Pular para o conteúdo principal

16 receitas caseira para Diabetes (Eficaz e Fácil de Fazer)



Remédios caseiro fáceis de fazer para Diabetes e que ajudam a manter a taxa de glicose controlada. A diabetes é uma doença que afeta a forma de como o corpo usa a glicose; o pâncreas produz insulina, mas ele não funciona como deveria, e isso faz com que os níveis de açúcar (glicose) subam muito.

Com dicas simples e alimentos naturais, muitas pessoas conseguem regular os níveis de glicose naturalmente.
Abaixo estão 16 receitas caseiras e naturais para controlar a diabetes:

Maracujá (farinha de maracujá):
A farinha da casca de maracujá é rica em pectina, um tipo de fibra solúvel que atua na redução da absorção da glicose no sangue. Recomenda-se ingerir de 02 a 03 colheres de sopa antes das principais refeições (almoço e janta).

Chá de Pata de Vaca (planta medicinal):
Ferva 02 folhas desta planta medicinal e deixe descansar por pelo menos 10 minutos, beba o chá pelo menos 3 vezes por dia, antes das refeições. Essa planta possui uma proteína que atua de forma semelhante a insulina no corpo (Leia o artigo sobre Cuidados com o pé do diabético).

Chá da casca de cebola:
Descasque a cebola, e com a casca faça chá que regulariza os níveis de glicose no sangue. Pesquisas recentes confirmam que as cascas das cebolas fornecem uma fonte excepcionalmente rica de compostos de plantas. Esses compostos sãos os famosos flavonoides, mais especificamente a quercetina, um poderoso composto antioxidante e anti-inflamatório. A quercetina é um flavonoide natural que possui propriedades anti-inflamatórias, anticarcinogênicas,  antivirais, anti-histamínicas e com benefícios cardiovasculares. Além disso, também exerce forte influência na inibição de cataratas em diabéticos. A cebola tem poder depurativo que ajuda a limpar o sangue e possui uma substância muito parecida com o hormônio insulina.

Quixaba (planta medicinal):
Ótima para dar energia, também ajuda no controle da glicose no sangue. O preparo é bem simples, cozinhe as folhas por cerca de 15 minutos, deixe repousar a efusão por mais 10 minutos e depois é só coar e tomar de 2 a 3 vezes ao dia (Leia o artigo sobre Aplicação de insulina e os cuidados de enfermagem).

Chá de erva mate:
Beber regularmente chá de erva-mate reduz os lipídios (gordura no sangue), níveis de glicose, hemoglobina e colesterol LDL, combinado com uma alimentação correta.

Óleo de coco:
Ajuda a regular a glicose no sangue, já que pessoas com diabetes são resistentes à insulina onde sua glicose não é convertida em energia. Duas colheres de sopa já bastam para sentir os excelentes benefícios do óleo de coco para diabetes. O óleo de coco não cura diabetes. Assim como muitos outros alimentos, o óleo de coco é um forte aliado no controle natural do diabetes.

Alho:
O alho deve ser consumido cru, pois, após ser aquecido ou transformado, perde ou transforma suas propriedades benéficas. Pode-se também tomar a água de alho, enchendo um copo de água e acrescentando um dente de alho picado. Tome esta água aos goles durante o dia, acrescentando mais água. Ao fim do dia, descarte o alho. O uso excessivo ou em dose elevada do alho pode causar má digestão e irritabilidade da mucosa gástrica (Leia também Novos subgrupos de Diabetes do Adulto (Nova Nomenclatura Proposta).

Amoras:
Muito rico em fibras, vitaminas e minerais, o chá das folhas de amora, reduz e trata diversas doenças (diabetes, colesterol alto, regulariza a taxa glicêmica do sangue, dores de cabeça, enxaqueca e insônia). Coloque 01 litro de água para ferver e adicione 03 folhas de amora, ferva por 05 minutos, deixe esfriar e beba. A quantidade a ser tomada é de 03 xícaras ao dia. Apenas para o uso do chá seu consumo deve ser moderado e como todo medicamento, deve ter acompanhamento médico.

Nabos:
Os nabos também diminuem a quantidade de açúcar no sangue e podem ser consumidos em forma de salada ou recheio.

Chá de Poejo:
O chá de poejo tem efeito redutor de açúcar do sangue, atua sobre a insulina, melhorando sua ação no corpo. O poejo também é rico em zinco e em cromo: o zinco estimula a produção da insulina e o cromo faz com que sua ação no corpo seja melhorada.

Chá de Carqueja:
O chá da planta carqueja também é indicado para o tratamento da diabetes e deve ser ingerido todos os dias para resultados satisfatórios. Contudo, sua ingestão deve ser moderada, pois se consumido em excesso possui alguns efeitos colaterais, como hipotensão, hipoglicemia e redução da imunidade. Além disso, seu uso durante a gravidez ou período de amamentação é restrito, devendo ser acompanhado pelo médico.

Chá de Jucá:
Outra planta medicinal que é muito usada no tratamento da diabetes é a jucá, que deve ser consumida em forma de chá e é recomendado que se tome duas xícaras de chá ao dia. Entretanto, há algumas pessoas que não devem fazer uso desse tratamento, como as mulheres grávidas e as que estão amamentando, além das mulheres que estiverem em período menstrual.

Stévia:
A stévia rebaudiana também é uma aliada no tratamento da diabetes, sendo uma opção ao uso do açúcar refinado. Além disso, um dos fatores importantes da stévia é seu auxílio na regulagem dos níveis de glicose no organismo. A ingestão da stévia pode ser feita através de comprimidos ou de infusões (Leia também o artigo sobre as Novas Diretrizes para diabetes, ADA 2017).

Canela:
Um ingrediente muito conhecido e que tem seu papel no tratamento para diabetes é a canela. Ela atua na melhora das taxas de açúcar e tem a vantagem de poder ser consumida como tempero em vários pratos.

Quiabo:
O quiabo ajuda a diminuir a absorção de açúcares ingeridos e, por isso, também diminui os níveis de glicose. Os estudos apontaram que a baba do quiabo tem alto teor de fibras e uma dieta rica em fibras diminui a absorção de carboidratos (açúcares), controla os níveis da glicemia e aumenta a sensação de saciedade.

Batata Yacon:
Conhecida como insulina natural, a batata yacon para diabetes é uma ótima alternativa para controlar a diabetes. É um poderoso amido resistente, tudo porque ele resiste as enzimas digestivas. Além disso, estimula uma atividade intestinal desacelerando o esvaziamento gástrico e gerando uma maior saciedade. A batata Yacon deverá ser consumida como uma fruta, de forma crua, e não frita (também pode ser consumida cozida ou assada).


Entretanto, é bom lembrar que a princípio os tratamentos naturais não substituem os tratamentos tradicionais e que os remédios prescritos pelo médico e não devem ser abandoados sem a sua avaliação. Além disso, o médico deve ser informado sobre o uso desses remédios naturais para tratar diabetes.



Comentários

Top da Semana

Nervo Ciático inflamado: Causas, Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

O nervo ciático (ou isquiático) é o mais longo e espesso do corpo humano. Ele se origina no plexo lombo sacro, ou seja, na região lombar e é formado por diversas ramificações que se ligam às ultimas vértebras e à base da coluna vertebral e atravessam o quadril, os glúteos, a coxa, o joelho e o tornozelo.
Quando chega na metade do fêmur, o maior osso da coxa, o ciático se divide em fibular e tibial, que são ramificações que seguem pela perna.
A dor ciática caracteriza-se como uma dor persistente, semelhante a pequenos choques elétricos, sentida ao longo do trajeto do nervo ciático (coluna lombar, região posterior da coxa, pernas e pés). Pode vir acompanhada de formigamento, dormência ou fraqueza muscular no membro afetado e piora com o movimento. Nos casos mais graves, pode haver dificuldade para caminhar.

Cateter Venoso Central e os cuidados de Enfermagem

O cateter venoso central (CVC) é um sistema intravascular utilizado para administração de fármacos, infusão de derivados sanguíneos, nutrição parenteral, monitorização hemodinâmica, terapia renal substitutiva, entre outros. É um dispositivo que pode permanecer no paciente por longo período, minimizando o trauma associado às repetidas inserções de um cateter venoso periférico.

A cateterização venosa central é um procedimento amplamente utilizado em pacientes críticos, os quais demandam assistência à saúde de alta complexidade.
Os cuidados de enfermagem à pessoa com cateter venoso central exigem conhecimentos teórico-práticos indispensáveis para a correta manipulação e manutenção desse dispositivo, evitando complicações que poderão ser de enorme gravidade, retardando a recuperação ou mesmo, elevando as taxas de óbito, tanto de adultos como crianças.
Locais de inserção: As veias jugular interna, subclávia e femoral são as escolhidas para a inserção do CVC. Apesar de sua utilização em pacien…

Drenos e os cuidados de Enfermagem

Algumas cirurgias exigem a necessidade da colocação de drenos para facilitar o esvaziamento do ar e líquidos (sangue, secreções) acumulados na cavidade.
Dreno pode ser definido como um objeto de forma variada, produzido em materiais diversos, cuja finalidade é manter a saída de líquido de uma cavidade para o exterior.
As indicações para colocação de controle de drenos são específicas para cada tipo de dreno. 
Podem ser classificados em: 
- Dreno aberto, ex.: penrose; 
- Dreno de sucção fechada; 
- Dreno de reservatório; 
- Cateteres para drenagem de abscesso.



Dreno de Penrose 
É um dreno de borracha, tipo látex, utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local de líquidos infectados, ou não, no período pós-operatório. Seu orifício de passagem deve ser amplo e ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada, não utilizando o dreno por meio da incisão cirúrgica e, sim, por meio de uma contraincisão. 
Para evitar depósitos de fibrina que possam obstruir seu lúmen, o dreno de p…

Tipos de Curativos

Curativo: é o tratamento utilizado para promover a cicatrização da ferida, proporcionando um meio adequado para esse processo. A escolha do curativo depende do tipo de ferida.
Curativo ideal  - Manter alta umidade entre a ferida e o curativo;  - Remover o excesso de exsudação, evitando a maceração dos tecidos próximos; - Permitir a troca gasosa;  - Fornecer isolamento térmico;  - Ser impermeável as bactérias;  - Estar insento de substâncias tóxicas;  - Permitir sua retirada sem ocasionar lesão por aderência.


Tipos de Curativos  Existem, atualmente, muitos tipos de curativos, com formas e propriedades diferentes. É importante antes da realização do curativo, a avaliação da ferida e aplicação do tipo de curativo que melhor convier ao estágio que se encontra, a fim de facilitar a cura.
- Alginatos;  - Carvão Ativado; - Hidrocolóide; -  Hidrogel - Filmes;  -  Papaína;  -  Antissépticos;  -  Ácidos Graxos Essenciais
Alginatos: são indicados para feridas exsudativas, com sangramento, limpas ou infectadas, agud…

Acesso venoso periférico: Técnica, Estabilização e tipo de Curativo

A punção venosa periférica é certamente o procedimento mais realizado nos atendimentos de emergências, além de ser o procedimento invasivo mais comum realizado pela enfermagem. Pelo menos 90% dos pacientes hospitalizados necessitam, em algum momento de um acesso venoso para realização de terapia intravenosa.
É a via de administração de medicação diretamente nas veias, nela é possível fazer medicação em grande quantidade e aquelas que pela via oral não são possíveis de administrar. São dois tipos: acesso venoso periférico, que é a inserção de um cateter nos membros (braço, mão, perna, etc.) e acesso venoso central, este é utilizado em pacientes que necessitam de grandes quantidades de medicamento e soro - é uma via calibrosa para infusão de algumas medicações específicas, como quimioterapia, dieta parenteral.

Acesso venoso periférico (membros):
O acesso venoso periférico pode ser puncionado por enfermeiros, técnicos de enfermagem e médicos. As vias de acesso preferenciais são as veias dos…