Pular para o conteúdo principal

Cateterismo Vesical (Sondagem Vesical)


É a introdução de uma sonda estéril através da uretra até a bexiga, com o objetivo de drenar a urina.

Deve-se utilizar técnica asséptica no procedimento a fim de evitar uma infecção urinária no cliente.

A Resolução nº 450/2013, publicada em dezembro pelo COFEN - Conselho Federal de Enfermagem, estabelece as competências da equipe de Enfermagem em relação ao procedimento de Sondagem Vesical (introdução de cateter estéril, através da uretra até a bexiga, para drenar a urina). Segundo o Parecer Normativo, aprovado pela Resolução, a inserção de cateter vesical é função privativa do Enfermeiro, em função dos seus conhecimentos científicos e do caráter invasivo do procedimento, que envolve riscos ao paciente, como infecções do trato urinário e trauma uretral ou vesical.O Parecer ressalta que ao Técnico de Enfermagem compete a realização das atividades prescritas pelo Enfermeiro no planejamento da assistência, a exemplo de monitoração e registro das queixas do paciente e condições do sistema de drenagem, do débito urinário; manutenção de técnica limpa durante o manuseio do sistema de drenagem e coleta de urina para exames; monitoração do balanço hídrico – ingestão e eliminação de líquidos, sempre sob supervisão e orientação do Enfermeiro.
O Cateterismo vesical tem por finalidade aliviar a distensão da bexiga, obstrução do trato urinário, coleta de urina estéril para exames, retenção urinária ou infecção por paralisia neurogênica de bexiga, monitorização rigorosa do débito urinário, preparar para as cirurgias principalmente abdominais, promover drenagem continua ou intermitente e auxiliar no diagnóstico das lesões traumáticas do trato urinário.

Material necessário para execução da técnica

Bandeja de cateterismo estéril com:
- Cuba rim
- Cúpula
- Pinça kocher
- Gazes dobradas
- Luva estéril
- Sonda vesical com calibre apropriado
- Povidine tópico
- Lidocaína gel
- Material para lavagem externa (degermação)
- Agulha de Aspiração (quando necessário)
- Seringa de 20 ml (para o sexo masculino utilizado para lubrificar a mucosa da uretra com a introdução de Lidocaína gel)

Em sondagem Vesical de demora é necessário acrescentar:
- Seringa com água destilada para insuflar o balão da sonda
(Ampola de água destilada + agulha para aspiração e seringa)
- Esparadrapo/Micropore ou fixador apropriado para fixação da sonda;
- Extensão de sonda e bolsa coletora (que deverá ser conectado na via de drenagem da sonda antes da realização da sondagem);

*** Utilizar sempre sistema de drenagem fechado estéril



* Para sondagem vesical de alívio, utilizar sonda apropriada (sem balão/cuff)
** Para sondagem vesical de demora, utilizar sonda apropriada (com balão/cuff) – que deverá ser testado antes da introdução na uretra.

Técnica

- Explicar ao paciente o que será feito;
- Preparar o material e o ambiente;
- Cercar a cama com biombo;
- Fazer lavagem externa (degermação da genitália);
- Lavar as mãos
- colocar a bandeja com o material na mesa de cabeceira
- Abrir o pacote de cateterismo junto ao paciente, despejando o produto para anti-sepsia na cúpula (povidine), com técnica asséptica,
- Abrir a embalagem da sonda indicada e colocar junto a cuba rim, sem contaminar;
- Colocar o lubrificante sobre uma das gazes do pacote (será utilizada para o sexo feminino, no caso da sondagem masculina seringa preenchida com lidocaína gel).
- posicionar paciente (Sexo feminino: posição ginecológica e Sexo Masculino: decúbito dorsal com as pernas juntas).
- Calçar as luvas
- Fazer a anti-sepsia com a pinça montada da seguinte forma:

Sexo feminino:

- Posicionar o material adequadamente e lubrificar a ponta da sonda com a mão enluvada
- Separa os pequenos lábios com o polegar e o indicador de uma mão e não retirar a mão até introduzir a sonda
- passar uma gaze molhada no anti-séptico entre os grandes e pequenos lábios do lado distal de cima para baixo em um só movimento (clitóris, uretra, vagina)
- Com outra gaze fazer o mesmo do lado proximal
- Umedecer a última gaze e passar sobre o meato urinário.
- Lubrificar a ponta da sonda na lidocaína que está na gaze;
- Segurar a sonda com a mão direita (dominante) e introduzir no meato urinário.



Sexo masculino:

- Com o polegar e o indicador da mão esquerda (não dominante) afastar o prepúcio que cobre a glande e fazer a anti-sepsia na glande com a pinça montada em gaze umedecida no anti-séptico, e por último passar uma gaze com anti-séptico no meato urinário.
- Injetar a lidocaína na uretra;
- Segurar a sonda com a mão direita (dominante) e introduzir no meato urinário.



No caso de sondagem vesical de alívio (aberta): deixar a outra extremidade da sonda dentro da cuba rim, verificando a saída da urina.
Após toda drenagem, retirar a sonda, realizar higiene intima no paciente, recompor a unidade e realizar anotações de enfermagem.

No caso de sondagem vesical de demora (sistema fechado): com a seringa de água destilada conectar na sonda vesical na via do cuff e preencher o balão com 10 ml;
- Fixar a sonda vesical com esparadrapo/micropore ou fixador apropriado (locais de fixação – Homem: Inguinal ou suprapúbica, hipogástrica – Mulheres: Face interna da coxa).
- Fixar o coletor no leito abaixo do nível da bexiga sem encosta-la no chão;
- Realizar higiene intima no paciente, recompor a unidade e realizar anotações de enfermagem.





Top da Semana

Insuficiência Venosa Crônica e os cuidados de enfermagem

A insuficiência venosa crônica é definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser resultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida.
O resultado dessa disfunção no sistema venoso é a instalação de um estado de hipertensão venosa. Essa sobrecarga venosa ocorre devido à intensificação do fluxo sanguíneo retrógrado que sobrecarrega o músculo da panturrilha a ponto deste não conseguir bombear quantidades maiores de sangue, na tentativa de contrabalançar a insuficiência das válvulas venosas.



As úlceras podem causardor local, edema, podendo apresentar exsudato e odor fétido. A sua localização mais frequente é em torno do maléolo medial e do terço distal da perna.
Etiopatogenia
1 – Próprios da patologia venosa periférica • Obstrução venosa profunda (Síndrome pós-trombólica*) •…

Febre Chikungunya

Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus.
Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Porém, a grande diferença da febre chikungunya está no seu acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

A febre chikungunya teve seu vírus isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela recebeu esse nome, pois chikungunya significa "aqueles que se dobram" no dialeto Makonde da Tanzânia, termo este usado para designar aqueles que sofriam com o mal. A doença, apesar de pouco letal, é muito limitante. O paciente tem dificuldade de movimentos e locomoção por causa das articulações inflamadas e doloridas, daí o "andar cur…

Instrumentação cirúrgica

Umas das principais frases que o instrumentador cirúrgico adora ouvir é: “Vamos entrar em campo”. O Instrumentador é fundamental para realização de uma cirurgia, e está presente desde o paciente mais compreensivo ao mais difícil de se fazer entender, desde a cirurgia mais simples até a mais complexa.
Mais do que conhecer os materiais específicos utilizados em cada tipo de operação, é fundamental que o instrumentador cirúrgico tenha bom relacionamento com os profissionais que estão à sua volta e seja comprometido com o trabalho para garantir o dia-a-dia na atividade.
O comprometimento vai muito além de montar a mesa cirúrgica e alcançar pinças ou segurar afastadores, é comprometimento com a vida de quem está ali aos cuidados da equipe cirúrgica, confiando que o cirurgião fará o seu melhor para garantir o sucesso do procedimento, porém isso não depende apenas dele. Depende também da atenção de quem o acompanha durante o ato, um instrumentador ágil, comprometido e atento ao procedimento, c…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…