Pular para o conteúdo principal

Cuidados com a Gastrostomia


Gastrostomia e jejunostomia são procedimentos cirúrgicos para a fixação de uma sonda alimentar. Um orifício criado artificialmente na altura do estômago ou na altura do jejuno, objetivando uma comunicação entre a cavidade do estômago e a parede do abdômen.

O alimento pode ser administrado por uma bomba infusora ou através de seringa (alimentação em bolus). O preparo e "porcionamento" da dieta terá que seguir rigorosamente a orientação dada pelo nutricionista ou nutrólogo.

A higiene é fundamental para minimizar a contaminação da dieta e consequentes complicações gastrointestinais. Antes do preparo da dieta, é necessário realizar a lavagem adequada das mãos, dos alimentos e de todo material que será utilizado, bem como dos utensílios e da bancada onde haverá a manipulação. Depois da lavagem, recomendamos friccionar álcool a 70% na bancada e utensílios.



Aspectos Gerais
  • Lavagem das mãos antes e após qualquer manipulação;
  • Limpeza do local da gastrostomia / jejunostomia com soro fisiológico 0,9%, secar bem após lavagem. Na residência, poderá ser limpo o sítio da sonda com água morna e sabão neutro, secando bem após com gaze.
  • Não esqueça de administrar através do cateter de gastrostomia, água ANTES e DEPOIS de cada alimentação; o cateter pode e deve ser utilizado para hidratação do paciente, suplementar à dieta enteral;
  • NÃO deixe a pinça fechada se o tubo não estiver em uso, pois isto pode estragar o material; a pinça deve ser utilizada apenas enquanto o orifício externo do cateter estiver aberto, entre uma infusão e outra;
  • Não tracionar
  • Observar extravasamento de dieta pelo óstio (orifício da gastrostomia/jejunostomia) – comunicar imediatamente o médico.
  • Evite o manuseio excessivo do cateter. Cuide para que pacientes desorientados não “brinquem” com o dispositivo. Alguns artifícios são usar faixa de gaze ou camisetas para evitar a tração por parte do paciente, sobretudo dos dispositivos recém-instalados;
  • Trocar equipo de dieta – no caso de fórmulas industrializadas – a cada 24h;
  • A maior parte dos medicamentos orais líquidos pode ser administrado pelo cateter, mas devem ser diluídos em um volume igual de água, após autorização pelo médico assistente. Comprimidos devem ser macerados individualmente, em água filtrada ou mineral e administrados e NUNCA devem ser administrados com a dieta. O cateter deve ser lavado com 30mL após a administração dos medicamentos, a fim de evitar resíduos.

Cuidados na Alimentação
  • Garanta que o paciente esteja com a cabeceira elevada. O tronco deverá estar elevado entre 30-40 graus por 1h após a alimentação; esta medida é importante para evitar refluxo gastroesofágico;
  • Examine o tubo, procurando acotovelamentos ou bloqueios que impeçam o fluxo do líquido a ser infundido;
  • Feche o tubo com a pinça/grampo/”pregador”;
  • Abra a conexão do cateter e conecte uma seringa de alimentação de 50mL ou 60mL contendo água;
  • Abra a pinça e deixe a água fluir pelo cateter; Se houver dor, pare imediatamente e avise a enfermeira especialista ou o médico;
  • Feche a pinça e conecte o equipo da bomba ou a seringa ao cateter;
  • No caso de administração por bomba infusora, ajuste a bomba e o tempo de infusão conforme as recomendações da nutricionista ou do médico; no caso de administração de dieta artesanal, conecte a seringa de 50 ou 60 mL;
  • Abra a pinça e inicie a alimentação; no caso de administração de dieta pela seringa, faça-o na vazão de 5mL a cada 30 segundos, repetindo esta operação até o esgotamento do volume da refeição;
  • Ao término da alimentação, desconecte o tubo e infunda 50mL de água, como no início do procedimento;
  • Feche o cateter e deixe a pinça aberta.

Cuidados com o Estoma
  • O orifício por onde o tubo entra no tubo digestório, mais frequentemente no estômago, é chamado ESTOMA;
  • O estoma não deve ser tocado nas primeira 8 – 12 horas após a instalação quando esta for feita por via cirúrgica ou endoscópica;
  • Após 24 horas limpe em torno da saída do cateter. O estoma deve ser limpo inicialmente duas vezes ao dia com água fervida ou salina, e com higiene meticulosa;
  • A drenagem serosa deve parar de sair em poucos dias;
  • Duas semanas após a instalação, o estoma pode ser limpo diariamente com sabão neutro, água morna e gaze, ou com salina se estiver no hospital;
  • É importante que o estoma seja secado gentilmente, mas por completo. Essa operação de secagem pode ocorrer várias vezes por dia;
  • O tubo deve ser girado em torno do próprio eixo (axialmente) uma vez por semana, como parte do processo de limpeza. Isto auxilia a manutenção de um estoma limpo e facilita o processo de limpeza;
  • Procure por vazamentos, edemas, irritação, vermelhidão, fissuras na pele. Se o local tornar-se inflamado ou doloroso, procure o médico ou enfermeira especialista;
  • Nos primeiros 10 a 14 dias pós-confecção de gastrostomia não recomendamos imersão em água. Chuveiro é permitido desde que a PEG esteja fechada e que o estoma não seja molhado. Após duas semanas, o banho pode ser dado normalmente. Seque sempre muito bem a área após o banho para prevenir infecção.

Rotina de Limpeza Diária
  • Antes de limpar o estoma, lave as mãos com água e sabão. Seque-as bem. Não é necessário o uso de luvas estéreis;
  • Atente sempre para o número que aparece no tubo próximo ao local de saída. Esta graduação indica se o cateter está muito ou pouco introduzido e deve ser acompanhada sempre;
  • Limpe o estoma com sabão neutro e água morna usando uma gaze. Pode ser necessário um leve deslizamento do cogumelo externo de fixação a fim de melhorar a exposição do óstio para a limpeza de sujidades. Remova gentilmente qualquer debri ou crosta em torno do estoma e do dispositivo de fixação com água morna e gaze. A higienização do óstio da gastrostomia é realizada com sabonete neutro e água.
  • Seque o local cuidadosamente com panos macios ou gaze, sem fazer fricção;
  • O estoma normalmente não necessita de cobertura, mas se houver transudação excessiva ou vazamento, um absorvente seco pode ser necessário. Nesses casos, consulte o enfermeiro especialista;
  • Após limpeza, o dispositivo de fixação (cogumelo externo) deve ser recolocado em sua posição original, conforme a marcação próxima ao estoma. É importante que o fixador não esteja apertado junto à pele, sob o risco de lesioná-la.
  • Soluções irritantes como o álcool ou oleosas (p.ex.: hidratantes de pele) devem ser evitadas para minimizar a ocorrência de hiperemia (vermelhidão), descamação ou maceração periestomal;
  • A formação de granuloma (pele ou verrucosidade que ocasionalmente surge ao redor do óstio da gastrostomia), pode ser ocasionado pela umidade excessiva associada à fricção do cateter no óstio do estoma. Nesse caso, deve-se contactar o enfermeiro especialista (estomaterapeuta).
  • O desposicionamento ou tração do cateter de gastrostomia podem ser evitados realizando fixação do mesmo no abdome com uma fita hipoalergênica (micropore ou fita de silicone para pacientes com fragilidade capilar). Deve-se observar a marcação do anteparo externo do cateter de gastrostomia para que qualquer alteração seja percebida o quanto antes.
  • Se houver desposicionamento do cateter ou, até mesmo, saída total do mesmo, a administração da dieta deverá ser interrompida e o médico ou enfermeiro devidamente capacitado para tal será chamado para avaliar o reposicionamento do mesmo cateter ou de um cateter novo.





Comentários

Top da Semana

Oxímetro de Pulso

oxímetro de pulso é um dispositivo médico que mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que o sangue está transportando. Trata-se de uma monitorização não invasiva da saturação de oxigênio do sangue arterial.
O nível de oxigênio mensurado com um oxímetro é chamado de nível de saturaçãode oxigênio (abreviado como O2sat ou SaO2). A SaO2 é a porcentagem de oxigênio que seu sangue está transportando, comparada com o máximo da sua capacidade de transporte. O padrão de normalidade varia entre 90 - 100% de SpO2.


O Oxímetro substitui a necessidade de Gasometria Arterial?
O oxímetro mensura indiretamente a quantidade de oxigênio que é transportada pelo sangue, e não é invasivo. Já a gasometria arterial é um procedimento invasivo e mensura diretamente tanto a quantidade de oxigênio transportada pelo sangue quanto a de gás carbônico (dióxido de carbono). 
Material necessário para instalação do Oxímetro: Equipamento: Oxímetro de pulso;Sensor adulto ou infantil (permanente ou descartável);Álcool…

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…