Pular para o conteúdo principal

Assistência de enfermagem e os impactos nas rotinas administrativas e financeiras da Instituição

Sabemos da importância, do valor do trabalho da equipe de enfermagem e equipes multidisciplinares sobre os cuidados com o paciente e sem este cuidado o que seria de nossos pacientes, não é mesmo?

Nas rotinas administrativas e financeiras de uma instituição, muitos processos giram em torno da assistência de enfermagem, desde as admissões dos pacientes, procedimentos e dispositivos relatados em prontuário até mesmo a organização e preenchimento de todos os campos dos impressos ou nas telas dos prontuários eletrônicos.

Atualmente ainda, encontramos poucas instituições de ensino ou hospitalares que investem em conhecimentos das rotinas administrativas hospitalares e os impactos financeiros para as equipes de enfermagem ou multidisciplinares demonstrando prazos de liberações de um prontuário e as razões, quais são os critérios de atendimento de cada operadora na instituição, qual a origem e o que significa glosa em contas médicas, demonstração sobre os rigores das autorizações para determinados exames, até mesmo o significado da existência dos centros de custos em unidades, controle de materiais, estoques, planilhas entre outros estudos tão importantes onde a enfermagem obrigatoriamente está inserida.

Assim como em nossas casas onde o correto é organizar nossos orçamentos, as instituições também organizam e controlam seus gastos e daí a importância de sabermos sobre o impacto de nossas ações, como por exemplo: devolução de materiais não utilizados (Leia esta matéria sobre a Importância da Auditoria nos Serviços de Saúde).

Tendo em vista o fato de muitas instituições serem cada vez mais auditadas seja por contas hospitalares, seja por auditoria qualidade por conta de alguma classificação de mercado, além do avanço em tecnologias e mudanças constantes das legislações em saúde, daí a importância de muitas informações para que tenhamos o menor impacto negativo possível.

Levando em consideração que as auditorias buscam as evidências é importante dizer que uma assistência realizada é uma assistência prescrita, anotada e evoluída.

Importante dizer que em uma conta hospitalar são muitos os serviços envolvidos e quando há o cruzamento de leitura entre o prontuário e a conta hospitalar há muitas descobertas, desde a entrada do paciente na recepção até sua alta ou óbito.

Sim, é muito vibrante quando visualizamos a assistência de qualidade retratada em prontuário, pois somente assim entendemos tudo o que foi feito com o cliente, por exemplo: quais e quantos dispositivos ele utilizou, como foi  e qual o momento da admissão na unidade, quem instalou seu oxigênio e momento retirado, os momentos dos acessos venosos e materiais utilizados. Como estava sua ferida, profundidade, como e quando foi tratada, se houve passagem de dispositivo vesical ou venoso central, qual via e momento nutrição, bem como suas eliminações, quem o levou para passear no corredor, se estava acompanhado de seu familiar, quais os sinais vitais e demais controles.

Infelizmente vemos os momentos mais complicados também, quando necessário as intervenções em leito ou em centros cirúrgicos, maioria com ótima recuperação, mas também e naturalmente existem as complicações, pois neste momento a atenção foi tão intensa que passou despercebido uma prescrição ou uma anotação, perfeitamente compreensível aos olhos do perfil de um atendimento estritamente humanizado.

Todos estes momentos tem seu valor, valor profissional individual ou entre equipes, valor para a família, valor social, mas também tem valor para a Instituição que além de ter contado com o apoio para a prestação de qualidade, também teve custo financeiro envolvido, o que deve ser reconhecido e analisado para que todos possam ter seu equilíbrio dentro da sua realidade.

Está aí a importância das equipes não deixarem nada passar em branco sobre assistência ao cliente, seguindo corretamente o Guia de Recomendações para Registro de Enfermagem (Cofen).
Muitos colegas da assistência em saúde gostam de se envolver também com as rotinas administrativas, o que só edifica seus conhecimentos e o faz profissional diferenciado, pois seu nível de interesse e comprometimento é diferencial profissional (Leia também a matéria sobre Os registros de Enfermagem e a Auditoria em Serviços de Saúde).

É bastante interessante quando compartilhamos algumas experiências da auditoria de contas hospitalares com equipes multidisciplinares, pois a maioria nem imagina como é este trabalho e seus reais impactos, é neste momento que entendemos o quanto é importante a clareza das questões administrativas e financeiras que envolvem o atendimento hospitalar a todos os membros da equipe.

A começar pelo nome correto do cliente, com seu código de identificação, se o seu atendimento está autorizado na Instituição, guias preenchidas e de forma completa, termos de responsabilidades devidamente assinados, exames anteriores em anexo, qual a especialidade correta para o atendimento e finalidade da internação com o diagnóstico relacionado, acomodação correta, se haverá acompanhante e critérios, total de diárias e suas prorrogações, honorários dos especialistas envolvidos, todos os materiais e medicamentos bem como os serviços relacionados e OPME’s (órteses, próteses e materiais especiais) ou DMI’s (dispositivos médicos implantáveis).



Um bom enfermeiro auditor de contas hospitalares simultaneamente já realiza uma auditoria de qualidade, identificando possíveis divergências que causam impactos assistenciais, administrativos e financeiros, pois em momento de análise entre a conta e o prontuário visualiza-se exatamente um macro entre o nível de qualidade da assistência prescrita, prestada, anotações e evoluções adequadas, bem como, a organização e o preenchimento correto dos formulários anexados.

E sim, há prontuários impecáveis tanto de pacientes com longa e curta permanência como em casos de alta complexidade, mas este resultado ocorre justamente quando há parceria entre as áreas, protocolos estabelecidos, referenciados e compartilhados para ciência de todos, além da educação profissional permanente, interesse pelas novas tecnologias, legislações em saúde, instruções da ANVISA, pareceres diversos.

A função administrativa do enfermeiro se complementa com as funções dos demais serviços que constituem a estrutura administrativa do hospital (MELO, 1996). 

A importância do papel do enfermeiro se reveste de importância pelo fato que são necessários recursos financeiros altos para a prestação de assistência hospitalar, sofisticação de instrumentos demanda cada vez mais o administrador possuir em todas unidades do hospital uma equipe treinada e especializada para ajudar nesta administração (CASTILHO, 1986). 

É prioridade a assistência em saúde com humanização e qualidade na segurança do paciente, que consequentemente deve se correlacionar com os conhecimentos nas rotinas administrativas e seus impactos financeiros.

Referencias:
http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2016/08/Guia-de-Recomenda%C3%A7%C3%B5es-CTLN-Vers%C3%A3o-Web.pdf
Acesso 26/04/2018 às 21:46hs

MELO MRAC, FÁVERO N, TREVIZAN MA, HAYASHIDA M. Expectativa do administrador hospitalar frente as funções administrativas realizadas pelo enfermeiro. Rev.latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v, 4, n. 1, p, 131-44, 1996. 
CASTILHO L.F. O administrador hospitalar. Rev. Paul. Hosp. São Paulo, 1986. 


Contribuiu com este Artigo:

Alexandra Garcia

RX Consultoria e Serviços 
Implantação dos serviços de auditoria em saúde, integração e treinamentos.
22 anos de experiência em saúde suplementar.
Enfermeira e gestora em recursos humanos 
Pós graduada em enfermagem do trabalho e auditoria em saúde com extensão pela FGV de SP.
e-mail: auditoria_saude@outlook.com

Comentários

Top da Semana

Nervo Ciático inflamado: Causas, Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

O nervo ciático (ou isquiático) é o mais longo e espesso do corpo humano. Ele se origina no plexo lombo sacro, ou seja, na região lombar e é formado por diversas ramificações que se ligam às ultimas vértebras e à base da coluna vertebral e atravessam o quadril, os glúteos, a coxa, o joelho e o tornozelo.
Quando chega na metade do fêmur, o maior osso da coxa, o ciático se divide em fibular e tibial, que são ramificações que seguem pela perna.
A dor ciática caracteriza-se como uma dor persistente, semelhante a pequenos choques elétricos, sentida ao longo do trajeto do nervo ciático (coluna lombar, região posterior da coxa, pernas e pés). Pode vir acompanhada de formigamento, dormência ou fraqueza muscular no membro afetado e piora com o movimento. Nos casos mais graves, pode haver dificuldade para caminhar.

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…

Acesso venoso periférico: Técnica, Estabilização e tipo de Curativo

A punção venosa periférica é certamente o procedimento mais realizado nos atendimentos de emergências, além de ser o procedimento invasivo mais comum realizado pela enfermagem. Pelo menos 90% dos pacientes hospitalizados necessitam, em algum momento de um acesso venoso para realização de terapia intravenosa.
É a via de administração de medicação diretamente nas veias, nela é possível fazer medicação em grande quantidade e aquelas que pela via oral não são possíveis de administrar. São dois tipos: acesso venoso periférico, que é a inserção de um cateter nos membros (braço, mão, perna, etc.) e acesso venoso central, este é utilizado em pacientes que necessitam de grandes quantidades de medicamento e soro - é uma via calibrosa para infusão de algumas medicações específicas, como quimioterapia, dieta parenteral.

Acesso venoso periférico (membros):
O acesso venoso periférico pode ser puncionado por enfermeiros, técnicos de enfermagem e médicos. As vias de acesso preferenciais são as veias dos…