Pular para o conteúdo principal

Passagem de cateter vesical de demora em paciente do sexo masculino


O cateterismo vesical é um procedimento estéril que consiste na introdução de uma sonda até a bexiga, através da uretra, com a finalidade de facilitar a drenagem da urina ou inserir medicação ou líquido, com tempo de permanência longo (pode variar de dias a meses), determinado pelo médico.

Tem o objetivo de controlar o volume urinário, possibilitar a eliminação da urina em pacientes imobilizados, inconscientes ou com obstrução, intraoperatório em diversas cirurgias. Quando indicado, é aplicado em pacientes adultos e pediátricos internados, ambulatoriais e de pronto atendimento com prescrição médica.


Responsabilidade pela Execução do Procedimento:

A Resolução nº 450/2013, publicada em dezembro pelo COFEN - Conselho Federal de Enfermagem, estabelece as competências da equipe de Enfermagem em relação ao procedimento de Sondagem Vesical (introdução de cateter estéril, através da uretra até a bexiga, para drenar a urina). Segundo o Parecer Normativo, aprovado pela Resolução, a inserção de cateter vesical é função privativa do Enfermeiro, em função dos seus conhecimentos científicos e do caráter invasivo do procedimento, que envolve riscos ao paciente, como infecções do trato urinário e trauma uretral ou vesical. O Parecer ressalta que ao Técnico de Enfermagem compete a realização das atividades prescritas pelo Enfermeiro no planejamento da assistência, a exemplo de monitoração e registro das queixas do paciente e condições do sistema de drenagem, do débito urinário; manutenção de técnica limpa durante o manuseio do sistema de drenagem e coleta de urina para exames; monitoração do balanço hídrico – ingestão e eliminação de líquidos, sempre sob supervisão e orientação do Enfermeiro.

Materiais Necessários:

  • kit de sondagem vesical: Inclui sonda tipo “Folley” e coletor de urina de sistema fechado;
  • Bandeja estéril para o procedimento com cubas e pinças;
  • Tamanho das sondas: Neonatal 4-6 French; pediátricas 6-10 French; Adulto 12-24 French; Biombo;
  • Campo estéril e um campo fenestrado;
  • Um par de luvas estéreis;
  • Um par de luvas de procedimento;
  • Compressas ou luvas de banho;
  • Água e sabão neutro;
  • Clorexidina degermante;
  • Clorexidina aquosa 2%;
  • Uma sonda vesical, duas ou três vias de calibre adequado;
  • Xilocaína geleia 2%;
  • Dois a três pacotes de gaze;
  • Uma seringa de 5 ml (se paciente pediátrico) ou 20 ml (se paciente adulto) – deve ter ponta luer slip, simples – que encaixe no dispositivo de preenchimento do balonete da sonda;
  • 5 a 15 ml de água destilada (depende se pediátrico ou adulto);
  • Fita adesiva hipoalergênica (microporosa);
  • Uma agulha de aspiração (40×12).
Etapas do procedimento em pacientes do sexo masculino

  • Lavar as mãos.
  • Reunir o material e levar até a paciente.
  • Promover ambiente iluminado e privativo.
  • Explicar o procedimento ao paciente ou acompanhantes, se for o caso.
  • Calçar luvas de procedimento.
  • Verificar as condições de higiene do pênis tendo o cuidado de expôr a glande para higienização eficaz, se necessário, higienize com água e sabão.
  • Posicionar a paciente em decúbito dorsal.
  • Retirar as luvas de procedimento.
  • Higienizar as mãos.
  • Organizar o material sobre uma mesa ou local disponível.
  • Abrir o pacote de sondagem, acrescentando quantidade suficiente de antisséptico na cuba rim, pacotes de gaze sobre o campo estéril, seringas e agulha para aspiração.
  • Calçar as luvas estéreis.
  • Aspire a água destilada na seringa (com auxílio de um colega para segurar a ampola).
  • Teste o cuff e a válvula da sonda instilando a água destilada.
  • Conecte a sonda no coletor de urina sistema fechado, feche o clamp de drenagem que fica no final da bolsa e certifique-se que o clamp do circuito próximo da sonda esteja aberto.
  • Dobrar, aproximadamente, sete folhas de gaze e colocar na cuba com a clorexidina degermante.
  • Coloque lubrificante anestésico (Pediátrico: 3-5 mL. Adulto: 10-15 mL) na seringa, com a ajuda de um colega para apertar o tubo. Em Recém-nascidos, coloque uma porção do lubrificante anestésico (após descartar o primeiro jato) sobre o campo e/ou sobre a extremidade da sonda.
  • Proceder à higiene do pênis com as gazes que foram embebidas na clorexidina no sentido anteroposterior e lateral-medial com o auxílio das pinças.
  • Posicione o pênis do paciente perpendicularmente ao corpo.
  • Colocar o campo fenestrado.
  • Com a mão não dominante segurar o pênis. Injete lentamente o lubrificante anestésico no orifício uretral e aguarde de 3 a 5 min para o efeito anestésico do gel.
  • Com a mão não dominante segurar o pênis, em seguida, com a mão dominante, introduzir a sonda até retornar urina no intermediário da bolsa coletora, sendo seguro introduzir mais uma porção a fim de evitar inflar o balonete no canal uretral, pois o equipamento deve ser inflado no interior da bexiga urinária.
  • Inflar o balonete com água destilada e tracionar a sonda para verificar se está fixa na bexiga.
  • Retirar o campo fenestrado.
  • Remover o antisséptico da pele do paciente com auxílio de uma compressa úmida, secando em seguida.
  • Posicione o pênis sobre a região supra púbica e fixe a sonda com adesivo hipoalergênico, tendo o cuidado de não deixá-la tracionada.
  • Pendurar a bolsa coletora em suporte localizado abaixo do leito (e não nas grades).
  • Auxilie o paciente a se vestir e/ou coloque a fralda descartável.
  • Deixe o paciente confortável.
  • Recolher o material, providenciando o descarte e armazenamento adequado.
  • Lavar as mãos novamente, retornar e identificar a bolsa coletora com nome do paciente, data, turno e nome do enfermeiro responsável pelo procedimento.
  • Registrar o procedimento no prontuário e/ou folha de observação complementar do paciente, atentando para as características e volume urinário
Você pode também ter interesse em ler:




Comentários

  1. Gostei muito destas informações.
    Show.
    Gostaria de receber as atualizações com frequência.
    Favor enviar para o meu WhatsApp ou para o meu E-mail: elisreginadeoliveiraferreira@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para receber todas postagens de nosso blog, basta cadastrar seu e-mail https://www.enfermagemnovidade.com.br/p/receba-novidades-direto-em-seu-e-mail.html

      Excluir

Postar um comentário

Top da Semana

Oxímetro de Pulso

oxímetro de pulso é um dispositivo médico que mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que o sangue está transportando. Trata-se de uma monitorização não invasiva da saturação de oxigênio do sangue arterial.
O nível de oxigênio mensurado com um oxímetro é chamado de nível de saturaçãode oxigênio (abreviado como O2sat ou SaO2). A SaO2 é a porcentagem de oxigênio que seu sangue está transportando, comparada com o máximo da sua capacidade de transporte. O padrão de normalidade varia entre 90 - 100% de SpO2.


O Oxímetro substitui a necessidade de Gasometria Arterial?
O oxímetro mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que é transportada pelo sangue, e não é invasivo. Já a gasometria arterial é um procedimento invasivo e mensura diretamente tanto a quantidade de oxigênio transportada pelo sangue quanto a de gás carbônico (dióxido de carbono). 
Material necessário para instalação do Oxímetro: Equipamento: Oxímetro de pulso;Sensor adulto ou infantil (permanente ou descartável);Álcool…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Cuidados com a Gastrostomia

Gastrostomia e jejunostomia são procedimentos cirúrgicos para a fixação de uma sonda alimentar. Um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno, objetivando uma comunicação entre a cavidade do estômago e a parede do abdômen.
O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e "porcionamento" da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.
A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…