Pular para o conteúdo principal

Tontura: Tratamento e Causas

A tontura é considerada um sintoma de alguma alteração no organismo, que nem sempre indica uma doença ou condição grave. Na maioria das vezes acontece por uma situação conhecida como labirintite, ou também pode indicar alterações no equilíbrio, queda da pressão arterial, alterações na função do coração ou efeito colateral de medicamentos.

Dessa forma, a tontura pode ser mais especificamente descrita como uma das sensações:
  • Falsa sensação de movimento ou de rotação (vertigem)
  • Sensação de desmaio
  • Perda de equilíbrio ou instabilidade
  • Outras sensações como flutuar ou nadarQuando sentir tontura deve manter os olhos abertos, parar, e olhar para um ponto fixo localizado à sua frente. Ao fazer isso durante alguns segundos normalmente a sensação de tontura passa de forma rápida. A vertigem acontece quando se está parado e sente as coisas se movimentarem sozinhas, e parece que o mundo está rodando à sua volta. Essa situação é muito comum, e normalmente é benigna, e tem cura, podendo ser solucionada com exercícios oculares e uma técnica específica que melhora as crises de vertigem em poucas sessões.
Causas de tontura

Há inúmeras formas de tontura, que pode aparecer sozinha ou acompanhada de outros sintomas como náuseas, fraqueza nas pernas ou dor de cabeça. As principais causas são:

A labirintite é a causa mais comum de vertigem, é o tipo de tontura que dá a sensação que tudo está girando ao redor, que pode vir acompanhada de enjoo e zumbido, e normalmente acontece por alterações no ouvido. A vertigem costuma dar tontura mesmo ao estar deitado, e é comum que ela seja desencadeada com movimentos feitos com a cabeça, como virar de lado na cama ou olhar para o lado.

O tratamento para a vertigem paroxística benigna é feito pelo otorrino, que pode fazer algumas manobras de reposicionamento dos otólitos, chamada de manobra de Epley, além de recomendar o uso de remédios como Betaístina, de uso diário, e Dramin, nas crises. Além disso, é recomendado observar a presença de rolhas de cera no ouvido, além de evitar o estresse e o consumo de cafeína, açúcar e cigarro, que são situações que podem piorar a crise de tontura. Outras situações de vertigem menos comuns são a labirintite causada por inflamações ou infecções do ouvido, neurite vestibular e doença de Meniére.
A sensação de desequilíbrio é outra importante causa de tontura, e acontece por causar a sensação de estar cambaleante ou com perda do equilíbrio. Esta situação pode causar tontura constante e, geralmente, acontece nos idosos ou em situações de: Alterações da visão, como catarata, glaucoma, miopia ou hipermetropia; Doenças neurológicas, como Parkinson, AVE,  tumor cerebral ou Alzheimer; Pancada na cabeça, que pode causar lesões temporárias ou permanentes na região cerebral que regula o equilíbrio; Perda da sensibilidade nos pés e pernas, causada pelo diabetes; Consumo de álcool ou drogas, que alteram a percepção e a capacidade de funcionamento do cérebro; Uso de remédios que podem alterar o equilíbrio, como Diazepam, Clonazepam, Fernobarbital, Fenioína e Metoclopramida.

Para tratar o desequilíbrio, é necessário resolver a causa, adequado tratamento da visão com o oftalmologista ou da doença neurológica com o neurologista. Também é importante a consulta com o geriatra ou clínico geral para que sejam feitos os ajustes da medicação de acordo com a condição e a necessidade de cada pessoa.



A queda de pressão também é responsável por causar tontura. Acontece por alterações cardíacas e da circulação é chamada de pré-sincope ou hipotensão ortostática, e surge quando a pressão cai e o sangue não é bombeado adequadamente para o cérebro, causando a sensação de desmaio ou de escurecimento e surgimento de pontos brilhantes na visão.

A queda brusca da pressão, chamada de hipotensão ortostática, e surge por um defeito no ajuste da pressão, que normalmente não é grave, e acontece por mudanças na postura, como se levantar da cama ou cadeira; Por problemas cardíacos, como arritmias ou insuficiência do coração, que dificultam o fluxo de sangue pela circulação; Uso de alguns remédios que causam quedas de pressão, como diuréticos, nitrato, metildopa, clonidina, levodopa e amitriptilina, principalmente em idosos; Gravidez, pois é um período em que há mudanças na circulação e pode haver diminuição da pressão arterial devido ao peso do útero sobre os vasos sanguíneos. Saiba mais detalhes em como evitar e aliviar a tontura na gravidez. A anemia e hipoglicemia, apesar de não causarem queda da pressão, alteram a capacidade do sangue levar oxigênio e nutrientes para as células cerebrais, e podem causas a sensação de tontura. 

O tratamento depende da resolução da sua causa, que pode ser feita com um cardiologista, geriatra ou clínico geral, que podem fazer a investigação com exames e ajustes necessários.



As alterações psicológicas, como depressão e ansiedade causam tontura, pois desencadeiam a síndrome do pânico e de alterações na respiração. Estas situações provocam uma tontura que, geralmente, é acompanhada de falta de ar, tremores e formigamento nas extremidades, como mãos, pés e boca.
O tratamento da ansiedade deve ser feito com psicoterapia e, se necessário, medicamentos antidepressivos ou ansiolíticos, prescritos pelo psiquiatra. 

REFERÊNCIAS

Frazão, Arthur. Tontura: Causas, tipos e tratamento. Disponível em https://www.tuasaude.com/causa-da-tontura/ Acesso em 04/11/2018.

Tontura: tratamentos e causas. Disponível em https://www.minhavida.com.br/saude/temas/tontura Acesso em 04/11/2018.

Tontura: O Que Pode Ser? Disponível em https://www.opas.org.br/tontura-o-que-pode-ser/ Acesso em 04/11/2018.

Top da Semana

Nervo Ciático inflamado: Causas, Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

O nervo ciático (ou isquiático) é o mais longo e espesso do corpo humano. Ele se origina no plexo lombo sacro, ou seja, na região lombar e é formado por diversas ramificações que se ligam às ultimas vértebras e à base da coluna vertebral e atravessam o quadril, os glúteos, a coxa, o joelho e o tornozelo.
Quando chega na metade do fêmur, o maior osso da coxa, o ciático se divide em fibular e tibial, que são ramificações que seguem pela perna.
A dor ciática caracteriza-se como uma dor persistente, semelhante a pequenos choques elétricos, sentida ao longo do trajeto do nervo ciático (coluna lombar, região posterior da coxa, pernas e pés). Pode vir acompanhada de formigamento, dormência ou fraqueza muscular no membro afetado e piora com o movimento. Nos casos mais graves, pode haver dificuldade para caminhar.

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…

Acesso venoso periférico: Técnica, Estabilização e tipo de Curativo

A punção venosa periférica é certamente o procedimento mais realizado nos atendimentos de emergências, além de ser o procedimento invasivo mais comum realizado pela enfermagem. Pelo menos 90% dos pacientes hospitalizados necessitam, em algum momento de um acesso venoso para realização de terapia intravenosa.
É a via de administração de medicação diretamente nas veias, nela é possível fazer medicação em grande quantidade e aquelas que pela via oral não são possíveis de administrar. São dois tipos: acesso venoso periférico, que é a inserção de um cateter nos membros (braço, mão, perna, etc.) e acesso venoso central, este é utilizado em pacientes que necessitam de grandes quantidades de medicamento e soro - é uma via calibrosa para infusão de algumas medicações específicas, como quimioterapia, dieta parenteral.

Acesso venoso periférico (membros):
O acesso venoso periférico pode ser puncionado por enfermeiros, técnicos de enfermagem e médicos. As vias de acesso preferenciais são as veias dos…