais discos intervertebrais com compressão dos forames ou orifícios por onde passa o nervo também pode gerar inflamação e dor, a qual é conhecida como ciatalgia.

As hérnias de disco lombo sacras podem ser relacionadas a infecções como herpes simples ou zoster, mononucleose, diabetes, diversos tipos de câncer, doenças autoimunes, problemas metabólicos, doenças hereditárias e raras.


Sintomas de nervo ciático inflamado

  • Dor em formigamento, dormência ou choque na coluna, glúteo, perna ou planta do pé.
  • Sensação de queimação, fisgada ou perna cansada.
  • Fraqueza numa ou nas duas pernas.
  • Dor que piora ao ficar muito tempo parado.
  • Dificuldade para caminhar ou ficar muito tempo na mesma posição.
Os sintomas se dividem em dois grupos:

Motores

  • Dor lombar que irradia por toda a face lateral, posterior ou anterior da coxa;
  • Dificuldade de erguer o pé, estender o joelho ou mexer o quadril;
  • Disfunção urinária, pode ocorrer caso alguns ramos sacrais forem comprometidos.
Sensitivos

  • Dormência na perna
  • Formigamento
  • Sensação de choque
  • Sensação de agulhamento
  • Perda de sensibilidade na planta do pé e em outras regiões dos membros inferiores

Diagnóstico

O diagnóstico da dor ciática pode ser feito pelo médico ortopedista ou pelo fisioterapeuta com base nos sinais e sintomas apresentados. O teste que consiste em comprovar a alteração do nervo ciático pode ser feito no consultório, ficando deitado de barriga para cima e levanta-se a perna esticada da maca, se houver dor ou sensação de formigamento, o teste indica compressão ciática. Se houver dor na outra perna, isso indica grave alteração da coluna, como uma hérnia de disco extrusa.

Exames de imagem (raio X e ressonância magnética) podem ser úteis para avaliar a coluna, ajudando a identificar o que está comprimindo o nervo.



Tratamento

É planejado junto ao médico e inclui exercícios orientados por um fisioterapeuta e medidas caseiras, como repouso pontual e uso domiciliar de compressas locais de gelo e calor.

Pode ser feito uso de remédios analgésicos, anti-inflamatórios em forma de comprimidos, pomadas, uso de bolsas de calor e fisioterapia com exercícios específicos.

Remédios mais utilizados: Paracetamol, Ibuprofeno (Motrin, Advil), ou os mais fortes como o Tramadol. Poderá ser receitado pelo ortopedista relaxante muscular, tais como ciclobenzaprina (Flexeril) e o Diazepan.

Injeções espinhais: Uma injeção de um medicamento anti-inflamatório semelhante à cortisona na parte inferior das costas pode ajudar a reduzir o inchaço e a inflamação das raízes nervosas, permitindo maior mobilidade.

Cirurgia pode ser necessária para pessoas que não respondem ao tratamento conservador:

Microdiscectomia: Este é um procedimento usado para remover fragmentos de uma hérnia de disco.

Laminectomia: O osso que se curva e cobre a medula espinhal (lâmina) e o tecido que está causando pressão sobre o nervo ciático são removidos.

Comentários

Top da Semana

Oxímetro de Pulso

oxímetro de pulso é um dispositivo médico que mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que o sangue está transportando. Trata-se de uma monitorização não invasiva da saturação de oxigênio do sangue arterial.
O nível de oxigênio mensurado com um oxímetro é chamado de nível de saturaçãode oxigênio (abreviado como O2sat ou SaO2). A SaO2 é a porcentagem de oxigênio que seu sangue está transportando, comparada com o máximo da sua capacidade de transporte. O padrão de normalidade varia entre 90 - 100% de SpO2.


O Oxímetro substitui a necessidade de Gasometria Arterial?
O oxímetro mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que é transportada pelo sangue, e não é invasivo. Já a gasometria arterial é um procedimento invasivo e mensura diretamente tanto a quantidade de oxigênio transportada pelo sangue quanto a de gás carbônico (dióxido de carbono). 
Material necessário para instalação do Oxímetro: Equipamento: Oxímetro de pulso;Sensor adulto ou infantil (permanente ou descartável);Álcool…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Cuidados com a Gastrostomia

Gastrostomia e jejunostomia são procedimentos cirúrgicos para a fixação de uma sonda alimentar. Um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno, objetivando uma comunicação entre a cavidade do estômago e a parede do abdômen.
O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e "porcionamento" da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.
A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…